Manos en alto!

Roubo em Buenos Aires. Como se prevenir? E o que fazer depois?

Por Cris Capuano (edição) Atualizado em 14 dez 2016, 12h05 - Publicado em 8 set 2011, 19h47

Eu e minha família passamos o Carnaval em Buenos Aires. Na sexta-feira 12 de fevereiro, ao voltar para o Hotel Posta Carretas, na Calle Florida, fomos assaltados a mão armada. Mandaram que entrássemos em uma saleta, onde estavam outros hóspedes. Conforme entrávamos, os assaltantes tiravam dinheiro, máquina fotográfica, joias, celulares. A ação toda durou meia hora e a polícia foi logo chamada, mas não ajudou muito. Na segunda-feira seguinte, o gerente lamentou o ocorrido, mas queria que mesmo assim pagássemos. Fizemos um acordo, referente a um terço do valor das diárias. – Carolina Cavalcante, São Paulo, SP

Em Buenos Aires, ano passado, nada menos de 1 385 pessoas assinaram um documento que as autorizava a voltar ao Brasil sem registro de identidade. Elas foram vítimas de furto ou roubo ou simplemente haviam perdido seu RG. Grande parte das ocorrências teve lugar na Calle Florida, como o caso de Carolina.

O que diz a empresa

A VT enviou uma repórter ao hotel, que confirmou a veracidade do “lamentável ocorrido”, na frase de Monica Ladner, executiva de vendas do Posta Carretas. Ela negou-se a dar mais detalhes. Também não houve resposta a nossos inúmeros e-mails.

Quem tem razão

Segundo o Código de Defesa do Consumidor, o hotel não pode se isentar da responsabilidade pelos danos causados ao cliente. “A redução de diária provavelmente não cobre os prejuízos financeiros e certamente é insuficiente para compensar o abalo emocional”, diz a advogada Luciana Atheniense, autora do livro Viajando Direito.

O que fazer

Com o boletim de ocorrência em mãos, Carolina pode entrar com uma ação por danos materiais e morais contra o hotel (ou a agência que vendeu o pacote).

 

9  mandamentos

O Consulado-Geral do Brasil em Buenos Aires formulou uma lista de recomendações para evitar assaltos aos turistas. Veja algumas delas

Continua após a publicidade

1. Toda a atenção é pouca ao transitar pela área central da Calle Florida. Não se deixe abordar por estranhos.

2. Faça uma cópia do passaporte ou do RG (expedida pela Secretaria de Segurança Pública brasileira) e deixe-a no hotel ou em lugar seguro.

3. Guarde separadamente os originais.

4. Não deixe as bolsas de viagem abandonadas, penduradas em cadeiras. Mesmo em restaurantes.

5. No hotel, solicite cofre para depositar objetos de valor, mas não deixe documentos ali. Importante: exija o recibo.

6. Ao tomar táxi, observe o cartão de identificação do motorista na parte traseira do assento, não conte dinheiro e pague com notas pequenas. Depois das 22h, não pegue táxi na rua – prefira os radiotáxis ou remises.

7. Não guarde dinheiro em um lugar só.

8. Não contrate excursões nas ruas.

9. Leve com você o telefone do hotel e o do consulado (54-11/4515 6500).

Continua após a publicidade

Publicidade