Achados Adriana Setti escolheu uma ilha no Mediterrâneo como porto seguro, simplificou sua vida para ficar mais “portátil” e está sempre pronta para passar vários meses viajando. Aqui, ela relata suas descobertas e roubadas

O design e a moda na Lituânia: duas grandes surpresas em Vilnius

Por Adriana Setti Atualizado em 27 fev 2017, 15h51 - Publicado em 13 jul 2011, 11h53

Design lituano enfeitando uma parede da cidade: nada a ver com a Rússia

Eu já sabia, antes de ir, que Vilnius era uma cidade linda. Mas, por outro lado, imaginava encontrar um lugar antiquado, meio caipira e ainda influenciado  pela breguice crônica que os russos espalharam pelo Leste Europeu.

Eu sabia que as lituanas eram lindas. Mas imaginava elas em vestidos sintéticos de oncinha, equilibrando-se sobre sandálias de salto branco com detalhes em dourado. Ou seja, pensava que eram como as russas.

Reparem no ESTILO dessa menina abaixada dando comida aos pombos: o detalhe da “luva” no antebraço, o sapato de bolinhas, a meia até embaixo dos joelhos… MUSA! (sobre o cofrinho da amiga dela aparecendo a gente não comenta)

Ledo, ledíssimo engano. A moda lituana tem identidade própria e o design, idem. E se tivermos que apontar influências, elas certamente vêm do outro lado do Báltico, da Escandinávia.  Tanto as roupas como as peças de decoração primam pela delicadeza, pela qualidade dos materiais (lã de primeira, puro linho…) e pela originalidade. Há tempos eu não tinha tanta vontade de comprar tudo o que via pela frente.

Eis os maiores achados:

Lino ir Gintaro studija

O linho lituano é orgulho nacional e a Lino ir Gintaro studija, no número 11 da elegante Didžioji, é provavelmente a melhor das lojas da cidade nessa categoria. Calças, vestidos, saias e camisas, dos tradicionais aos modernos, são impecavelmente bem cortados, uma coisa de louco. Meu deus, que vestidos! Não é suuuuper barato. Mas um vestido lindo de linho misturado com malha saiu por € 60. No Brasil, custaria mais de R$ 500, com certeza.

Jóias de âmbar

Continua após a publicidade

O âmbar o grande produto nacional. E nem acho que seja preciso indicar uma só loja. Ao longo da rua Pilies, a mais badalada do centro, as joalherias aparecem uma atrás da outra. Para quem gosta do mateiral, é uma festa. Eu me contentei em comprar um brinco super minimalista, de bolinha. Mas o céu é o limite.

A fachada da Interios

Interios

Peças em porcelana e vidro são outras coisas que os lituanos sabem fazer bem. E a Interios, com duas unidades na Pilies, arrasa. Minha mala que tinha que caber nos requisitos da Ryanair só me permitiu comprar um pinguim maluco de cerâmica, por “quem” apaixonei-me à primeira vista. Mas os pratos, vasos, xícaras e etc eram incríveis.

O cachorro de lã e couro que acabou nas mãos do meu sobrinho: sai pra lá, China!

Suvenires

É um sonho: os badulaques sem personalidade made in China ainda não dominam as lojas de suvenir. No lugar deles, bichos incríveis feitos manualmente de couro e lã, brinquedinhos antigos de madeira, bonecas incríveis com roupinhas típicas. Uma verdadeira volta no tempo.

Marcas escandinavas

A proximidade com a Escandinávia faz com que Estônia, Letônia e Lituânia sejam uma espécie de embaixada nórdica no “além Báltico”. Em Vilnius há lojas de marcas escandinavas que ainda não invadiram a Europa ocidental com força. Entre as boas surpresas, conhecia ótima Lindex (uma espécie de H&M) e a Tiger, que tem os objetos de design mais divertidos e incrivelmente baratos.

Siga @drisetti no Twitter

Continua após a publicidade
Publicidade