Comida chinesa barata e autêntica nos clandestinos de Lisboa

Já disse por aqui que a Mouraria é um dos meus bairros lisboetas favoritos, com um clima meio República, meio Lavapiés, meio Chinatown, e em pleno processo de renovação.

Hoje quero falar dos restaurantes clandestinos chineses que pipocaram por lá, nos arredores da Praça Martim Moniz. Já nos primeiros dias em Lisboa, explorando os bairros perto da minha casa, vi que perto do Intendente e Martim Moniz havia uma grande concentração de chineses – lojas de comida, de roupas, de cacarecos, restaurantes, igrejas (vi mais de três igrejas evangélicas chinesas no primeiro dia), etc. Comprei várias vezes ingredientes para minhas comidas japonesas/chinesas nessas lojas, mas para chegar aos restaurantes clandestinos demorou bem mais: sem saber onde são, é difícil encontrá-los.

Boromir não sabe onde fica o restaurante

 

Felizmente, um colega do trabalho conhecia um deles e fomos todos jantar um dia no ‘A Minha Casa’ (não tinha como ter outro nome), na rua Benformoso, 43. Tem que tocar a campainha do 2 esquerdo para poder entrar, já que o restaurante funciona em um apartamento.

Fomos em 7 pessoas e pedimos o mesmo número de pratos, para dividir: macarrão chop suey, arroz, lula com molho picante, raviólis (gyozas), e outros pratos típicos – gostosos, baratos e em quantidades razoáveis. A maioria tomou duas cervejas, e a conta saiu por menos de 8 euros por pessoa. Deu pra comer bem por pouco, o que justifica a fila enorme que tinha na entrada da casa ao ir embora – no boca a boca, o lugar já ganhou uma fama considerável.

Depois fui descobrindo outros, alguns na mesma rua, mas todos são mais ou menos parecidos: sem cartaz ou letreiro, com algumas mesas a cadeira espalhados pelos cômodos das casas, comida caseira barata, cerveja Tsingtao e serviço sofrível (mas esperado). Não se sabe quem teve a ideia original, mas só na rua Benformoso são pelo menos 2, e na rua da Guia, também perto do Martim Moniz, mais um restaurante funciona na Associação de Apoio aos Imigrantes Estrangeiros, no primeiro andar da rua da Guia, 2.

Entrada de um dos restaurantes clandestinos, no número 9 da rua da Guia: não se assuste!

Entrada de um dos restaurantes clandestinos, na rua da Guia: não se assuste!

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s