Demônio da Garoa Por Blog Meeeeu, cê vai ver que aqui tem de tudo um muito sobre esse mundo chamado São Paulo: restaurantes, botecos, baladas, eventos, praias, esportes… Vale tudo, menos catchup na pizza!

6 programas nos bairros cantados pelos Demônios da Garoa

Por Bruno Favoretto Atualizado em 27 fev 2017, 15h40 - Publicado em 18 fev 2014, 22h05

Qual banda/músico(a) representa mais a cidade de São Paulo? Mutantes? Rita Lee solo? Adoniran Barbosa? Premeditando o Breque? Ira!? Ultraje a Rigor? Racionais? Sabotage?

 

Continua após a publicidade

Acho que todos esses, e eu até incluiria nessa Inocentes e Tutti Frutti.

 

Continua após a publicidade

Só que não há caricatura musical mais fiel da Pauliceia do que a intitulada Demônios da Garoa. Ok, bellôôô, sou suspeito, eles são meus conterrâneos da Mooca, começaram em 1943 na Rua dos Trilhos, na garagem da casa dos pais dos irmãos Arnaldo e Cláudio Rosa, que era mezzo estúdio, mezzo fábrica de sapatos do babbo deles.

 

Continua após a publicidade

Minha avó Aurora, que morava na Rua dos Campineiros, a paralela, acompanhou isso de perto, sem imaginar que os Demônios perdurariam até hoje. Estão até no Guinness Book desde 1994 como a banda mais antiga da América Latina. Claro, hoje sem Arnaldo e Cláudio, mas com a dinastia presente nos gogós e nas mãos gaiatas de Sérgio e Ricardinho Rosa, filho e neto de Arnaldo, respectivamente.

 

Continua após a publicidade

Os malandros em 1997 / FOTO Rogério Montenegro

Os malandros em 1997 / Foto: Rogério Montenegro

 

Continua após a publicidade

Para inaugurar este blog, cujo nome é um tributo ao paisssxx, paisssxx, paisssxx, paisssxx, paisssxx, paisssxx, pascalingunduns, pascalingunduns, pascalingunduns, nada mais justo do que ler sobre os bairros cantados pelos Demônios – há composições que não são deles, como Praça Clóvis, de Paulo Vanzolini – e fazer turismo neles: para cada canto paulistano citado, o blog indica um programa.

 

Continua após a publicidade

ABRIGO DE VAGABUNDOS (MOOCA)

Eu arranjei o meu dinheiro,
Trabalhando o ano inteiro,
Numa cerâmica,
Fabricando pote,
E lá no alto da Mooca,
Eu comprei um lindo lote,
Dez de frente, dez de fundos,
Construí minha maloca,
Me disseram que sem planta, não se pode construir,
Mas quem trabalha, tudo pode conseguir,
João Saracura,
Que é Fiscal da Prefeitura,
Foi um grande amigo,
Arranjou todo pra mim!

 

Continua após a publicidade

Por onde andará?
O Jóca e Mato Grosso,
Aqueles dois amigos,
Que não quis me acompanhar,
Andarão jogados,
Na Avenida São João?
Ou vendo o sol quadrado,
Na detenção?

 

Continua após a publicidade

Minha maloca,
A mais linda que eu já vi!
Hoje está legalizada,
Ninguém pode demolir!

 

Continua após a publicidade

Minha maloca,
A mais linda desse mundo,
Ofereço aos vagabundos,
Que não tem onde dormir!

 

Continua após a publicidade

Por onde andará?
O Joca e Mato Grosso,
Aqueles dois amigos,
Que não quis me acompanhar,
Andarão jogados,
Na Avenida São João?
Ou vendo o sol quadrado,
Na detenção?

 

Continua após a publicidade

Minha maloca,
A mais linda que eu já vi!
Hoje está legalizada,
Ninguém pode demolir!

 

Continua após a publicidade

Minha maloca,
A mais linda desse mundo,
Ofereço aos vagabundos,
Que não tem onde dormir!

