Além-mar Rachel Verano rodou o mundo, mas foi por Portugal que essa mineira caiu de amores e lá se vão, entre idas e vindas, quase dez anos. Do Algarve a Trás-os-Montes, aqui ela esquadrinha as descobertas pelo país que escolheu para chamar de seu

O Boteco, em Lisboa: caipirinha, bolinho de feijoada, pastel…

Finalmente um boteco brasileiro de respeito na capital portuguesa

Por Rachel Verano Atualizado em 6 mar 2020, 13h38 - Publicado em 19 dez 2019, 14h09
A fachada d’O Boteco: em pleno Largo de Camões, no Chiado Bruno Barata/Reprodução

Chão de ladrilho em preto e branco. Cadeiras arredondadas de madeira. Mesas com tampo de mármore. Qualquer semelhança com Pirajás, Filiais, Genésios, Chicos e Alaídes e Astors da vida (clássicos do eixo Rio-São Paulo, para quem não conhece) não pode ser mera coincidência. Quando tocou Orquestra Imperial na playlist, então, eu já estava pronta para derramar lágrimas de emoção. E ainda nem tinha provado a caipirinha, os bolinhos de feijoada e os pastéis de queijo coalho fritos na hora. Lisboa acaba de ganhar um boteco brasileiro de verdade. Sem alusões a estereótipos, sem aquele clima “wanna be” garota de Ipanema, sem clichês. E ele atende pelo nome de… O Boteco mesmo. 

Detalhe do chão de pastilhas na entrada: alô, Rio de Janeiro… Bruno Barata/Reprodução
Um dos cantinhos: cheio de bossa Bruno Barata/Reprodução

“Ainda precisa ganhar um ar mais sujinho para ficar ‘legal’, tá tudo muito novo”, diz o chef Kiko Martins, idealizador do projeto, com um leve tom abrasileirado. Pra falar a verdade, precisar, nem precisa… Em pleno Largo de Camões, numa esquina onde antes funcionava um antiquário, O Boteco tem uma coisa que poucos estabelecimentos brasileiros conseguem fora do Brasil: ele tem bossa. E ela vai do menu à sátira presente na obra do artista Bordallo II que colore uma de suas paredes, passando pela excelente trilha sonora. Se estivesse numa esquina da Vila Madalena, de Pinheiros ou do Leblon, se mesclaria lindamente à paisagem. 

Caipirinha a caminho: a clássica de cachaça e limão! Bruno Barata/Reprodução
O chef Kiko Martins: carioca da gema Bruno Barata/Reprodução

Dono de outros seis restaurantes de sucesso em Lisboa (da sempre lotada Cevicheria ao Talho e à Barra Japonesa, da qual já falei neste post aqui), Kiko tem uma carta inesperada na manga. A despeito do sotaque e da mais portuguesa das feições, ele é brasileiro. Mais: é carioca, filho de mãe recifense e pai português. E viveu no Brasil até os 11 anos de idade, tempo mais que suficiente para chamar feijoada ou moqueca de comida caseira. “Quindim, brigadeiro, pastel, bobó, picanha, escondidinho… tudo isso tem um grande valor sentimental para mim”, diz ele, que ainda tem três irmãos no Brasil e costuma visitá-los a cada dois anos. “Eu cresci com sabores brasileiros e tropicais e quis fazer uma homenagem à minha história e a um país fantástico.”

Pastéis de queijo coalho: fritos na hora! Bruno Barata/Reprodução
Bolinhos de feijoada: quentinhos, com um toque de gel de maracujá Bruno Barata/Reprodução

A homenagem chega à mesa sob a forma de espetinhos de coração de galinha escoltados por uma farofa crocante, com pedacinhos de torresmo (€ 4,80); pastéis de vento fritos na hora, recheados com queijo coalho (€ 6,20); dadinhos de tapioca com goiabada picante (€ 6,30); sandubas (sim, o menu diz sandubas!) de pernil (€ 9,30); pães de queijo (€ 4,60). O toque contemporâneo do chef aparece aqui e ali – como nos excelentes bolinhos de feijoada (€ 6,40), coroados por uma gotinha de gel de maracujá. Os ingredientes portugueses também, mas com comiseração – como no bobó de camarão e… bacalhau, ora pois (€ 19,40). Ao lado dos petiscos, é claro que não poderia faltar as vedetes da baixa gastronomia de boteco: feijoada (€ 18,70) e picanha (€ 27,40). 

Mesa posta: com direito a espetinho de corações e molho de pimenta dedo de moça! Bruno Barata/Reprodução
A obra de Bordallo II: uma sátira que mistura Lisboa e o Rio Bruno Barata/Reprodução
  • Como toda boa casa portuguesa, com certeza, a carta de bebidas tem mais vinhos do que qualquer outra bebida. Mas as caipirinhas (€ 8,90) brilham – e além do clássico limão (lima, em Portugal), tem também os sabores de maracujá e goiaba. Para encerrar, tem de bolo de brigadeiro e avelãs (€ 6,90) a Romeu e Julieta com bolo de fubá (€ 6,80), mas eu fico pelo quindim (€ 6,70). Um quindim que, se não me ganhou de imediato pela opacidade e pelo tom amarelo clarinho, revelou todo o seu sabor ao ser escoltado por pérolas de tapioca e leite de coco (além de gotinhas surpreendentes de gel de maracujá e coentro!). Fui capaz de atravessar o Atlântico várias vezes nas poucas horas que passei por ali. E o que ecoou na minha cabeça nos dias que se seguiram foram os melhores acordes de Iara Iarucha, Iara Iarucha, Iarucha cha…      

    A equipe, a postos, no balcão Bruno Barata/Reprodução
    Quindim com tapioca e leite de coco: grand finale Bruno Barata/Reprodução

    Anote aí: O Boteco fica na Praça Luís de Camões, 37, e funciona sem intervalos entre o almoço e o jantar (das 12h30 à meia-noite), todos os dias.

    Reserve a sua hospedagem em Lisboa aqui.

    Continua após a publicidade
    Publicidade