Miradouros para ver Lisboa sob outro ângulo

Diz a lenda que Lisboa, da mesma forma que Roma, foi fundada sobre sete colinas: são Jorge, São Vicente, São Roque, Santo André, Santa Catarina, Chagas e Sant’Ana.

Apesar de esse fato ser incerto, a cidade tem vários miradouros que valem a pena visitar para ter uma visão diferente de Lisboa, e cada cantinho desses conta um pouco da história de Lisboa e de Portugal.

1. Castelo de São Jorge

É o mais famoso e imponente castelo de Lisboa – e o melhor lugar para uma visão panorâmica da cidade e do rio Tejo. Construído no século XI pelos muçulmanos, foi o último reduto de defesa durante o período da Reconquista, e depois transformado pelos portugueses em palácio real, adquirindo uma função militar a partir do século XVI.

Por do sol no Castelo de São Jorge (foto: Renata Hirota)

Por do sol no Castelo de São Jorge (foto: Renata Hirota)

2. Miradouro de Santa Luzia

Com vista para o bairro tradicional de Alfama, destacam-se duas imagens feitas de azulejos que retratam momentos diferentes da história de Portugal. A primeira mostra como era a Praça do Comércio antes de terremoto de 1755, que destruiu grande parte da cidade, e o outro ilustra o ataque cristão ao castelo de São Jorge em 1147.

3. Miradouro de Nossa Senhora do Monte

O meu preferido, de longe! Tem um jardinzinho e uma tranquilidade singular, já que é um dos miradouros menos frequentados por aqui. Existe uma tradição que conta que as mulheres que queriam ter uma gravidez sem complicações se sentava na cadeira de pedra na capela de Nossa Senhora do Monte – que pertenceu ao mártir São Gens de Lisboa, bispo da cidade. Se conta que até a rainha Maria Ana de Áustria aderiu à tradição, no século 18.

Jardim no miradouro de Nossa Senhora do Monte (foto: Renata Hirota)

Jardim no miradouro de Nossa Senhora do Monte (foto: Renata Hirota)

4. Miradouro Sophia de Mello Breyner Andresen (Miradouro da Graça)

Este é provavelmente um dos mais famosos miradouros de Lisboa. Desde 2009, mudou de nome para Miradouro Sophia de Mello Breyner Andresen, em homenagem à poetisa que morava no bairro, na Travessa das Mónicas, e que morreu em 2004.

5. Miradouro de Santa Catarina

A estátua de Adamastor ali lembra constantemente a forte ligação dos portugueses com o mar. Segundo a lenda, o gigante dos mares foi responsável por afundar diversas embarcações portuguesas, e suas histórias foram narradas por poetas e escritores – o mais famoso, Camões, em Os Lusíadas.

A expressão “a ver navios” também nasceu ali: uma das versões diz que o general Jean-Andoche Junot, durante a invasão francesa, chegou em cima da colina tarde, enquanto a corte portuguesa fugia para o Brasil – e ficou “a ver navios”. Outra versão que se conta é que, na época das grandes navegações, os familiares dos pescadores e comerciantes que saiam ao mar iam à colina para esperar seus parentes e amigos.

A Alfama, com o Panteão Nacional (Igreja de Santa Engrácia) e o Tejo ao fundo (foto: Cámara Municipal de Lisboa)

A Alfama, com o Panteão Nacional (Igreja de Santa Engrácia) e o Tejo ao fundo (foto: Cámara Municipal de Lisboa)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s