Achados Adriana Setti escolheu uma ilha no Mediterrâneo como porto seguro, simplificou sua vida para ficar mais “portátil” e está sempre pronta para passar vários meses viajando. Aqui, ela relata suas descobertas e roubadas

Espanha no inverno: o que a Andaluzia tem

Por Adriana Setti Atualizado em 27 fev 2017, 15h53 - Publicado em 29 nov 2010, 10h18

Vestidos de babados, castanholas, flamenco e olé: na Andaluzia, Espanha em estado puro

No post passado falei sobre questões práticas para convencê-lo de que a Andaluzia é o melhor programa para o verão europeu. Bueno, agora vamos aos assuntos, digamos, afetivos.

Eu costumo dizer: você iria a um show de mulatas em Porto Alegre? Pois saiba que o flamenco não é nada típico da Galícia. Da mesma forma, as touradas hoje em dia são proibidas na Catalunha e não se toma jerez a dar com o pau no País Basco.

Tudo isso pra dizer que a Espanha “ao pé da letra”, com leques, vestidos de babados e castanholas, é sinônimo de Andaluzia.

A alma gitana aflora nos cabelos negros e longos das mulheres, no sotaque inconfundível, nos gestos. As festas culminam em maratonas de flamenco e a tourada é uma passión.

É aqui, também, onde a Espanha revela os indícios mais vivos de seu elo perdido com o mundo árabe. A Andaluzia – a comunidade autônoma mais populosa do país, com 8,2 milhões de habitantes – não seria o que é sem a herança islâmica. Aqui, o império Al-Andalus (do qual se originaria o seu nome) durou um total de 781 anos, 250 anos a mais do que toda a história do Brasil, por exemplo, de 711 a 1492. Você não diria que até o canto lamentado do flamenco transparece um forte rastro das mil e uma noites?

Continua após a publicidade

O legado dos califas é composto também de maravilhas arquitetônicas, como a fortaleza Alhambra, em Granada, a Mesquita de Córdoba e a Giralda, o campanário da catedral de Sevilha, sua cidade mais vibrante.

E agora, voltando à questão invernal. A Sierra Nevada, onde fica uma das estações de esqui mais badaladas do país, fica a um pulinho de Granada. Ou seja: dá pra curtir um inverno sem frio no pé da montanha e fazer uma esticada com esqui e neve o que, convenhamos, é o grande tchans do inverno.

Em que outro lugar da Europa você conseguiria fazer essa dobradinha calorzito-esqui?

Te convenci? Pois no próximo post te ajudo a organizar a viagem.

Siga este blog no Twitter: @drisetti

DICAS PARA CURTIR O INVERNO NA ESPANHA

Continua após a publicidade
Publicidade