Achados Adriana Setti escolheu uma ilha no Mediterrâneo como porto seguro, simplificou sua vida para ficar mais “portátil” e está sempre pronta para passar vários meses viajando. Aqui, ela relata suas descobertas e roubadas

Os melhores mergulhos de Fiji, parte 1: nadando com tubarões-martelo e outras criaturas

Por Adriana Setti Atualizado em 27 fev 2017, 15h21 - Publicado em 24 abr 2015, 17h30

Para quem mergulha, avistar um animal tão singular e tão raro como o tubarão-martelo é um dos maiores troféus. E a mera possibilidade de que isso possa acontecer é um baita folheto publicitário para um destino de mergulho. Em vários anos de obsessão pelo esporte, já havia estado em muitos lugares onde supostamente é possível avistar tubarões-martelo – tendo tido sucesso apenas uma vez, na Nicarágua. Por isso, sou sempre bem comedida ao alimentar expectativas a esse respeito. Nas Ilhas Fiji, a coisa foi BEM diferente.

 

Fiji tem uma lista enorme de pontos de mergulho que merecem estar na lista dos melhores do mundo. Vou falar de alguns deles aqui no blog, pouco a pouco. Mas o meu favorito, explode-coração, é a área perto do adorável vilarejo de Savusavu, na ilha de Vanua Levu. Monsieur Jean-Michel Cousteau, que tem um centro de mergulho na região, que me desculpe. Mas os caras que realmente levam você aos melhores lugares dessa parte do arquipélago são os imbatíveis do KoroSun Dive. Eles estão instalados no resort boutique Savasi Island, mas ainda assim têm as melhores tarifas de Vanua Levu e oferecem transporte de qualquer hotel das redondezas.

 

Foi um dia mágico. Em menos de 15 minutos de barco, chegamos ao dive spot de Dream House. Mal pulamos na água e já estávamos rodeados de tubarões de pontas brancas, barracudas, atuns. O plano, a partir daí, era nadar “no azul”, em direção ao mar aberto, e tentar a sorte. Lá fomos nós, e minutos mais tarde estávamos rodeados de tubarões-martelos enormes. Eu chorei dentro da máscara, e gritei tanto de felicidade que machuquei a minha garganta. Já estaria de bom tamanho. Mas no segundo mergulho com o povo do KoroSun Dive nós avistamos uma arraia jamanta, outro dos grandes troféus do mergulho. Entrei em êxtase, de novo.

Clique aqui para ver o melhor vídeo de tubarões-martelo feito pelo staff do KoroSun Dive,  no Facebook.

Nosso plano era ir embora no dia seguinte. Sem condições. Fizemos check-out do resort onde estávamos e nos mudamos para a guesthouse da adorabilíssima Sara, uma fijiana de origem indiana amiga dos donos do KoroSun Dive (super recomendo, bom e barato: Gecko Lodge), e deixamos a vida nos levar. No fim das contas, ficamos dez dias em Savusavu, mergulhando furiosamente e curtindo a vidinha real de Fiji, o que foi uma coisa deliciosa. Com eles, ainda fizemos uma magnífica day trip para a ilha de Namena, um dos lugares que dão a Fiji a reputação de capital mundial dos corais moles, além de ser placo de um verdadeiro desfile de tubarões e outras espécies. Foram os dias mais felizes da minhas férias.

 

Adoráveis pequenas criaturas

Adoráveis pequenas criaturas

Colin Skipper, salve simpatia!

Colin Skipper, salve simpatia!

Efeito de luzes para pirar

Efeito de luzes para pirar

As formações nos arredores de Savusavu

As formações nos arredores de Savusavu

Concha gigante e psicodélica

Concha gigante e psicodélica

Bolas de peixes

Bolas de peixes

O inesquecível Toni, um mergulhador técnico hardcore que conhecemos através do povo do KoroSun (ao lado de Janine)

O inesquecível Toni, um mergulhador técnico hardcore que conhecemos através do povo do KoroSun (ao lado de Janine)

Continua após a publicidade
O cardume "engole" o mergulhador

O cardume “engole” o mergulhador

Cores, cores, cores

Cores, cores, cores

Outras adoráveis pequenas criaturas

Outras adoráveis pequenas criaturas

Steven, o instrutor mais gente boa de Fiji

Steven, o instrutor mais gente boa de Fiji

Lai, o capitão, e sua imbatível cabeleira

Lai, o capitão, e sua imbatível cabeleira

Peixe-folha, uma das minhas criaturas submarinas favoritas

Peixe-folha, uma das minhas criaturas submarinas favoritas

Não foi só por causa do mergulho. Rolou amizade da boa também. A neozelandesa Janine (a fina flor da ironia e do humor ácido) e o australiano Collin (uma máquina de disparar piadas), donos do KoroSun Dive, nos introduziram no seleto Planters Club, um clube de expatriados que é uma viagem ao período colonial britânico. Com o capitão do barco, Lai (uma das figuras mais incríveis que conheci durante a viagem), o instrutor Steven, e as dive másters Sarah e Kate, passamos uma tarde memorável entrando de penetra da cachoeira de um hotel de superluxo da ilha (eu não contei isso a vocês). Houve vários outros momentos memoráveis.

 

Janine, Collin, Lai, Steven, Sarah e Kate, não tenho palavras para agradecer.

 

O espetacular vídeo abaixo é um resumo de tudo o que o povo do KoroSun Dive pode fazer por você.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=9bNhc0d5l6c?feature=oembed%5D

Siga @drisetti no Instagram e no Twitter

 

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade