O top five

As cinco melhores escolas para estudar inglês fora do país, segundo pesquisa da VT e da Belta

Por Simone Saggioro (edição) Atualizado em 14 dez 2016, 12h01 - Publicado em 14 set 2011, 12h27

Numa pesquisa inédita publicada no Guia Cursos no Exterior (nas bancas), repórteres da VT e representantes da Brazilian Educational and Language Travel Association (Belta), associação que avalia e certifica as principais escolas que trabalham com cursos no exterior, escolheram as melhores instituições de ensino de inglês pelo mundo. Diversos aspectos foram levados em conta na seleção – qualidade acadêmica, estrutura física da escola, localização e até a política de distribuição de alunos pelas classes. Profissionais de 17 operadoras votaram na pesquisa.

Optar por uma ou outra escola não é tarefa fácil. O impasse já começa numa escala, digamos, mais global, quando o aluno decide para qual país quer ir. É preciso muito critério, já que, por passar muitas horas em aula, o lugar precisa ser minimamente agradável. Os cursos preferidos dos estudantes são os regulares, com carga horária média de 20 horas semanais. O programa clássico é o de quatro semanas, mas há opções de até um ano. Nas páginas a seguir, você conhece, listadas em ordem alfabética, as cinco escolas mais bem avaliadas pela pesquisa e os principais pontos positivos de cada uma.

CRITÉRIOS PARA ESCOLHER A ESCOLA:

Qualidade acadêmica

Formação dos professores, expertise da instituição e tradição no setor são pontos que devem ser verificados.

Boa localização

Distância das áreas centrais, facilidade de transporte e proximidade de estações de metrô são variáveis importantes – especialmente em países onde o inverno é rigoroso.

Estrutura física

Muitas vezes, tamanho é documento. Com raras exceções, quanto maior a unidade, mais equipados são o laboratório e a biblioteca e melhores os ambientes de convivência.

Certificações locais e internacionais

Ganham pontos as instituições que são certificadas para realizar os exames Toefl e Ielts.

Acompanhamento e hospedagem

As boas instituições têm um catálogo de casas de família e residências estudantis previamente checadas e aprovadas. Consulte-o.

Mix de nacionalidades

A distribuição de alunos de um mesmo país em classes diferentes evita o uso da língua materna durantes as aulas.

Feedback de ex-alunos

Outra forma de saber mais sobre a escola é pedir à própria instituição ou à operadora brasileira contratada opiniões de ex-alunos.

 

EMERALD CULTURAL INSTITUTE

Dublin – Irlanda

• Boa localização

• Qualidade acadêmica

• Atenção ao aluno

Uma escola de inglês que é ponto turístico em uma cidade tão cheia de atrativos como Dublin já mereceria atenção. A Emerald (www.eci.ie) ocupa uma mansão vitoriana em Palmerston Park, na área central da capital irlandesa. Operadores que votaram na instituição destacaram a infraestrutura (são 25 salas de aula), a qualidade dos cursos e a atenção aos alunos. Lucas França, de 26 anos, que voltou ao Brasil após cursar na Emerald por sete meses, está satisfeito. “Avancei alguns níveis e hoje consigo conversar fluentemente em inglês. No Brasil, nunca passei do intermediário”, conta. Os cursos têm diferentes enfoques e cargas horárias que duram de duas semanas a um ano. O aluno pode, por exemplo, estudar em grupo pela manhã e, à tarde, fazer uma hora de aula individual. Há também cursos para obtenção de certificados, como Toefl, Cambridge e Ielts. “O feedback dos alunos é sempre positivo”, diz Felipe Trigo, gerente de estratégia de negócios da Friends in the World.

€ 1 659: Quatro semanas, com acomodação em casa de família e meia-pensão.

Quando: Até o fim de 2010.

Quem leva: A CI (11/3677-3600, www.ci.com).

EUROCENTRES

Cambridge – Inglaterra

• Rigor acadêmico

• Metas individuais

• Fica na cidade universitária

A apenas 90 km de Londres, Cambridge conservou as faculdades criadas no século 13. O prédio moderno do Eurocentre (www.eurocentres.com/pt) se diferencia da paisagem medieval, mas absorve muito do clima universitário que domina toda a cidade. Marcelo Barbosa Carrilho, de 19 anos, estudou durante cinco meses na escola e concluiu o curso em junho. Agora possui um certificado universitário para estudar fora do Brasil. “O programa é bem rigoroso. Exige disciplina”, diz. As turmas com no máximo oito pessoas têm metas semanais. “Os grupos pequenos e o método usado garantem um progresso rápido”, diz Betty Woodyatt, diretora operacional da Experimento Intercâmbio.

