Auschwitz (Oswiecim)

Site: http://en.auschwitz.org.pl

População: 41.000 hab

Fuso horário: +4h (horário de Brasília)

Distância de outras cidades: Cracóvia 68 km, Katowice 35 km

O portão com os dizeres Arbeit Macht Frei (‘Trabalho traz liberdade’ ou ‘O Trabalho Liberta’) em letras de ferro fundido soa irônico a quem adentra o antigo campo de concentração de Auschwitz I, palco do horror da Segunda Guerra (1939-1945), quando cerca de 1,5 milhão de poloneses foram exterminados pelos nazistas. A liberdade nada mais era do que a morte, atroz, indigna. Um passeio pelos alojamentos, rodeados por guaritas e cercas de arame farpado, é deprimente, mas essencial para entender um dos episódios mais sombrios e repugnantes da história da humanidade. A câmara de gás, o crematório, o paredão, os pertences tirados dos prisioneiros, os trilhos do trem que os conduzia para a morte… Tudo continua ali, em Auschwitz e Birkenau, para reflexão dos visitantes.

Auschwitz é o nome alemão para a cidade polonesa de Oswiecim, a cerca de 70 quilômetros a oeste da Cracóvia. Seu atribulado passado inclui batalhas sangrentas entre as potências da Europa Central e a Rússia, com as sortes indo e vindo entre este último, a Prússia e o Império Austro-Húngaro. Quase que imediatamente após a invasão nazista de 1939 a cidade passou a abrigar um campo de prisioneiros, sendo aumentado diversas vezes. Quando as edificações originais em alvenaria já não suportavam o volume de pessoas para lá enviadas, foi construído o campo II – Auschwitz-Birkenau, onde foram montadas dezenas de galpões de madeira onde judeus, ciganos, homossexuais e todos os inimigos do regime eram amontoados em condições precárias. Ali, aguardariam seu fim em câmaras de gás, definhariam de fome e exaustão ou, de alguma forma, sobreviveriam para contar suas terríveis memórias. Eles vinham de toda a Europa ocupada, em trens que aqui descarregavam sua ‘carga’.

Durante as visitas guiadas, preste atenção em histórias emocionantes, como a do frade Maximiliano Kolbe, que ofereceu sua vida para salvar a de um prisioneiro condenado, ou atrozes, como as experiências ‘científicas’ conduzidas em gêmeos.

Listada como patrimônio da humanidade pela Unesco, Auschwitz certamente não é uma visita agradável, mas fundamental para que erros do passado não sejam repetidos.

Visita aos campos de concentração

Abre das 8h às 15h de dezembro a fevereiro; das 8h às 16h em março, novembro e primeira quinzena de dezembro; das 8h às 17h em abril e outubro; das 8h às 18h em maio e setembro; e das 8h às 19h de junho a agosto.

Entrada: Não se paga para entrar no campo de concentração, mas o turista que vai por conta deve desembolsar € 5 para fazer parte dos grupos guiados que saem de tempos em tempos, com tradução em inglês, espanhol, francês e italiano. Os com guia em inglês, mais comuns, saem a cada meia hora. Antes da 10h e depois das 15h é permitido circular sozinho por lá, e sem pagar.

COMO CHEGAR

Ônibus saem com frequência regular da Cracóvia e Katowice com paradas junto ao museu. Entre os campos I e II (Birkenau), existe transporte gratuito.

Informações ao viajante

Línguas: Polonês

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s