 

Continua após a publicidade

O programa: CADILLAC BURGER

Na hamburgueria do Tatá, famoso no bairro por sua coleção de possantes lowrider, aposte no kick ass: 180 gramas de carne, picles, creme de gorgonzola, bacon e anéis de cebola empanados.  (Rua Juventus, 296, Mooca, 2069-9982) 

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

UM SAMBA NO BIXIGA

Domingo nós fumo num samba no bexiga
Na rua major, na casa do nicola
A mesa não deu conta
Saiu uma baita duma briga
Era só pizza que avuava junto com as braxola
Nóis era estranho no lugar
E não quisemo se meter
Não fumos lá pra briga, nós fumo lá pra come
Na hora “h” se enfiemo de baixo da mesa
Fiquemo ali, que beleza vendo a nicola briga
Dali a pouco escutemo a patrulha chegá
E o sargento oliveira falá

 

Continua após a publicidade

Num tem importância
Foi chamada as ambulância
Carma pessoal,
A situação aqui está muito cínica
Os mais pior vai pras clínica

 

Continua após a publicidade

O programa: C… QUE SABE!

Com a família siciliana Stippe desde 1931, é uma cantina de verdade, com direito a músicos passando de mesa em mesa atendendo a pedidos (Io Che Amo Solo Te, de Sergio Endrigo, é uma das mais requisitadas). Aviso aos cardíacos: panelas caem no chão e dão susto na gente, clássico divertimento de quem mangia primores como o nhoque all’arrabbiata.  (Rua Rui Barbosa, 192, cantinacquesabe.com.br)

 

 

Continua após a publicidade

PRAÇA CLÓVIS (CENTRO)

Na praça Clóvis
Minha carteira foi batida,
Tinha vinte e cinco cruzeiro e seu retrato,
Vinte e cinco, francamente, achei barato
Pra me livrarem do meu atraso de vida.

Eu já devia ter rasgado e não podia
Esse retrato
Cujo olhar me maltratava e perseguia
Um dia veio o lanceiro,
Naquele aperto da praça,
Vinte e cinco, francamente, foi de graça!

 

Continua após a publicidade

O programa: SATÉLITE

A escultura Satélite é de autoria do austro-brasileiro Francisco Stockinger (1919-2009), e está lá desde 1974.  (Praça Clóvis)

 

 

Continua após a publicidade

ADEUS CANTAREIRA (BRÁS, JAÇANÃ E SERRA DA CANTAREIRA)

Vai, vai, vai, vai, vai, vai, vai,
Pascalim, pascalim, calingundum,
Vai, vai, vai, vai, vai, vai, vai,
Pascalim, pascalim, calingundum.

 

Continua após a publicidade

Adeus cantareira adeus,
Nunca mais ouvirei o apito teu,
Acabaram com a tua tradição,
O Engenheiro diz que é,
O progresso da nação…

 

Continua após a publicidade

Tive que mudar de Jaçanã,
Já não existe o trem das onze,
Nem as sete da manhã,
Agora minha mãe já vai dormir em paz,
Nós mudemos pro bairro do Brás,
Não precisa esperá.

 

Vai, vai, vai, vai, vai, vai, vai,
Pascalim, pascalim, calingundum,
Vai, vai, vai, vai, vai, vai, vai,
Pascalim, pascalim, calingundum.

 

Adeus cantareira adeus,
Nunca mais ouvirei o apito teu,
Acabaram com a tua tradição,
O Engenheiro diz que é,
O progresso da nação…

 

Tive que mudar de Jaçanã,
Já não existe o trem das onze,
Nem as sete da manhã,
Agora minha mãe já vai dormir em paz,
Nós mudemos pro bairro do Brás,
Não precisa esperá.
Vai, vai…


O programa: CASTELÕES

Primeira pizzaria da capital é uma viagem a 1924, ano de fundação. Peça a pizza que leva o nome da casa, feita com mussarela, linguiça caseira curada, um leve toque de erva-doce e borda de parmesão tostado. Não aceita cartão.  (Rua Jairo Góis, 126, Brás, casteloes.com.br) 

 

Continua após a publicidade

O programa: MIOLO PADARIA ORGÂNICA

Sim, o Parque Estadual da Cantareira e suas trilhas são fantásticos, obrigatórios na região, mas, além de novos, os pães daqui são fermentados no esquema au levain, ou seja, por um processo de fermentação natural. O salão tem só duas mesas e diliças como o pão de centeio com nozes.  (Avenida Senador Ermirio de Moraes, 1400, Serra da Cantareira, 11/2267-6274)

 

Continua após a publicidade

O programa: LA FLORESTA

Leitor, serei sincero: o Jaçanã carece de atrações que valham a viagem, então não vá até lá. Agora, se você estiver no pedaço, rola de provar sorvetes e docinhos.  (Avenida Guapira, 1984, docerialafloresta.com.br)

Continua após a publicidade

Publicidade