Ir ou não ir, eis a questão

A gente está careca de ouvir muita gente que acha que tem que ser rico pra ser viajado. Rico-rico não precisa ser, talvez um pouco mais remediado, dependendo do sonho de viagem almejado. Mas tem muito remediado dizendo que não dá pra viajar. Será que dá? Dá, ô se dá…

 

Programas de milhagens
Não é minha primeira coisa da lista por acaso: já viajei de graça pra Fernando de Noronha, Portugal, Caribe venezuelano… Ainda custo a acreditar que muitas pessoas que reclamam que não tem grana pra viajar não atrelam seus gastos do cartão de crédito a algum programa de milhagem. Leia: Milhas, modo de gastar ou pegue a edição de maio de 2014, tem um comparativo de venda de milhas para bancos.
Sim, dá pra conseguir passagens quase de graça, pagando apenas as taxas de embarque.

 

Evitar o consumo excessivo
Acho que 97,8% das pessoas que reclamam que não dá pra viajar gastam uma boa grana por ano com coisas que não aproveitam. Num passeio aparentemente inofensivo ao shopping pode rolar aquela comprinha que quase nunca será usada a ponto de justificar o gasto. Uma simulação: em um ano, indo uma vez por semana ao shopping e gastando 50 reais com uma “coisinha” você terá gasto 2600 reais no final do ano. Cortando este gasto pela metade você economiza 1300 reais. Uma diária de hotel num hotel charmosinho e econômico em Paris, pode custar desde 60 euros com conforto e charme [mato a cobra e mostro o pau].
Viu? Dá pra pagar quaaaase uma semana de hotel. E ainda a opção de hostel, Airbnb

 

Lazer
Cinema, aqui em São Paulo, custa na média 25 reais. Mas a maioria das pessoas tem em mãos uma coisa incrível: possibilidade de pagar meia pelo programa do cartão de crédito ou operadora de celular. Qual o problema em frequentar aquele cineminha que te dá desconto se ele for bom e perto? Nenhum. Logo, se você for ao cinema uma semana sim e outra não vai te custar 650 reais ao ano, sem a pipoca. Com desconto, 325 reais.
Paga uns 3 jantares, dos bons, dos ótimos, em Berlim.
Comer fora é caro neste Brasil varonil. E em São Paulo? Afe! Vamos supor que você saia três vezes por semana para comer fora em um restaurante legalzinho ou tome café todos dias em uma padoca em vez de tomar em casa. Vai ser difícil gastar menos de 150 reais por semana. E não estamos falando de nada muito elaborado envolvendo estrelas gastronômicas ou raios gourmetizadores. Gente, são 7800 Dilmas no ano! Poft. Se pra você comer fora é um prazer maior que viajar, tudo bem, está bem gasto. Mas e se você gasta isso tudo e morre de vontade de viajar? Bom, não precisa deixar de sair mas diminua estas saidinhas pela metade (o que já é muito bom!) e coma em casa o resto dos dias. Suponhamos que saia mais barato uns 50%, pronto, economizou 1950 reais no ano, no mínimo. Dói? Um pouco. Eu não disse que ia ser fácil, disse?
Dá pra garantir de 5 a 10 dias de aluguel de carro, dependendo do país ou modelo de carro.
E tem sites que te ajudam a reservar e ter desconto na hora de pegar a conta como o Grubster Restorando

 

Pequenos desperdícios diários
Os pequenos descuidos diários são vilões do bolso, do meio ambiente, da vida. Anote e verás! É a água que a gente compra, esquece em algum lugar e não toma mais porque esquentou e compra outra. A água do chuveiro que se perde porque estava fria e vai pro ralo levando nossos reais junto. As frutas que a gente joga fora porque comprou demais. As coisas que vencem no armário porque ficaram esquecidas. É dinheiro indo pro li-xo.
Se ajude e é bem capaz que dê pra investir num jantar especial (aqui ou lá) e será inesquecível.

 

Gadgets
Quase todo mundo ama tecnologia. Mas absolutamente ninguém precisa ter todas as coisas disponíveis no mercado. Que tal consumir só aquilo que é capaz de aproveitar de verdade? Abrir mão de um celular de ultíssima geração por um igualmente ótimo pode ser muito econômico. No modelo e marca que uso isso pode representar uma economia de 1500 reais.
Garante transporte, ingressos de museus e almoços mais econômicos pra uma semana em qualquer capital europeia.

 

Ser flexível
Talvez teu sonho seja ir pra Roma se hospedando num hotel 5 estrelas. É justo. Justíssimo. Mas talvez, por isso mesmo, ainda não deu pra realizar o sonho de fazer aquela viagem… Sonho é sonho, você decide onde abrir mão. Uma dica é escolher uma boa alternativa de hospedagem pra maioria dos dias e se programar pra ficar no hotel sonhado nos últimos dois dias da viagem, só pra não abrir mão da experiência.

Use duas imaginação para fazer adaptações.

 

Pare de fumar
Cof-cof-cof. Um maço a 5 reais por dia: 1825 reais. Mais de 600 dólares no bolso.
Esta semana teve promoção de 422 dólares pra NY, é um incentivo e tanto pra cuidar da saúde, não?

 

Viu? É uma questão de prioridade e algum sacrifício. Em troca a gente conhece outras culturas, comidas e ganha novas experiências!
Só não vale fazer mimimi dizendo que não tem dinheiro. Bons planos, boa viagem!

 

Foto: thinkstockphotos

 

Para ver mais fotos viagens, siga-me no Instagram: @anaclaudiacrispim

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s