Os 3 hotéis com as histórias mais macabras do mundo

Você se hospedaria em hotéis que têm fama de serem mal-assombrados? Veja três hotéis pelo mundo que cultivam histórias de arrepiar

Há alguns meses, li meu primeiro livro do Stephen King. Como todo mundo sempre falava que as histórias dele eram de arrepiar, mas por eu não gostar tanto de terror, resolvi adentrar o território sem muitas surpresas e escolhi um clássico do autor, “O Iluminado”, que narra os momentos de horror que uma família passou em um hotel isolado.

A hospedagem é praticamente um personagem com vida e existência nessa obra e, em um dos seus tantos corredores, fui completamente fisgada. Não conseguia largar o livro.

A ambientação da história me deu várias ideias e me fez levantar a questão: será que existem pessoas que realmente aguentariam se hospedar em um lugar fúnebre de verdade? Que simplesmente não ligam para esse tipo de coisa?

Esses hotéis que selecionei são bastante frequentados pelos amantes do dark tourism – ou turismo de terror -, que amam sentir aquele friozinho na barriga, uma emoção a mais. Ao mesmo tempo, há pessoas que os frequentam como se não fosse nada demais… Não sei qual é o mais bizarro!

De qualquer forma, prepare-se, porque estas paredes têm olhos e ouvidos… Muahaha!

1. Chelsea HotelEstados Unidos

A famosa fachada vermelha do Chelsea Hotel, que se localiza no bairro de mesmo nome, em Manhattan (foto: Bobbi Bowers) A famosa fachada vermelha do Chelsea Hotel, que localiza-se no bairro de mesmo nome, em Manhattan (foto: Bobbi Bowers)

Entre as ruas 222 West e 23rd, em Nova York, existe um lugar um tanto peculiar. Com 132 anos, o Chelsea é um dos hotéis mais famosos do mundo. Não pela sua beleza, mas por seus mistérios.

Foi no quarto de número 100 que uma história um tanto macabra se desenrolou. Nancy Spungen e Sid Vicious, baixista do Sex Pistols, eram residentes fixos do hotel e conhecidos por fazerem uso de drogas muito pesadas e terem discussões inflamadas no local. No dia 12 de outubro de 1978, Nancy foi encontrada morta no banheiro do aposento. Sid foi acusado por seu assassinato, mas morreu antes do seu julgamento.

O final ruim do casal, porém, não foi o único presenciado pelas paredes do Chelsea. Ali aconteceram outras mortes e suicídios, como o de Charles R. Jackson, em 1968.

Varrendo o trágico para baixo do tapete, o hotel, na verdade, é um dos melhores da cidade, tendo abrigado celebridades como Stanley Kubrick, Mark Twain, Bob Dylan, Frida Kahlo e Madonna, que realizou até um picante ensaio fotográfico no quarto 822. Algumas grandes obras da literatura também foram escritas ali, como “Pé na Estrada”, de Jack Kerouac, e “2001: uma Odisseia no Espaço”, de Arthur C. Clarke.

2. The Stanley Hotel, Estados Unidos

Há 106 anos, o Stanley Hotel se esconde entre as encostas das Montanhas Rochosas, no estado do Colorado (foto: wakedawg)Há 106 anos, o Stanley Hotel se esconde entre as encostas das Montanhas Rochosas, no estado do Colorado (foto: wakedawg)

Apesar do livro “O Iluminado” ser somente uma obra fictícia, o hotel que Stephen King se baseou para ilustrar sua historia realmente existe. O autor se hospedou no local com sua família em 1974, em condições muito similares a da família da história. O estabelecimento estava se preparando para fechar para o inverno e eles eram as únicas pessoas instaladas em todo o prédio. Jantaram sozinhos, ouviram uma orquestra tocando só para eles e testemunharam os longos e soturnos corredores do local completamente vazios.

Ali, King sonhou com seu filho sendo perseguido por um homem completamente consternado e, ao acordar, teve a ideia do livro. É interessante notar que o escritor ficou no quarto 217, o mesmo dos momentos horríveis da publicação.

Apesar de nada realmente trágico ter ocorrido no lugar, o hotel se aproveita da fama do livro para oferecer excursões sobre atividades paranormais que, supostamente, aconteceriam pela propriedade.

3. Forte de Mamula, Montenegro

O Forte de Mamula fica na pequena ilha de mesmo nome (foto: Hons084 / Wikimedia Commons)O Forte de Mamula fica na pequena ilha de mesmo nome (foto: Hons084 / Wikimedia Commons)

Esse hotel nem está pronto ainda e já está causando muito rebuliço. Isso porque ele se localiza em uma construção do século 19 que costumava ser um campo de concentração. Como tudo que tem a ver com a Segunda Guerra Mundial costuma atrair curiosos de carteirinha, empresários acharam que seria uma boa ideia transformar a antiga prisão em um resort de luxo, com piscinas, restaurantes, spas e baladas.

O problema é que a população local e os parentes das mais de 100 pessoas que foram mortas, e das outras 2000 que foram presas, reclamam que o estabelecimento fere a memória daqueles que sofreram com o aprisionamento causado por Mussolini.

E você, também se hospedaria em um lugar que guarda memórias tão fortes de torturas e mortes?

Siga-me no Insagram: @giofontenelle

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.