Coronavírus: cruzeiros cancelados e navios em quarentena

Preocupadas com o surto da doença, armadoras têm proibido o embarque de passageiros que estiveram na China e cancelado viagens pela Ásia

Por Luca Occhialini Atualizado em 27 fev 2020, 15h29 - Publicado em 4 fev 2020, 18h49

Hoje (4), o navio Diamond Princess, que navegava pela costa do Japão, entrou em quarentena com mais de 3 500 pessoas a bordo. A medida de precaução foi tomada depois que exames confirmaram que um de seus passageiros estava com coronavírus.

O homem, de 80 anos, esteve na China por algumas horas em 10 de janeiro. Ele passou cinco dias a bordo do navio, já apresentando tosse, antes de desembarcar em Hong Kong para ser hospitalizado. 

Agora, os demais passageiros e membros da tripulação do Diamond Princess estão sendo examinados por uma equipe médica.

Essa não é a primeira vez que um navio fica detido. Na quinta-feira, 30 de janeiro, seis mil pessoas que viajavam a bordo do Costa Smeralda ficaram retidas no porto de Civitavecchia, perto de Roma, enquanto dois passageiros chineses eram examinados por suspeita de coronavírus. O casal, que havia chegado na Itália em 25 de janeiro, apresentava febre e dificuldades respiratórias. O caso foi descartado, mas a armadora decidiu por cancelar 9 saídas de navios que passariam pela China. A mesma atitude foi tomada pela Royal Caribbean, que suspendeu três viagens de um navio que navegaria pela Ásia, e pela MSC, que cancelou três idas ao Japão.

  • A Cruise Line International Association (CLIA), entidade global que congrega armadoras de cruzeiros do mundo inteiro, anunciou que seus associados negarão o embarque a qualquer indivíduo, seja passageiro ou tripulante, que tenha viajado pela China continental nos 14 dias anteriores.

    Durante o embarque, as armadoras estão solicitando o preenchimento de uma ficha e realizando exames em busca de sintomas típicos do coronavírus, como a medição da temperatura. Se algo suspeito for identificado, a pessoa não pode seguir viagem. 

    Continua após a publicidade

    Apesar de o Brasil não ter registrado nenhum caso até o momento, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pediu que aeroportos e portos redobrem a atenção com a limpeza.

    No Porto de Santos, de onde parte a maioria dos cruzeiros da temporada, funcionários usam luvas e máscaras e higienizam as mãos com álcool gel constantemente. Na área de embarque são veiculados informativos de prevenção ao coronavírus através de imagens em um telão e anúncios sonoros.

  • Situação do Coronavírus no mundo

    Também nesta terça-feira (4), um relatório do governo chinês sobre a situação do coronavírus confirmou 20 471 casos e 426 mortes no país. Ao todo, mais 27 nações acusaram ocorrência do vírus – são 207 casos no total. O primeiro óbito fora da China foi registrado nas Filipinas no último domingo (2), seguido de uma morte em Hong Kong, ontem (3).

    As primeiras medidas para tentar controlar o surto foram tomadas pelo governo da China, que colocou Wuhan, epicentro da doença, em quarentena. A cidade adiou o início das aulas e cortou a circulação de determinados transportes públicos.

    Depois que o coronavírus se tornou uma preocupação mundial, governos, companhias aéreas (confira aqui) e, agora, armadoras de cruzeiros também adotaram atitudes para evitar a propagação do vírus.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade