Nova York entre Amigos Por Blog Sabe aquela amiga que dá dicas, faz o roteiro da sua viagem e avisa quando tem promoção de passagem? Essa é a Talita Ribeiro! E o melhor é que agora ela vive em Nova York e compartilha aqui todos os seus achados na cidade.

O que NÃO fazer em Nova York

A experiência refere-se à Nova York, mas vale para qualquer lugar do mundo

Por Talita Ribeiro Atualizado em 10 ago 2020, 20h16 - Publicado em 13 abr 2017, 18h05

Eu sei, normalmente as pessoas procuram blogs como este para ler dicas do que fazer no destino, não o contrário. Porém, após um voo entre Nova York e São Paulo, que foi ruim pela forma como os viajantes se portaram, decidi compartilhar as sugestões abaixo.

Não pretendo com isso “ensinar” nada a ninguém, só despertar uma reflexão de como podemos ser turistas mais agradáveis, no avião, no destino, nos restaurantes, em museus…

O que NÃO fazer em Nova York:

1) Ignorar a gorjeta em restaurantes

Nos Estados Unidos você é quem define quanto quer dar de tip para os garçons que, normalmente, recebem um salário baixo e contam com, no mínimo, 18% de gorjeta para complementar seus ganhos.

Eu sei que cada dólar vale muito, mas é extremamente mal educado ignorar a cultura local para “economizar”, até porque, provavelmente, fará falta para quem está te atendendo.

2) Beber bebida alcoólica na rua

Em Nova York, assim como em boa parte das cidades dos Estados Unidos, é proibido beber e até mesmo carregar bebidas alcoólicas aparentes na rua. Isso quer dizer que as garrafas devem sempre estar em sacolas de plástico não transparentes ou enroladas em papel.

3) Tirar fotos com flash em museus ou igrejas

Essa regra vale basicamente para qualquer atração com quadros ou outras peças de arte do mundo inteiro, isso porque os raios ultravioletas e a intensidade de luz podem causar danos às obras, como mudança de cor e oxidação.

4) Colocar bolsas e sacolas em bancos públicos

No metrô, a menos que o vagão esteja muito vazio, não ocupe os lugares com sacolas ou bolsas. O mesmo vale para restaurantes com mesas compartilhadas, que são bem comuns em Nova York, e também para o aeroporto.

Lembre que, por mais que você considere seus pertences valiosos, as cadeiras foram feitas para pessoas e os outros têm o direito de usá-las também.

5) Permanecer sentado em restaurantes cheios após terminar a refeição

A cidade tem muitos parques e praças onde você pode descansar depois de comer e ainda acompanhar um pouco melhor a vida em NY. Há muitos restaurantes concorridos, onde a prioridade para ocupar as mesas é de quem está com a comida e/ou comendo.

Continua após a publicidade

Ou seja, não ocupe o lugar antes de pegar seu pedido, em lugares como o Shake Shack por exemplo, e também evite ficar sentado conversando após terminar, enquanto pessoas esperam com a bandeja na mão.

6) Parar no lado esquerdo da escada rolante

As pessoas em Nova York têm pressa, muita mesmo, por isso é preciso manter o lado esquerdo da escada rolante livre para a circulação, assim como a região das portas nos vagões do trem ou metrô. Se você não fizer isso, corre o risco de ser atropelado pelos passantes e até receber uma bronca.

7) Furar fila ou esquecer de dizer por favor e obrigado

Sim, coloquei essas coisas juntas porque são do mesmo grupo de “educação básica”, mas, infelizmente, muitas pessoas ainda acham que, ao viajar, são melhores que as outras.

Não precisa saber muito inglês para dizer Please, Thank you, Sorry e Excuse me, não é? Mais que isso, vale a pena começar a praticar no aeroporto brasileiro mesmo, em português, com todos os profissionais que te atenderem e com as pessoas nas filas, que você deve respeitar sempre, por mais que esteja com pressa.

Não é nem um pouco chique ser arrogante e mal educado ou “seletivamente educado”. O profissional que serve o café merece tanto respeito quanto o piloto do avião. Qualquer pessoa merece ser tratada com educação e, apesar de parecer óbvio, é assustador perceber o quanto isso não acontece nos aeroportos brasileiros.

8) Tratar o bagageiro do avião como exclusivo

Essa dica é muito importante, ainda mais agora que companhias brasileiras cobram pelas malas despachadas e mais pessoas viajam apenas com a bagagem de mão: tenha bom senso, mais que senso de propriedade.

Ao entrar no avião, procure colocar a sua bagagem próxima ao lugar onde você está sentado, não nos bagageiros da frente da aeronave, para pegar a mala “mais rápido” ao sair. Por exemplo: se você está na fileira 20, mas colocar a sua bagagem na altura da fileira 10, poderá atrapalhar a organização do avião, já que as pessoas daquela área, provavelmente, não terão espaço para suas malas e, no desembarque, precisarão esperar muito mais tempo para pegar suas coisas no fundo do avião.

Isso não é ser esperto, mas sim egoísta. Eu achei um absurdo quando percebi que isso acontecia nos voos internos que peguei no Brasil e também no de Nova York para cá.

Se estiver com mais de um volume, pense em como otimizar o espaço – guardando um casaco na mala, por exemplo. Trate os demais passageiros como gostaria de ser tratado, ou seja, lembre que eles também podem ter malas para colocar ali e deveriam contar com, no mínimo, um espaço para isso.

A maioria dessas sugestões pode ser aplicada em viagens para outros destinos e eu espero, sinceramente, que esse texto gere alguma reflexão. Porque acredito que nós podemos tornar a experiência de viajar melhor para todos, com pequenas ações de gentileza e educação. Não custa tentar, não é? 🙂

  • Continua após a publicidade
    Publicidade