Guia Comporta Verão 2018: um restaurante gourmet

A Cavalariça trouxe chefs diretamente das cozinhas badaladas de Londres

O salão do restaurante, nas antigas baias dos cavalos: imperdível O salão do restaurante, nas antigas baias dos cavalos: imperdível

O salão do restaurante, nas antigas baias dos cavalos: imperdível (Bruno Barata/Reprodução)

Há 5 anos, os portugueses Bruno Caseiro e Filipa Gonçalves trocaram a psicologia e o design gráfico pelos fogões e panelas. A paixão pela cozinha foi tão arrebatadora que os levou até diferentes cantos do mundo (inclusive a São Paulo, para uma temporada no DOM, de Alex Atala), até que a dupla foi parar em Londres.

Filipa e Bruno: paixão pela cozinha Filipa e Bruno: paixão pela cozinha

Filipa e Bruno: paixão pela cozinha (Bruno Barata/Reprodução)

Em solo inglês, os novos chef e confeiteira trabalharam lado a lado com o festejado chef português Nunu Mendes e passaram por cozinhas badaladas como a do Chiltern Firehouse e a do Ours. Até que…

Fábio Nobre em ação: coquetéis espetaculares Fábio Nobre em ação: coquetéis espetaculares

Fábio Nobre em ação: coquetéis espetaculares (Bruno Barata/Reprodução)

…no verão do ano passado, mais uma vez, o casal arrumou as malas. Dessa vez, para decolar da terra da rainha diretamente para os arrozais à beira-mar do Alentejo. O convite veio do restaurateur Christopher Morrell (inglês, sócio do restaurante Murano, dono de uma estrela Michelin em Londres). A proposta? Abrir um restaurante gourmet na praia mais cool de Portugal.

Bruno Caseiro: da psicologia para as panelas, para cozinhar o que gosta de comer Bruno Caseiro: da psicologia para as panelas, para cozinhar o que gosta de comer

Bruno Caseiro: da psicologia para as panelas, para cozinhar o que gosta de comer (Bruno Barata/Reprodução)

Assim nasceu A Cavalariça, instalado numa… cavalariça, ou cocheira. Inicialmente toda a vila da Comporta era uma herdade, e era ali que ficavam os cavalos. Num ambiente branquinho, ainda com as divisões de baias e com grandes janelas de madeira, come-se hoje aquela que é seguramente das mais sutis e elaboradas refeições do litoral alentejano.  

Gyoza de massa caseira com porco de coentrada e molho agridoce com malagueta Gyoza de massa caseira com porco de coentrada e molho agridoce com malagueta

Gyoza de massa caseira com porco de coentrada e molho agridoce com malagueta (Bruno Barata/Reprodução)

Não que haja frescura ou mimimi. Pelo contrário. Há técnica, há ingredientes sempre frescos, há a predileção pelos pequenos produtores locais. E há um chef mimado, que diz que só prepara o que gosta de comer e de cozinhar. Ainda bem que Bruno tem bom gosto. “Cada item do menu tem que se sustentar; mesmo os acompanhamentos têm que ser o melhor que há”, apregoa.

Aspargos escoltados por creme hollandaise defumado

 (Bruno Barata/Reprodução)

Aos fatos. A ideia, aqui, é pedir uma série de coisinhas para partilhar. No nosso almoço, aceitamos as sugestões do chef e provamos um gyoza de massa delicadíssima feita na casa, recheada com uma releitura de uma grande especialidade alentejana: o porco de coentrada. O molho agridoce com lâminas finíssimas de malagueta era tipo o golpe de misericórdia a cada mordida.

Veja também

Na sequência, embarcamos nos aspargos acompanhados por um cremoso e denso molho hollandaise defumado. E ainda provamos um acompanhamento que é a marca registrada da casa: as batatas com bacon e pimenta – na verdade, as lâminas finíssimas e crocantes e impecáveis e perfeitas de batata.

A batata em mil lâminas: ultra crocante A batata em mil lâminas: ultra crocante

A batata em mil lâminas: ultra crocante (Bruno Barata/Reprodução)

Filipa não está mais na cozinha – é, hoje, a gerente da casa. Mas o grand finale pode ser, por exemplo, um pudim de cítricos com azeite ou um zabaione de morangos com flor de sabugueiro.

Em tempo: a dupla “importou” de Londres um nativo da região emigrado há tempos, o bartender Fábio Nobre. De suas mãos saiu aquele que é o coquetel preferido das minhas humildes décadas de vida: o Cavalariça Sour, uma combinação de Amarguinha (o licor de amêndoa amarga que eu sou fã), vinho do Porto Tawny 10 anos, limão e suco de maçã. Golpe de misericórdia: a borda do copo mergulhada em amêndoas trituradas. Sim, eu tenho o paladar ligeiramente infantil e doce. E sim, eu iria a pé até a Comporta neste minuto só para beber mais um.

Reserve a sua hospedagem na Comporta com o Booking.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s