Mil e uma noites

Nossa colunista descobriu em um riad do Marrocos a mais completa tradução de hospedagem dos sonhos

Talvez seja informação demais para compartilhar assim, em público, mas lá vai: quando eu era criança, meu sonho era morar dentro da garrafa da Jeannie. Ter um cantinho só meu, decorado com arabescos vibrantes, almofadas coloridas, sofás convidativos. A propósito, caro leitor com menos de 30 anos, Jeannie É um Gênio era um seriado de TV muito famoso nos anos 1960.

Há pouco tempo comprovei que o sonho existe, escondido numa ruazinha da labiríntica medina de Marrakesh: é o riad Palais Sebban (riad-palaissebban.com). Os riads são casas e palácios que surgiram no Marrocos no século 11 e cuja arquitetura privilegiava pátios e jardins internos que dessem privacidade a seus moradores. No Marrocos de hoje, muitos viraram hospedagens equivalentes a hotéis-butique, com poucos quartos, atendimento mais pessoal e um café da manhã caprichado com pãezinhos, panquequinhas e azeitonas locais (como não amar um lugar que serve azeitonas no café da manhã?).

Pois o Palais Sebban faz jus ao nome de “palácio”. Assim que entrei, fui recebida com chá de hortelã e biscoitos amanteigados em uma sala decorada com azulejos em tons de verde e azul, mesinhas de mosaico e enormes lanternas de metal entalhado. Tive a sensação de estar dentro de um livro de decoração da Taschen ou da Phaidon, duas editoras de títulos chiquérrimos. Meu quarto, o Telouet, tinha um amplo terraço com vista para telhados cor de terracota, típicos de Marrakesh. E, no pátio encantador, à beira da piscina, mais azulejos e mais mosaicos combinavam-se aos vasos cheios de flores e pés de limão-siciliano.

Ver a mesquita Koutobia e caminhar entre a balbúrdia divertida da Praça Djemaa El-Fna, ali pertinho, eram motivos mais do que suficientes para sair do riad, mesmo com o medo enorme que eu fiquei de me perder pelas ruas da medina, identificadas com placas escritas em árabe. Mas voltar, à noite, não foi nenhum sacrifício (nem tão difícil). Quem cuidou dos ambientes do Palais Sebban deve ter PhD em bom gosto. Muito, mas muito melhor do que a garrafa da Jeannie.

Gabriela Erbetta* trouxe do Marrocos garrafinhas como as da Jeannie

Leia mais:

Check-in ##– Veja outras reportagens da edição de DEZEMBRO de 2012 da VT

Mais de Marrakesh ##– Hotéis, restaurantes e atrações

Mais do Marrocos ##– Conheça outros destinos no país

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s