Achados Adriana Setti escolheu uma ilha no Mediterrâneo como porto seguro, simplificou sua vida para ficar mais “portátil” e está sempre pronta para passar vários meses viajando. Aqui, ela relata suas descobertas e roubadas

O espírito de Byron Bay, a praia mais hypada da Austrália

Por Adriana Setti Atualizado em 27 fev 2017, 15h26 - Publicado em 9 mar 2015, 18h38

Fuxicando com lupa atrás de acomodação boa e barata em Byron Bay, a praia mais “quero ficar aqui pra sempre” da Austrália, topei com um dos maiores achados da viagem no AirBnb. Vejam que ideia genial. A simpaticíssima El, fã de badulaques vintage, se apaixonou perdidamente por um trailer (que os australianos chamam de caravan) dos anos 60 que avistou estacionado numa fazenda. Comprou, arrastou a “caixinha” até um terreno de 800 metros quadrados numa colina ventilada, restaurou lataria e piso, pintou e incrementou o interior com almofadas coloridas, edredon fofinho e mesinha de perna palito. Para completar, agregou uma cozinha ao ar livre super simples e funcional e um banheiro/lavanderia. No fim das contas, nada poderia ter combinado mais com o espírito de Byron Bay do que esse cafofinho pseudohippie-retrô (clique aqui para ver os detalhes).

 

Meu amado cafofinho hippie e mais ou menos chic

Meu amado cafofinho hippie e mais ou menos chic

Interior do cafofinho: que ninguém me acuse de não ter embarcado num trailer pra viajar pela Austrália

Interior do cafofinho: que ninguém me acuse de não ter embarcado num trailer pra viajar pela Austrália

A caravan com a cozinha acoplada: foram tantas emoções...

A caravan com a cozinha acoplada: foram tantas emoções…

Depois de quase duas semanas viajando por praias pacaaaatas, eu estava clinicamente precisando de um pouco de boemia – devo confessar que o excesso de vida saudável e tranquila dos australianos me provoca reações adversas. Que alegria chegar ao pub Railway Friendly Bar. Foi quase como entrar num túnel do tempo e voltar para a Maresias dos anos 80-90 (tem algum ancião aí na audiência que, assim como eu, frequentou o Shaolim?), só que melhorado. No palco, alguns dinossauros goteavam suor sobre suas guitarras. Enquanto isso, uma quantidade impressionante de gente bronzeada e feliz de todas as idades dançava enlouquecidamente. E dá-lhe calcanhar encardido, chinelão, cabelos lindamente embaraçados, corpos esculturais, vestidinhos made in India.

 

E por que todos amam Byron Bay? Em primeiros lugar, porque o lugar é lindo. A Costa Leste da Austrália, entre Queensland e Nova Gales do Sul, é um festival de praias matadoras. Mas ali a natureza foi ainda mais gente boa. A areia é mais fina e branca, o litoral é mais recortado, a água é mais cristalina, os morros são mais verdes. A ocupação da região também faz toda a diferença. Muita gente realmente mora ali porque optou por um estilo de vida alternativo, inclusive uma animada comunidade internacional. A praia está longe de ser um balneário de verão que mingua no inverno. A quantidade de restaurantes e cafés charmosos é um plus – e praticamente todos optaram por não ter internet wi-fi para que as pessoas não sejam engolidas pelos seus celulares.

Continua após a publicidade
Fala sério: isso é muvuca? Não. E olha que estive lá em plena alta temporada

Fala sério: isso é muvuca? Não. E olha que estive lá em plena alta temporada

Fim de tarde na Main Beach

Fim de tarde na Main Beach, “Praia Principal” (adoro a criatividade dos australianos para dar nomes às praias)

O farol lindão de Byron Bay

O farol lindão de Byron Bay

As praias embaixo do farol

As praias embaixo do farol

Pela fama e pelo hype, achei que Byron Bay já tivesse hippie-chicado e muvucado além da conta. Mas não. Pense bem: a Austrália tem 20 milhões de habitantes e está longe de praticamente tudo. Além do mais, é um país-referência quando o assunto é sustentabilidade: não há construções sem noção avançando sobre a praia ou roendo as encostas. Ou seja, ainda que Byron seja a provavelmente a praia mais bombada da Austrália (fora da Gold Coast e das grandes cidades), é quase um retiro de meditação para quem está acostumado com os lugares da moda no Brasil. Sinto inveja de quem andou por aquelas areias de biquíni de crochê e flor no cabelo nos anos 70. Mas, de alguma forma, o espírito “alma livre” do lugar ainda vive. Yoga, surfe, muito suco verde, muita quinua e muita chia. Mas as calçadas estão cheias de músicos e artistas e os bares fervilham. Também é praxe que um bando de loucos dance na praia numa festa à base de fones de ouvido conectados por bluetooth a um DJ que pira dentro de uma Kombi. Deu pra entender?

 

Fim de tarde em Lennox Head, uma das praias mais bonitas dos arredores

Fim de tarde em Lennox Head, uma das praias mais bonitas dos arredores

Siga @drisetti no Twitter e no Instagram

Continua após a publicidade
Publicidade