Achados Adriana Setti escolheu uma ilha no Mediterrâneo como porto seguro, simplificou sua vida para ficar mais “portátil” e está sempre pronta para passar vários meses viajando. Aqui, ela relata suas descobertas e roubadas

Ilha de Stromboli, na Itália: você nunca viu nada parecido

Como é viajar para o vulcão mais ativo da Europa

Por Adriana Setti Atualizado em 29 ago 2018, 19h01 - Publicado em 29 ago 2018, 09h23

Todos os caminhos levam ao alto em Stromboli (ou Estrômboli, aportuguesando). A mais remota das ilhas Eólias, no nordeste da Sicília, emerge do mar Tirreno na forma de um cone perfeito, rodeada por uma estreita faixa de areia preta como a asa da graúna. Fazendo um contraste calculado com as encostas escuras desse lugar tão lindamente dark, o vilarejo que abriga a maior parte da população local – 400 valentes dispostos a viver o ano todo na corcova de um vulcão ativo – é um gracioso emaranhado de becos íngremes ladeados de casinhas alvíssimas.

A mais remota das ilhas Eólias, onde o vento faz a curva no mar Tirreno Google Maps/Reprodução

Mal desembarquei em Stromboli e comecei a subir, subir, subir. Cheguei em meio à Festa del Fuoco, um evento hippie até o último fio de dreadlock que traz figuras interessantíssimas à ilha no verão – um colorido contraponto aos tímidos locais. No caminho até a pousada, passei por artistas performáticos, sorveterias charmosinhas, vinhedos de Malvasia, túneis de buganvílias rosa-choque, gente sorridente, figueiras, gatinhos preguiçosos, carrinhos de golfe (não há carros!). Ao largar a mala no quarto com jeitinho de pousada roots da Bahia, eu já estava perdidamente apaixonada.

O semblante lindamente dark da ilha e sua praia onde faz mil graus Adriana Setti/Arquivo pessoal
O jeitinho no vilarejo aos pés do vulcão Adriana Setti/Arquivo pessoal
Uma pessoa valente na areia tórrida (ainda respira?) e, ao longe, a ilhota de Strombolicchio Adriana Setti/Arquivo pessoal

Mas Stromboli não quer o seu amor. A areia preta vira chapa quente no verão e fincar o guarda-sol requer uma obra de engenharia: Eólias vem de Éolo, guardião dos ventos na mitologia grega. Pá de pedreiro para cavar fundo, quem diria, é assessório praiano entre os escolados do pedaço. Fora isso, o vulcão mais ativo da Europa está em constante erupção, alternando épocas de mais ou menos atividade. Estive lá em um momento de relativa calmaria. Ainda assim, ouve-se o bicho rugir constantemente; o cheiro das profundezas da terra paira no ar e, à noite, dá para ver a lava incandescente jorrar da cratera na chamada Sciara del Fuoco. É lindo e assustador em idênticas proporções.

Escalar o vulcão é o propósito de grande parte dos que visitam a ilha. Dá pra ir sozinho até uma plataforma a 400 metros de altitude. A partir desse ponto, é preciso contratar um guia para subir até o cume (926m). A caminhada ladeira acima começa no fim da tarde e demora umas três horas (no verão, prepare-se para suar em bicas). E a descida é feita à noite, com luz de lanterna. Ou seja, é preciso ter preparo físico em dia e espírito de aventura. Versão boêmia do passeio? Subir até a pizzaria L’Osservatorio, um pouco abaixo da linha dos 400 metros, e ver o gigante cuspir fogo enquanto toma um Malvasia. Para chegar lá a pé, é preciso fazer uma caminhada agradabilíssima de uma hora a partir do povoado de San Vicenzo (super recomendo) – nesse caso, não esqueça de levar uma lanterna para a volta no breu. A pizzaria também tem um serviço de van, aos preguiçosos de nível avançado.

  • Vista da pizzaria Da Luciano Adriana Setti/Reprodução
    O jeitinho rústico de ser Adriana Setti/Reprodução
    Os becos floridos do vilarejo que só tem carrinhos de golfe, Apes e motinhos Adriana Setti/Reprodução
    O mar parece escuro na foto, mas é ultra cristalino Adriana Setti/Arquivo pessoal
    Parece Santorini mas é Stromboli, com seu contraste alvinegro Adriana Setti/Arquivo pessoal
    Fim de tarde no povoado Adriana Setti/Arquivo pessoal
    Tudo azul enquanto o vulcão ruge Adriana Setti/Arquivo pessoal

    Vai lá:

    Quanto tempo: dois dias foram suficientes para subir ao vulcão (no modo pizzaria), pegar uma praia e sentir a energia poderosa do lugar. Eu bem que queria ter ficado mais, mas a praia é realmente difícil de lidar – e nem se anime que não há piscinas na ilha (toda a água chega de barco!).

    Continua após a publicidade

    Como chegar: os barcos rápidos da Liberty Lines partem de Milazzo, na Sicília. São pontuais e têm ar condicionado. No verão, o melhor é reserva o bilhete por internet.

    Onde ficar: fiquei na pousadinha familiar e rústica Residence Aquilone, a mais barata da ilha. Os quartos são pequenos, mas ficam espalhados em um jardim espetacular. Recomendo a quem não tem muita frescura.

    Onde comer: o La Lampara tem mesas ao ar livre e uma massa de vôngole que vai mudar a sua vida. E ainda estou sonhando com os involtini di melanzane (e a vista! ) do Da Luciano.

     

    Procure acomodação em Stromboli no Booking

    Continua após a publicidade
    Publicidade