5 lugares autênticos para observar animais na África

Por Viagem e Turismo 25 out 2016, 13h36

1. Parque de Amboseli, Quênia

“Admirar as famílias de elefantes, que são atraídas pela abundância de água, se torna mais fascinante com a vista para o Kilimanjaro, a montanha mais alta da África. Dá pra fazer um safári caminhando, com guias.”

(foto: Martin Harvey/Divulgação)

(foto: Martin Harvey/Divulgação)

2. Kruger Park, África do Sul

“O jipe que nos leva abandona a estrada de terra e entra na savana em busca dos big five, os animais mais temidos da África: rinoceronte, leão, búfalo, leopardo e elefante. Os guias garantem que você possa ver os grandes bichos logo ali, a pouquíssimos metros de distância.”

+ Safári no Kruger Park, África do Sul: reservas privadas X parque nacional

+ 9 motivos para ir para a África do Sul: um país bom e barato para viajar em época de crise e alta do dólar

(foto: arquivo pessoal)

(foto: arquivo pessoal)

3. Parque Nacional Impenetrável de Bwindi, Uganda

“Fazer um trekking pela floresta com acompanhamento de guias à procura dos gorilas-das-montanhas, subespécie ameaçada de extinção, é inexplicável. É impressionante admirar os primatas em seu habitat, desde o silverback aos bebezinhos, ver seu modo de vida e a similaridade com a nossa própria espécie.”

Continua após a publicidade
(foto: arquivo pessoal)

(foto: arquivo pessoal)

4. Delta do Okavango, Botsuana

“As águas vindas de Angola formam labirintos de canais que fluem para o continente. O safári é feito nas mokoros, típicas canoas para avistar uma das maiores populações de vida selvagem da África.”

+ Lugares mundo afora para ver os animais de (muito) perto

(foto: arquivo pessoal)

(foto: arquivo pessoal)

5. Parque do Serengeti, Tanzânia

“É palco do fantástico fenômeno da grande migração, quando milhões de gnus e zebras se deslocam em busca de melhores pastagens. É possível avistar os predadores aproveitando o período de fartura para alimentar os filhotes.”

+ 15 músicas africanas para embalar uma viagem ao continente

Paola-Gulin  As indicações são de Paola Gulin, social da agência de viagens curitibana NomadRoots

Texto publicado na edição 251 da revista Viagem e Turismo (setembro/2016)

Continua após a publicidade
Publicidade