6 passeios para um fim de semana turístico em Campinas

Nem só de indústrias e empresas de tecnologia vive Campinas. Há programas bem bacanas para ser feito na maior cidade do interior paulista

Se, aqui no Brasil, tem uma não-capital com mais cara de capital, ela atende pelo nome de Campinas.

Com pouco mais de 1 milhão de habitantes, a vida pulsa freneticamente na cidade, sede de várias empresas de tecnologias e indústrias. Durante a semana, achar um hotel por lá exige uma cansativa procura.

No fim de semana, a cidade dá uma relaxada e conhecer os seus bons atrativos, torna-se um programaço para famílias com crianças.

1. Passeio de maria fumaça Campinas-Jaguariúna

Um dos passeios tradicionais de Jaguariúna é o de maria-fumaça até Campinas Passeio de maria-fumaça: cenário de novelas de época

Passeio de maria-fumaça: cenário de novelas de época (Eugenio Savio/)

Quem é noveleiro assumido e não perde um capítulo das tramas de época, a chance de já ter visto o trem e uma das estações da ferrovia é bem grande. Fruto da impecável conservação da linha férrea.

Percorrendo 24 km da antiga Estrada Mogiana, o passeio sai da Estação Anhumas, atrás do Shopping Galeria. Antes da partida, entusiasmados monitores dão uma aula sobre o funcionamento da máquina. Já em movimento, o começo é pouco empolgante, atravessando condomínios residenciais.

Melhora quando surgem as fazendas de café e os monitores novamente entram em cena para contar histórias do fim do século 19. Chegando na bela Estação Jaguary, a pedida é tomar uma gelada no Botequim da Estação ou dar uma circulada na feirinha de artesanato – são 45 minutos até o retorno. Ao todo, o passeio dura três horas e meia, mas há uma versão menor até a Estação Tanquinho, na metade do caminho.

  • Horário: Campinas-Jaguariúna (sábado às 10h10 e domingo, às 10h10 e 14h30), Campinas-Tanquinho (sábado às 15h e domingo às 16h30)
  • Preço: R$ 150 inteira  (Campinas-Jaguariúna) e R$ 120 (Campinas-Tanquinho). Meia-entrada para crianças de 6 a 12 anos, maiores de 60 anos, estudantes com carteirinha, portadores de necessidades especiais e professores (mediante apresentação de holerite). Menores de 5 anos não pagam desde que viajem no colo de um adulto.
  • Telefone: 19/3207-3637

2. Fazenda Tozan

Fazenda Tozan, antiga Fazenda Monte d´Este.

Tudo o que você quer saber sobre a cultura cafeeira é apresentado no passeio a essa fazenda, também conhecida como Monte d’Este. A visitação começa com uma degustação do café colhido no local. Regojizado com a bebida, o grupo parte para conhecer o cafezal e todas as etapas do processo de produção, passando ainda por um pequeno museu do café, a antiga senzala e um mirante com vista para várias cidades da região.

  • Onde fica: Rodovia Doutor Governador Adhemar de Barros, km 121 (pista Mogi-Mirim/Campinas)
  • Preço: R$ 72 (dias úteis) e R$ 83 (fim de semana). Crianças de 5 a 12 anos pagam meia. O agendamento é imprescindível e é preciso formar um grupo de oito pessoas.
  • Telefone: 19/3257-2269

3. Sousas e Joaquim Egídio

A rua principal de Joaquim Egídio é uma remissão ao passado A rua principal de Joaquim Egídio é uma remissão ao passado

A rua principal de Joaquim Egídio é uma remissão ao passado (fasouzafreitas/Wikimedia Commons/)

As construções históricas, as ruas de paralelepípedo e o cenário de montanhas dos distritos mais turísticos de Campinas atraem uma multidão de famílias nos fins de semana. Para chegar lá é só pegar a Avenida Doutor Moraes Sales, atravessar a Rodovia D. Pedro I e seguir em frente. Em Sousas, a criançada se diverte nas atividades ao ar livre do Belmonte Entretenimento – tirolesa, arvorismo e o sky jump (uma cama elástica gigante em que a criança pula alto, amarrado a uma corda) estão no leque de aventuras. Mais charmosa, Joaquim Egídio tem uma veia gastronômica mais forte. O Vila Paraíso e o Estação Marupiara apostam em receitas brasileiras e ambiente ao ar livre. Um generoso bufê de antepastos é um dos trunfos do La Campagna, especializado nas receitas da Sicília.

4. Lagoa do Taquaral

Lagoa do Taquaral, Parque Portugal, Campinas, Sâo Paulo Lagoa do Taquaral (Parque Portugal) à noite

Lagoa do Taquaral (Parque Portugal) à noite (/)

Como o nome sugere, o maior parque campineiro circula uma lagoa, que tem como principal atrativo a réplica da Caravela Anunciação, que trouxe Pedro Álvares Cabral ao país. No entorno da lagoa, a ciclovia e a pista da caminhada favorecem os exercícios físicos. Se quiser fazer um piquenique, lugar melhor não há na cidade, as centenas de árvores garantem muita sombra. Dentro do parque funciona o Museu Dinâmico de Ciências, com sessões de planetário (domingo às 15h e 16h, R$ 8).

  • Onde fica: Avenida Heitor Penteado, 1671 (Parque Taquaral)
  • Horário: diariamente, das 4h45 às 22h
  • Preço: grátis
  • Telefone: 19/3256-9959

5. Bosque dos Jequitibás

Cidade de Campinas, São Paulo O Bosque dos Jequitibás fica no coração da cidade e atrai famílias

O Bosque dos Jequitibás fica no coração da cidade e atrai famílias (/)

É o pulmão verde da região central campineira e faz jus à classificação de bosque, tantas são as árvores do local. Inaugurado em 1880, tem minizoo, serpentário e Museu de História Natural (R$ 2). Apesar do terreno acidentado, pais com seus filhos são os principais frequentadores.

  • Onde fica: Rua Coronel Quirino, 2 (Centro)
  • Horário: de terça-feira a domingo, das 6h às 18h
  • Preço: grátis
  • Telefone: 19/3231-8795

6. Cambuí

Seo Rosa: um dos endereços da animação no Cambuí Seo Rosa: um dos endereços da animação no Cambuí

Seo Rosa: um dos endereços da animação no Cambuí (Facebook reprodução/)

Coladinho no Centro, é o bairro do agito. Raras são as (estreitas) ruas desprovidas de bares ou restaurantes. Só no trecho de 850 metros da Rua Doutor Emílio Ribas entre a Avenida Coronel Silva Teles e a Rua Conceição, há uma dezena de estabelecimentos como o portuga Dom Manoel e os movimentados bares Seo Rosa e Boteco São Bento. A Praça da Imprensa Fluminense opõe o City Bar, aquele botecão mesmo, com a fama devida ao pesado bolinho de bacalhau e a cerveja gelada – repare na quantidade de tampinhas presas no asfalto da Avenida Júlio de Mesquita.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s