O número de mortes causadas por selfies só aumenta

Vale o alerta: uma pesquisa identificou 127 mortes por selfies ao redor do mundo

Por Victória Martins Atualizado em 21 dez 2018, 20h33 - Publicado em 13 jun 2018, 19h42

O australiano Michael Kearns e a britânica Louise Benson foram encontrados mortos por pescadores no dia 12 de junho em Portugal, após supostamente caírem de uma muralha de 30 metros de altura na Praia dos Pescadores, em Ericeira, a cerca de 40 km de Lisboa.

Segundo a imprensa portuguesa, as autoridades encontraram um celular na muralha e acreditam que a queda ocorreu quando o casal de turistas tentava tirar uma selfie e, ao deixarem o celular cair e se debruçarem para pegá-lo, perderam o equilíbrio.

Essa não é, contudo, a primeira vez que pessoas morreram ou sofreram acidentes por uma foto, seja ela uma selfie ou um retrato tirado por outra pessoa. Na realidade, um estudo de 2016, feito por pesquisadores da Universidade Carnegie Mellon, nos Estados Unidos, e do Instituto Indraprastsha de Tecnologia da Informação, na Índia, identificou 127 mortes por selfies ao redor do mundo, entre março de 2014 e setembro de 2016.

Desde então, mais acidentes ocorreram. A “morte por selfie” se tornou tão comum que até mesmo a Wikipédia criou uma página para mapear esses casos. Para tentar prevenir essas mortes, os pesquisadores do estudo desenvolveram o app Saftie, que mapeia locais perigosos para selfies, como penhascos e trilhos de trem, e alerta os fotógrafos quando eles estiverem perto de algum desses lugares.

Veja outros casos e fique atento:

Continua após a publicidade

Portugal

Cabo da Roca, Portugal
O Cabo da Roca é o ponto mais ocidental da Europa e sempre recebe muitos turistas emicristea/iStock

Em 2014, um casal polonês caiu do Cabo da Roca, na costa de Sintra, ao tentar tirar uma selfie. Eles teriam ultrapassado a barreira de segurança do local para conseguir um melhor ângulo para a foto e caíram de uma altura de 80 metros quando foram fazer o clique. Os dois filhos do casal, então com 5 e 6 anos, presenciaram o acidente.

Espanha

Ponte de Triana, Sevilha
Sylwia caiu a uma altura de 4,5 metros ribeiroantonio/iStock

Também em 2014, a estudante polonesa Sylwia Rajchel se desequilibrou da borda da Ponte de Triana, em Sevilha, ao tentar tirar uma selfie, e caiu nos pilares de concreto que sustentam a ponte. Ela chegou a ser socorrida após a queda, mas morreu horas depois.

Rússia

Ponte ferroviária
Xenia caiu de uma ponte ferroviária de 10 metros de altura zodebala/iStock

Ainda em 2014, a adolescente Xenia Ignatyeva, então com 17 anos, estava tentando tirar uma foto em uma ponte ferroviária em São Petersburgo quando se desequilibrou e caiu. Ela tentou se segurar em um cabo de alta voltagem e acabou eletrocutada.

Romênia

Estação de trem
A adolescente foi eletrocutada ao tentar tirar uma foto no topo de um trem puflic_senior

Em 2015, a romena Anna Ursu tentou tirar uma selfie no topo de um trem, na cidade de Iasi, mas ao deitar e levantar uma das pernas no ar, ela encostou em um fio de energia elétrica e recebeu uma descarga de 27 mil volts – uma amiga dela, que estava no local, foi arremessada para longe com a força da explosão. Anna teve metade do corpo queimado.

Brasil

arque Estadual do Ibitipoca
Depois do acidente, a Cachoeira Janela do Céu ficou um tempo fechada para visitação JunotPhotography/iStock

Em 2016, Thaís Costa Pereira estava na beirada da Cachoeira Janela do Céu, no Parque Estadual de Ibitipoca, posando para uma fotografia, quando escorregou e caiu de uma altura de 35 metros. Felizmente, ela foi socorrida e sobreviveu.

Continua após a publicidade
Publicidade