Castella: a saborosa mistura de Portugal com o Japão

Acabo de constatar: é impossível viver sem o pão de ló improvisado pelos portugueses do outro lado do mundo

Chá da tarde luso-nipônico: delicioso O meu chá da tarde luso-nipônico: bela descoberta

O meu chá da tarde luso-nipônico: bela descoberta (Rachel Verano/Arquivo pessoal)

Acabo de chegar em casa emocionada com uma descoberta. Um tempinho atrás eu conheci o impecável restaurante japonês Kanasawa, em Algés (leia mais neste post aqui), e fiquei encantada com um mimo dado de presente pelo chef Paulo Morais no final: uma fatia de um bolinho de chá verde macia, molhadinha, leve, no ponto. Morri de amores. Nos dias que se seguiram não parei de pensar nele e ficava sempre com água na boca. Eis que hoje descobri a fábrica de castella no coração do centro histórico de Lisboa.

A embalagem linda de morrer: belo presente A embalagem linda de morrer: belo presente

A embalagem linda de morrer: belo presente (Rachel Verano/Arquivo pessoal)

Na verdade, descobri muito mais coisa. E fiquei ainda mais apaixonada. Castella é o nome de uma versão do pão de ló que os portugueses improvisaram no Japão logo que chegaram por lá, no século 16 (e Kasutera, o nome da loja, é mais ou menos como os japoneses pronunciam o nome ). A delícia virou tradição – o bolinho é normalmente oferecido de presente do outro lado do mundo.

Veja também

A loja – que é também a fábrica – fica numa portinha simpática da Rua do Poço dos Negros, uma bifurcação da Calçada do Combro, que contorna o Bairro Alto. Abriu no final do ano passado e só fabrica a especialidade, em três sabores: tradicional, cacau e matcha. Sou suspeita porque AMO tudo feito à base de matcha . Segundo me confessou o confeiteiro Bruno, em breve deve ser lançado mais um sabor, que já está em fase de testes: saquê. Ansiedade define.

Detalhe da sacolinha que revela a história do doce: desde o século 16 Detalhe da sacolinha que revela a história do doce: desde o século 16

Detalhe da sacolinha que revela a história do doce: desde o século 16 (Rachel Verano/Arquivo pessoal)

O castella atinge a perfeição depois de passar por um rigoroso processo de fabricação, que inclui fornadas em grandes tabuleiros de madeira, com mexidas metódicas da massa durante o processo de cozimento e, ao final, um repouso de horas até que possa ser cortado. Na loja, é vendido em embalagens (lindas de morrer!) de 300g (desde € 6) e 600g (desde € 11).

Cantinho do balcão: delicadezas Cantinho do balcão: delicadezas

Cantinho do balcão: delicadezas (Rachel Verano/Arquivo pessoal)

Corri pra casa com a sacolinha que me dei de presente, ansiosa para experimentar a delícia de novo. Preciso confessar: quase acabei sozinha com a caixa daquele bolo alto, aerado e úmido ao mesmo tempo, com capinhas melosas em cima e embaixo e um saboroso gostinho de mel no final. Já não vivo sem. 

Reserve a sua hospedagem em Lisboa com o Booking.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s