Continua após a publicidade

€ 1 172: Duas semanas, com acomodação em residência estudantil, sem refeição.

Quando: Até o fim de 2010.

Quem leva: A Via MC (11/3889-7157, www.viamc.com.br).

INTERNATIONAL HOUSE

Londres – Inglaterra

• Boa infraestrutura

• Referência em qualidade

• Localização central

A rede International House (IH) é reconhecida pela experiência em treinamento de professores. São 140 unidades em 40 países. A IH de Londres (www.ihlondon.com) tem também cursos especiais focados em negócios. Ao todo são 50 salas, laboratórios e uma biblioteca com material diferenciado para aprender e ensinar. “É impecável em todos os aspectos: tem localização perfeita, em Covent Garden, parte acadêmica excelente e variedade de programas”, diz Luiza Vianna, gerente de Cursos no Exterior da CI. Entre os tradicionais cursos para certificação, é especializada em Cambridge e Ielts.

£ 2 170: Quatro semanas, em casa de família, com meia-pensão.

Quando: Até o fim de 2010.

Quem leva: A STB (11/3038-1551, www.stb.com.br).

KAPLAN – EMPIRE STATE BUILDING

Nova York – Estados Unidos

• Certificações

• Custo/benefício

• Vista privilegiada de Nova York

Para quem quer aproveitar o curso de inglês para conhecer a Big Apple, a localização da Kaplan (www.kaplaninternational.com) não poderia ser melhor: ao lado dos teatros da Broadway, em plena 5ª Avenida, no 63º andar do edifício mais famoso da cidade, o Empire State Building. Um lounge permite aos alunos enxergar boa parte dos arranha-céus de Nova York com o Rio Hudson ao fundo. A escola tem mais de 100 unidades espalhadas pelo mundo. Há cursos de inglês tradicionais e diferenciados, como os voltados para estágios em instituições americanas. A boa relação custo/benefício e a atenção personalizada aos estudantes são pontos relevantes na avaliação da escola. “As aulas são dinâmicas e com bastante interatividade entre estudantes e professores. Toda semana são realizados testes orais e escritos”, afirma Renato Silva, consultor de intercâmbio da IE e ex-aluno da escola.

US$ 1 260: Duas semanas, com acomodação em casa de família e meia-pensão.

Quando: Até o fim de 2010.

Quem leva: A SIP (11/3168-6658, www.siptravel.com.br).

NESE

Boston – Estados Unidos

• Relação com Harvard

• Residências próprias

• Excelente localização

A New England School of English, ou Nese (www.nese.com), fica em Harvard Square, o bairro da universidade mais respeitada dos EUA, Harvard. A matrícula no curso de idiomas dá acesso a algumas aulas da faculdade. Flávio Crusué, diretor da operadora Bex, destaca ainda a diversidade etária. “Apesar de receber alunos a partir de 18 anos, ela é bastante focada em pessoas mais maduras”, diz. Ponto sublinhado por Douglas Sforsin Calvo, de 32 anos, e por Felipe Rhohe Rezende, de 31. Ambos fizeram o curso neste ano, em períodos diferentes. Douglas, em janeiro, e Felipe, em abril. “Foi fantástico. Apesar de cursar o nível básico, não fiquei com a molecada”, diz Douglas. Para Felipe, a turma homogênea ajudou. “Perdi o medo de conversar em ingles”, diz.

US$ 2 225: Quatro semanas, com acomodação em casa de família e com meia-pensão.

Quando: Até outubro.

Quem leva: A Experimento (11/3707-7122, www.experimento.org.br).

Curso em 2011 com preço de 2010

Em novembro, a maioria das operadoras começa a trabalhar com uma tabela corrigida e, consequentemente, com aumento no preço dos pacotes. Na Experimento, por exemplo, seis meses de curso no Canadá comprados até 30 de outubro saem por US$ 5 250. Depois passam a custar US$ 6 300.

Continua após a publicidade

Publicidade