Viagem no Tempo Por Blog Giovanna Fontenelle é estudante de jornalismo e história e, às vezes, não sabe se vive no presente, no passado ou nos planos de viagens futuras. Leva uma bagagem de conhecimentos inúteis para onde quer que vá

China tem a sua própria Atlântida, uma cidade perdida e submersa

A imperturbável cidade submersa guarda edificações, templos e monumentos das dinastias Qing e Ming, que imperaram entre 1368 e 1912

Por Giovanna Fontenelle Atualizado em 5 fev 2018, 17h57 - Publicado em 24 nov 2016, 19h53

Quem navega entre as ilhotas do Lago Qiandao, mal pode imaginar os tesouros que as suas águas encobrem. Repousando sobre o fundo do lago, a 40 metros de profundidade, está a antiga cidade de Shi Cheng, uma exímia representante da China Imperial.

A localidade é apelidada de “Atlântida chinesa” por ter sido encontrada submersa e em perfeitas condições, no ano de 2002. Ao contrário do que a alcunha alude, o lugar não foi afundado por forças da natureza ou por alguma intervenção divina, assim como as lendas sobre Atlântida sugerem. Shi Cheng encontra-se nesta condição por intervenção humana proposital.

+ Viaje para as ruínas: conheça 14 ‘cidades perdidas’ no mundo
+ Dez locais sagrados que não podem faltar no roteiro de sua visita a Kyoto, Japão
+ 13 paisagens surreais escondidas no interior da China

A 40 quilômetros de Shanghai, Qiandao é um lago artificial, que foi idealizado em 1959 (ano que a cidade foi alagada) para a construção da primeira usina hidrelétrica da China, no rio Xin. Apesar de quase 300 mil pessoas terem sido realocadas com a instalação da represa, Shi Cheng foi esquecida durante quatro décadas. Em 2002, ela foi redescoberta através de uma expedição elaborada pelo governo do país.

O Lago Qiandao também é chamado de "lago das mil ilhas" e fica na província de Zhejiang (foto: iStock/caojianxiong)O Lago Qiandao também é chamado de “lago das mil ilhas” e fica na província de Zhejiang (foto: iStock/caojianxiong)

As edificações, templos e monumentos imergidos exibem arquitetura das dinastias Qing e Ming, que imperaram entre 1368 e 1912. Por entre suas ruas, brotam estátuas de dragões e leões, típicas da cultura chinesa. A figura do felino aparece esculpida mais frequentemente, porque, além da província situar-se aos pés da Montanha dos Cinco Leões (a Wushi), seu nome significa “cidade do leão”, em mandarim.

Até hoje o local ainda está sendo explorado e estudado por arqueólogos e historiadores. Para quem se interessar, é possível visitar a cidade através de agendamento de mergulhos especiais. A empresa Big Blue oferece o passeio.

Siga-me no Insagram: @giofontenelle

Continua após a publicidade
Publicidade