A lição japonesa

Japão foi assolado por uma das maiores catástrofes de sua história em março. E mostrou ao mundo a faceta mais bonita de seu povo

Por Monja Coen Atualizado em 16 dez 2016, 09h09 - Publicado em 17 set 2011, 18h14

Morei no Japão de 1983 a 1995, e lá realizei meu treinamento monástico na tradição Soto do zen-budismo. Quando voltei ao Brasil, me incumbi da difícil missão de transmitir o que mais me impressionou no povo japonês: kokoro.

Kokoro significa algo como coração-mente-essência. Aprender a sair de nossas necessidades para nos colocar à disposição dos demais. Desde o berço qualquer criança japonesa é treinada para desenvolver essa sensibilidade. O todo está em primeiro lugar. Outra palavra que aprendi foi gaman – aguentar, suportar. No sentido de que devemos passar por dificuldades e superá-las. Os eventos do mês passado no Japão surpreenderam o mundo tanto pela violência das catástrofes como pela disciplina e paciência e pelo respeito que as vítimas demonstraram. Não furar fila, mas esperar a vez para conseguir comida ou usar o telefone.

Sumimasen – Desculpe – é outra palavra-chave. Certa vez, num voo do Japão aos Estados Unidos, testemunhei um casal americano que, ao ver outras pessoas em seus assentos, brandiu suas passagens e exigiu que saíssem dali. Minutos depois chegou um casal de japoneses que parou em outra fileira onde os assentos também estavam ocupados. Eles olharam seus bilhetes, a numeração das cadeiras e gentilmente perguntaram: “Sumimasen, será que nos enganamos?”

Aprendemos com essa tragédia que a vida é transitória e que o planeta tem seu próprio movimento. Ocupamos a superfície, a casquinha mais fina. Os movimentos das placas tectônicas não têm a ver com sentimentos humanos ou castigos. Com os japoneses, aprendemos que a solidariedade leva à ordem, que a paciência leva à tranquilidade e que o sofrimento compartilhado leva à reconstrução.

Perguntaram-me se eu conhecia pessoas na tragédia. “Todas”, respondi. Foi com elas que aprendi a orar, a ter fé, paciência, persistência. Aprendi a cultivar o kokoro, a ser capaz de um pouco de gaman e de dizer sumimasen.

Leia mais:

Sumário de abril de 2011 – Edição 186

Continua após a publicidade

Estilo Hello Kitty

Continua após a publicidade

Prédios que se movem

Continua após a publicidade

Michael Yamashita: uma vida na estrada

Continua após a publicidade

Top 10: Verão no Japão

Continua após a publicidade

Visto para a Ásia

Continua após a publicidade

Tóquio inaugura torre mais alta do mundo

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade