Formentera: 10 coisas que você precisa saber antes de ir

1. Que, como compôs Gil e cantou Elis, “Formentera é uma ilha onde se chega de barco, mãe…”. E é graças a esse relativo isolamento em relação ao continente (todas as outras ilhas Baleares têm aeroporto e conexão direta de barco com o continente) que Formentera chegou aos dias de hoje como o último paraíso perdido do mediterrâneo espanhol.

2. Que o aeroporto mais próximo é o de Ibiza, de onde saem os barcos para Formentera, que custam absurdos 42 euros (ida e volta) por uma travessia de meia hora pela Trasmapi.

3. Que a melhor época para ir é de junho a setembro. Nos demais meses – principalmente de novembro a março – faz frio e venta horrores, muitos hotéis fecham e a ilha vira um programa perfeito para ermitões e para quem sofre de fobia social.

4. Que, apesar da proximidade com Ibiza, Formentera não tem nada a ver com a sua ilha irmã. A ilha não tem discotecas e vive muito mais o dia do que a noite (balada aqui é sinônimo de jantar animado, festa na praia e cervejinha no boteco).

5. Que a ilha não é para qualquer bolso. Não se come por menos de 30 euros por cabeça, sem vinho, e quase não há hospedagem por menos de 80 euros por casal, em média, por dia.

6. Que o transporte oficial e ideal é a scooter. As estradas pavimentadas da ilha são ótimas e no eixo principal há uma ciclovia que é utilizada pelas motos, dando mais segurança a quem não tem intimidade com duas rodas. Os mais valentes podem tentar encarar uma bici (muita gente faz isso). Mas ainda que a ilha tenha só 25 quilômetros de ponta a ponta, as subidas para os dois faróis (um em cada extremidade), que são programas indispensáveis, não são para qualquer pernoca.

7. Que para alugar uma moto na ilha basta apresentar o passaporte e a carteira de motorista (de carro mesmo) brasileira.

8. Que também é possível alugar carro, mas que em quatro rodas é mais difícil estacionar perto das praias, principalmente em julho e agosto.

9. Que para ir em julho e agosto tudo deve ser reservado com meses de antecedência, já que são poucos os hotéis e hostais e a ilha está cada vez mais na moda.

10. Que não há campings na ilha e que é proibido acampar. Aos mais aventureiros (e/ou pé rapados), resta dormir na praia pura e simplesmente (esta blogueira já o fez quando tinha alguns anos, algumas frescuras e alguns tostões a menos). Os problemas de segurança simplesmente não existem.

Acompanhe as atualizações deste blog no Twitter: @drisetti

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s