Aqui pra você, ó !

Nosso colunista achava que fotografar grafites pelas ruas era um hobby inofensivo até o dia em que topou com uma senhorinha enfezada

Minha mania de fotografar grafites começou lá no final dos anos 1970 clicando muros rabiscados por punks na periferia de Londres. Eram ainda fotos analógicas e reveladas em papel. Nunca mais parei. Uma vez, cheguei a pensar em descer do trem perto de Bruxelas só  para registrar um imenso gato pisando em flores do outro lado da linha porque da janela do trem uma placa me atrapalhava.

Hoje tenho nos meus arquivos uma coleção sem tamanho de grafites pelo mundo afora. De um tapume na Vila Madalena ao que sobrou do muro de Berlim, de uma tartaruga gigante em Santiago do Chile a um retrato do imperador etíope Hailé Selassié em Budapeste. Tenho de tudo e nunca tive problemas ao fotografar grafites.

Mas eis que, no último verão, andando pelo Bairro gótico de Barcelona, deparei com a porta inteiramente grafitada. Não tive dúvida. Pequei a câmera, foquei e tentei fotografar. Não estava fácil porque não parava de passar gente na Bertrellans, a rua em que estava a porta.

Percebi que, ao meu lado, uma velhinha quase centenária amparada por um andador, parada, me olhava de cima a baixo. Olhava, olhava, e eu tentando o foco. Quando finalmente cliquei, ela perguntou:

– Por que o senhor está fotografando isso?

– Porque acho bonito.

– Bonito, isso?!? O que o senhor vai fazer com essa fotografia?

– Guardar como recuerdo.

A velhinha suspirou, fechou ainda mais a cara e voltou a me olhar de cima a baixo sem dar uma palavra. Foi caminhando em passos lentos até a porta, enfiou a mão trêmula na sacola de pano e tirou um monte de chaves amarradas em uma cordinha. Acabou achando a certa, mas lhe custou enfiá-la no buraco da fechadura daquela porta toda grafitada. Antes de entrar no prédio, virou o corpo e deu uma última olhada fulminante para mim, fazendo aquele sinal com o dedo que não dá para mostrar aqui.

O COLUNISTA

Alberto Villas achava as velhinhas catalãs tão fofinhas…

Leia mais:

Check-in ##– Veja outras reportagens da edição de AGOSTO de 2013 da VT

Mais da coluna Homem Comum ##- Parem as máquinas

Destino: Barcelona ##- As feições da cidade são tão marcantes e únicas que encantam ao primeiro encontro

Europa barata: Espanha ##- € 27 é o preço de um jantar completo no Hisop, restaurante estrelado de Barcelona

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s