Continua após publicidade

O que pode ser considerado fraude em seguro viagem

Algumas práticas, embora pareçam inofensivas, podem configurar fraude e deixar o segurado sem a cobertura contratada

Por Da Redação
Atualizado em 29 jun 2024, 15h51 - Publicado em 29 jun 2024, 15h00

No Brasil, as fraudes contra seguradoras de todos os tipos alcançaram a cifra de R$ 824,9 milhões em 2022, segundo dados da Confederação Nacional das Seguradoras. Este valor corresponde a 16,1% do total de sinistros suspeitos no país. Mas, afinal, o que isso significa para o viajante?

“Muitas pessoas cometem erros ao contratar ou acionar seguros de viagem por medo de ter prejuízo ou não entender como ele funciona. Infelizmente, esses erros podem gerar problemas para os viajantes desavisados e para as seguradoras”, diz Maurício Amaral, CEO da Universal Assistance no Brasil, empresa do Grupo Zurich. Para evitar problemas com o seguro na hora de viajar, é importante estar ciente de algumas práticas que podem ser vistas como fraude:

Sinistros falsos ou exagerados

Alegar danos ou perdas maiores do que os ocorridos é uma prática comum. Muitos viajantes exageram os danos para receber uma indenização maior por temor de ficar no prejuízo. Contudo, isso impacta diretamente os custos operacionais das seguradoras e eleva os prêmios para os clientes que utilizam os serviços de forma responsável.

Declarações falsas

Fornecer informações falsas ao contratar um seguro é outra prática comum. Alguns segurados manipulam seu histórico médico (o viajante tem uma condição pré-existente e não revela ao contratar o seguro) ou detalhes da viagem para obter prêmios mais baixos. Quando a verdade vem à tona, o viajante pode ficar sem a cobertura adequada no momento de necessidade, além de ter dificuldades para obter novos seguros futuramente.

Uso do seguro viagem como convênio médico

Algumas pessoas contratam seguros viagem anuais, com o intuito de usá-los como um convênio médico regular fora do país. “É considerado fraude porque o seguro viagem não substitui uma cobertura de saúde permanente. Ele é desenhado para cobrir emergências e imprevistos durante viagens temporárias, não para atender às necessidades médicas contínuas de uma pessoa”, diz Maurício.

Continua após a publicidade

Reclamações múltiplas com diferentes seguradoras

Submeter o mesmo sinistro a várias seguradoras para receber múltiplos reembolsos pelo mesmo incidente é uma prática fraudulenta conhecida como double-dipping. “Por exemplo, um viajante pode alegar a perda de um item valioso, como um laptop, e submeter a mesma reclamação a várias seguradoras, recebendo o valor total de reposição de cada uma. Essa prática, além de aumentar os custos das seguradoras, também pode resultar em graves consequências legais para o fraudador, incluindo multas pesadas e até pena de prisão”, ressalta Amaral.

Problemas com reivindicações futuras

Ao serem descobertos, fraudadores podem ser impedidos de adquirir seguros no futuro. As seguradoras compartilham informações sobre fraudes, dificultando a vida de quem tenta enganar o sistema.

Perda de benefícios

Se uma fraude for descoberta durante uma emergência real, a seguradora pode negar a cobertura, deixando o viajante sem assistência em situações críticas, como problemas de saúde no exterior.

Impacto financeiro

O envolvimento em fraudes pode levar a grandes prejuízos financeiros, pois a pessoa pode ter de arcar com todos os custos de saúde ou outros serviços que pensava estarem cobertos pelo seguro. 

Continua após a publicidade

Para garantir que todos os processos fluam com maior clareza e agilidade, é importante sempre documentar quaisquer perdas e avarias de forma transparente. “Isso não apenas protege o viajante de alegações de fraude, mas também ajuda as seguradoras a processarem as reivindicações de forma mais eficiente, beneficiando todos os envolvidos”, conclui Mauricio.

Saiba mais sobre o contratação de seguro viagem

Publicidade