Viagem no Tempo Por Blog Giovanna Fontenelle é estudante de jornalismo e história e, às vezes, não sabe se vive no presente, no passado ou nos planos de viagens futuras. Leva uma bagagem de conhecimentos inúteis para onde quer que vá

Antes de visitar essas três ilhas gregas, conheça as histórias mitológicas milenares que elas guardam

Por Giovanna Fontenelle Atualizado em 27 fev 2017, 15h10 - Publicado em 17 fev 2016, 17h41

Monstros, ninfas, deuses e heróis. Guerras, amores, traições e jornadas. A mitologia grega pode não ser história real, mas faz parte de uma cultura riquíssima, a qual ajudou a desenhar as linhas e os contornos e formar a base da nossa cultura ocidental.

E, quando se fala em Grécia, se fala dos mitos e de história, mas também das maravilhosas ilhas, sonhos de consumo para qualquer viajante, e que são repletas de praias de areia branca, mar azul índigo e uma culinária sublime.

Então, por que não juntar os dois mundos, o melhor da Grécia, em um só lugar? Aqui estão reunidas 3 ilhas gregas e as suas devidas histórias mitológicas:

Delos

Uma das mais importantes Ilhas Cyclades na Antiguidade, Delos é cercada não só por um mar azul digno das mais belas praias gregas, mas também de uma mitologia muito forte. Foi ali que, de acordo com a lenda, nasceram Apolo e Artêmis (deus do Sol e deusa da caça), filhos de Zeus com Leto, a deusa do anoitecer.

Mas, calma lá! Os mitos gregos são sempre cercados de muito drama. Acontece que Hera, a esposa do deus, não gostou da traição do marido e, quando descobriu que Leto estava grávida, fez de tudo para impedir o nascimento dos bebês e pediu a titã Gaia (a Mãe Terra) para que não houvesse lugar na Terra onde a jovem pudesse dar à luz.

Poseidon se comoveu com a infelicidade da deusa da noite e, com seus poderes de deus dos mares, fez emergir do fundo do mar a Ilha de Delos. Como o lugar não pertencia a Gaia, a sina de Hera não se cumpriu.

Antigamente, a ilhota abrigava templos em adoração a Apolo e a outros deuses gregos. Hoje, apesar de inabitada, a ilha tem um sítio arqueológico a céu aberto que guarda inúmeras ruínas do Teatro de Delos e do Templo de Apolo. O local fica pertinho de Mykonos e é visitável – mas não esqueça de chapéu e protetor solar, pois não há tetos e muito menos árvores por ali.

Ruínas do Teatro de Delos (foto: Howard Chalkley)

Ruínas do Teatro de Delos (foto: Howard Chalkley)

Creta

No entorno do litoral da Grécia, há quase um labirinto de ilhas. Mas é em Creta que o embaraço aconteceu de verdade. A mitologia grega conta que ali era o local de moradia do Minotauro, um ser com cabeça de touro e corpo de homem.

O monstro foi fruto de uma vingança. Poseidon tinha raiva de Minos, o rei de Creta, e resolveu fazer com que a mulher do monarca se apaixonasse por um touro. Da relação não-natural nasceu a criatura que, quando cresceu, tinha comportamentos agressivos, característicos do animal, e foi preso em um labirinto para que não pudesse sair.

Continua após a publicidade

Durante anos, homens foram enviados ao labirinto para serem devorados. Um deles foi Teseu que prometeu a seu pai que mataria o Minotauro. Chegando ao lugar, uma donzela chamada Ariadne se apaixona pelo jovem e presenteia-o com um novelo de lã e uma espada.

Como é de se esperar, o herói utiliza do tecido para marcar o caminho da entrada do labirinto até o local que o monstro se encontra. Ali, mata a fera e liberta o povo grego.

Atualmente, Creta guarda vários sítios arqueológicos, como o Cnossos, proveniente da Civilização Minoica e datado da Idade do Bronze. Já o de Festos conta com ruínas de 2 mil a.C.

Pinturas no Palácio de Cnossos (foto: Thinkstock)

Pinturas no Palácio de Cnossos (foto: Thinkstock)

Santorini

Mar azul, casinhas brancas, um pôr do sol digno de grandes obras de arte e um horizonte que parece se perder na vista. Assim é Santorini, uma das mais deslumbrantes e conhecidas ilhas da Grécia. E sua beleza, é claro, não poderia ficar de fora de mitos e histórias sobre o lugar ao longo dos séculos.

O primeiro nome da ilha foi Caliste, a mais bela. Ela foi criada por Eufemo, um dos argonautas, após ele jogar no mar um pedaço de terra que ganhou de Tritão, filho de Poseidon, o deus dos mares.

Pôr do sol em Santorini (foto: karol m)

Pôr do sol em Santorini (foto: karol m)

Mas não é em sua origem que a história mais interessante de Santorini se esconde. Muitos estudiosos acreditam que aqui seja o local de Atlântida, devido ao formato territorial em meia lua da ilha e por causa de seu posicionamento geográfico, semelhante a relatos históricos que descreviam a região da civilização perdida.

Mas a grande aposta dos estudiosos reside nos desastres naturais que ali acontecerem. Sabe-se que Atlântida foi uma cidade de grande prosperidade que foi engolida pelas águas e afundada no Oceano Atlântico. Santorini costumava ser uma ilha vulcânica única, mas em 1550 a.C. sofreu com uma grande erupção, a qual acarretou em um tsunami com ondas de mais de 100 metros de altura que inundaram a região, dividiram a ilha em quatro partes e devastaram  a população de origem minoica que morava no local.

Atualmente, Santorini é muito famosa por suas praias, baladas e clubes, mas também conta com excursões, museus e sítios arqueológicos riquíssimos, como o Acrotíri com resquícios da Civilização Minoica. Há ainda resquícios pré-históricos e do período Neolítico.

Siga-me no Insagram: @giofontenelle

Continua após a publicidade
Publicidade