Buscando coragem para visitar a Índia? Leia este livro

Tem alguns lugares do planeta que não são para todos. São lugares difíceis até mesmo para os mochileiros mais desapegados. Porque são diferentes de tudo o que, principalmente nós, ocidentais, estamos acostumados: há pobreza, há muita gente, há sujeira, há barulho e há uma impressão de caos reinando sobre tudo isso.

Quem consegue visitar, explorar e absorver esses lugares são as pessoas mais abertas, mais desprendidas e mais amorosas que existem do lado de cá do meridiano (e um pedacinho do lado de lá, também). Só quando a gente se desamarra dos preconceitos e das outras visões limitadas, é que a gente consegue enxergar tais lugares difíceis com os olhos de um local. E entender e absorver tudo aquilo.

Um desses lugares é a Índia.

E uma dessas pessoas é a Lian Tai.

A Lian, que já havia estado na Índia em 2013, voltou ao país em 2015 para morar em Varanasi, e depois fez uma viagem ao Nepal. Foram três meses de experiências com o frio, as pessoas que pedem o tempo inteiro, os restaurantes e suas dosas (um tipo de panqueca) e lassis (um tipo de iogurte com vários sabores), os gurus que aparecem e somem como fantasmas, os ghats (as escadarias do Ganges, onde são realizados funerais)… Tudo isso foi poeticamente documentado no livro “Crônicas de Varanasi”, da Chiado Editora, que deve chegar às livrarias neste mês de maio.

Quando eu digo que ela usa poesia nas suas crônicas, eu não estou exagerando. Um trechinho:

“Este é o lugar onde bichos e homens se equivalem, em sua selvageria e delicadeza. Quando faz frio, há sempre um fogo que reúne todos: homens, vacas, cães e cabras. E como hoje fazia sol, estavam todos espalhados, apreciando o pouquinho de calor que nos era ofertado. As vacas são sagradas, mas apanham para sair do caminho. Os cachorros levam chutes, mas recebem carícias. As cabras vestem roupas, para sofrerem menos com o frio. E os homens enrolam-se em panos. E é essa a delicadeza sutil dessa gente: um modo de empurrar uns aos outros, de gritar uns com os outros, de proteger uns aos outros. Um modo de equivalência entre todos os seres, dentro de nossa miséria.”

Se você precisa de inspiração e de força para visitar a Índia, ou se já sente-se preparado e está programando a sua viagem, ou se simplesmente adora ler diários de viagem que vão no sentido contrário da egotrip, te pegam pela mão e te levam junto, leia.

A Lian vai lançar o livro dela em Goiânia (sua cidade natal), na Fnac do Shopping Flamboyant no dia 3 de maio, a partir das 20h, e no Rio de Janeiro (onde ela mora atualmente) na Livraria da Travessa, na rua Sete de Setembro, no dia 12 de maio, a partir das 17h. Para saber mais sobre o livro e a autora, siga a página no Facebook.
13051631_619784961507859_1886347141190283185_n

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s