Sul da França de trem: dicas para montar o roteiro perfeito

Veja dicas para viajar de trem por Côte D' Azur e pelo sul da França e não passar perrengue com compra de passagens

Fiz uma matéria sobre o sul da França (Provence + Côte D’Azur + Bordeaux) que estampa uma das capas da Viagem e Turismo. Deixando a modéstia de lado, a matéria está linda e destrincha os melhores roteiros para fazer de trem num pedacinho da Europa que certamente está entre os melhores do lugares do mundo.

A reportagem é completíssima – 26 páginas, meu povo! – mas ainda tenho algumas dicas a acrescentar e algumas cabeçadas do making of a compartilhar com vocês. Comecemos pelo roteiro.

Todo o glamour de Mônaco Todo o glamour de Mônaco

Todo o glamour de Mônaco (/)

Para fazer a reportagem, passei 8 dias correndo freneticamente para testar os trajetos dentro de cada uma das regiões (Provence + Côte D’Azur + Bordeaux) e também entre elas. Minha viagem foi assim:

Barcelona > Aix-en-Provence de TGV, o trem-bala (4h18)

3 noites em Aix-en-Provence

Aix-en-Provence > Nice de trem regional até Marselha e depois TGV (um pouco mais de 3 horas, incluindo meia horinha de espera em Marselha)

2 noites em Nice

Nice > Bordeaux de trem Intercités, de média e longa distância (9 horas)

3 noites em Bordeaux

Bordeaux > Barcelona de trem Intercités até Narbonne e depois TGV até Barcelona (8 horas no total)

Captura de Tela 2014-06-16 às 17.12.11

Se você for fazer esta viagem, aqui vão algumas dicas, retoques e observações sobre o meu roteiro:

Cinco dias é o tempo mínimo ideal para cada região

Fazer tudo isso em 8 dias foi um ato de bravura. Mas, veja bem: eu estava lá a trabalho e já conhecia a região. Não tente fazer o mesmo! Sul da França é curtição, é calma, é savoir vivre, é vinho. Nada disso combina com correria.

Aix-en-Provence não é a melhor base para passeios de bate e volta na Provence

Aix-en-Provence é linda de morrer, mas tem algumas pegadinhas logísticas para quem viaja de trem Aix-en-Provence é linda de morrer, mas tem algumas pegadinhas logísticas para quem viaja de trem

Aix-en-Provence é linda de morrer, mas tem algumas pegadinhas logísticas para quem viaja de trem (/)

Das três regiões que visitei, a Provence é a mais complicadinha para fazer sobre trilhos. Um exemplo? Aix-en-Provence é seguramente a cidade mais bonita aonde é possível chegar de trem, mas ela tem algumas pegadinhas logísticas. A estação do centro da cidade só conecta Aix com Marselha e outros destinos pouco atrativos.

A estação de TGV, por sua vez, fica a 18 quilômetros do centro. A melhor solução? Usar Avignon como base para os bate e volta (pra Arles e Nimes, por exemplo) e depois passar alguns dias curtindo só Aix.

Entre uma coisa e outra, você pode aproveitar para conhecer Marselha, que fica obrigatoriamente no caminho.

Bordeaux e Nice são mesmo as melhores bases para passeios de bate e volta em suas respectivas regiões

Ambas as cidades estão super bem conectadas com os seus arredores, além de serem incríveis e terem acomodações em todas as faixas de preço.

Nice: além de estratégica, lindíssima Nice: além de estratégica, lindíssima

Nice: além de estratégica, lindíssima (Warner Bros/Reprodução)

A Côte D’Azur é a mais rápida e fácil para fazer de trem

Cannes, Antibes, Nice e Mônaco estão entrelaçadas por viagens curtinhas e baratas de trem que passam, no máximo, de meia em meia hora.

É a região mais fácil e prática das três para quem viaja de trem. Se você tiver pouco tempo, saiba que é a região que rende mais em poucos dias.

Subterrâneo de Mônaco: corredores high-tech como esses conectam vários pontos da cidade à estação de trem Subterrâneo de Mônaco: corredores high-tech como este conectam vários pontos da cidade à estação de trem

Subterrâneo de Mônaco: corredores high-tech como este conectam vários pontos da cidade à estação de trem (/)

Os ônibus da Lignes D’Azur são o complemento ideal

Baratíssimos e eficientes, os ônibus da Lignes D’Azur são o complemento quase perfeito para chegar às cidadezinhas da Côte D’Azur que não são cobertas pelas linhas de trem (como a lindinha Eze, por exemplo).

Eu digo quase perfeito porque eles são vítimas do seu próprio sucesso: circulam lotados de turistas. “Lotados” não é maneira de dizer.

A Place de la Bourse na lindona Bordeaux

A Place de la Bourse na lindona Bordeaux (EoNaYa/iStock)

Os trens na região de Bordeaux são caros

Levei um sustinho com o preço dos trens regionais de Bordeaux. A viagem de ida e volta de Bordeaux a Saint-Émilion custa € 18,50 – para um trecho que leva menos de meia hora!

Sainte-Emilion: a meia hora de Bordeaux (ida e volta por € 18,50!) Sainte-Émilion: a meia hora de Bordeaux (ida e volta por € 18,50!)

Sainte-Émilion: a meia hora de Bordeaux (ida e volta por € 18,50!) (/)

Comprar com antecedência é questão de vida ou morte

Foi-se o tempo em que dava para improvisar em viagens pela Europa. Hoje em dia, de abril a outubro, os trens circulam lotados e quem deixa para última hora paga caro ou fica de fora.

Os trens regionais da França (que você usará para fazer os passeios de bate e volta) funcionam como metrô: você paga na hora e viaja em pé se for o caso. Já para os Intercités (longa distância) e TGV (trem-bala), comprar com antecedência é fundamental.

Siga @drisetti no Twitter

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.