Pressa de pousar

Difícil entender a fúria obsessiva de alguns passageiros que se levantam antes que os sinais de apertar cintos se apaguem

Durante 11 horas e meia, os passageiros do voo 456 da air France (Paris–são Paulo) comportaram-se de forma exemplar. Afora um sujeito na minha frente, que se mostrou irritado com a falta de macarrão no almoço (seu desprezo espumante pelas coxas de frango chegou até o chefe dos comissários), todos seguiram religiosamente as recomendações de apertar os cintos, não fumar nem fazer bagunça nos corredores.

É de espantar que, tão logo o avião baixe o trem de pouso, os civilizados passageiros se levantem descontroladamente e passem a abrir os compartimentos de bagagem, ignorando os avisos luminosos para manter os cintos afivelados e a súplica do piloto para que se aguarde o estacionamento definitivo da aeronave.

É só as rodinhas tocarem no chão que a obediência, o comedimento e mesmo o alívio da chegada são substituídos pela fúria cega de arrancar os cintos e pegar a bagagem de mão, postando-se no corredor.

Os comissários tentam conter a movimentação, que, porém, tem caráter de motim escolar, como se, após 11 horas de bom comportamento, não se consiga mais esperar um minuto para sair de lá.

A atitude é quase unânime e pode ser observada em voos de inúmeras procedências e durações – num voo de Berlim a Paris, o piloto foi pessoalmente ao microfone para passar um pito nos apressados: “Por favor, observem os avisos luminosos e mantenham os cintos afivelados. Aguardem a parada total da aeronave. Por favor, todos sentados. Os avisos luminosos continuam acesos”. Quando, enfim, todos retornaram aos assentos, os avisos se apagaram. “Agora, sim”, brincou o piloto.

No voo 456, a aeronave ainda estava a dezenas de pés do solo quando um sujeito se levantou para pegar a mala. em meio ao processo de aterrissagem, duas comissárias foram ralhar com ele. Como resultado, ele demorou 30 segundos a mais que seus vizinhos para apanhar as coisas e dirigir-se à saída, ainda que o avião levasse mais 15 minutos para taxiar, e ainda que as portas custassem a abrir.

Tanta pressa para depois ficar plantado no saguão esperando a mala surgir na esteira de bagagem.

→ *Vanessa Barbara prefere assentos na janela para evitar a sanha dos apressados

Leia mais:

Novembro de 2012 – Edição 205

Blog da VT

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s