Achados Adriana Setti escolheu uma ilha no Mediterrâneo como porto seguro, simplificou sua vida para ficar mais “portátil” e está sempre pronta para passar vários meses viajando. Aqui, ela relata suas descobertas e roubadas

Andar de ônibus em Barcelona: linhas que são uma mão na roda

Por Adriana Setti Atualizado em 27 fev 2017, 15h55 - Publicado em 12 ago 2010, 08h48

Em Barcelona, como em muitas outras cidades da Europa, a maneira mais fácil e rápida de se locomover é de metrô. Sem dúvidas. Basta checar o endereço, que muitas vezes já vem com a estação mais próxima, e pimba. Você sai do túnel e está lá.

Em Londres, por exemplo, o sujeito que se propõe a atravessar a cidade de ônibus pode amargar horas de trânsito, isso sem contar a dificuldade de saber onde descer.

Mas aqui é diferente. A cidade é compacta e, fora das horas de pico (algo em torno das 9 da manhã e das 8 da noite), o trânsito é light – ainda que os catalães jurem que suas ruas são um tormento, o que a uma paulistana parece uma grande piada. Seguindo as intruções dos cartazes afixados na parada, é possível receber pelo celular uma mensagem com os minutos exatos que faltam para seu ônibus chegar (isso se a parada não for equipada com um painel eletrônico). Além disso, os ônibus quase sempre estão vazios e são confortabilíssimos, limpos e climatizados.

Para completar, ao invés de estar embaixo da terra dentro de um túnel escuro, você vê uma das cidades mais bonitas do mundo pela janela e adquire uma noção muito melhor de direção. Podendo, eu sempre prefiro ônibus do que metrô, tanto que me tornei uma enciclopédia de linhas. Alguma delas são uma mão na roda para o turista e podem funcionar como verdadeiros tours panorâmicos:

14 (um tour pelas Ramblas e pela beira-mar) – Ele corta o bairro modernista do Eixample de cima a baixo pela rua Villaroel, passa pela Plaça Universitat, a rua Pelai (uma das principais veias comerciais), a Plaça Catalunya (o marco zero), desce as Ramblas, percorre todo o Port Vell pelo magnífico Passeig Colom (passando pelo bairro gótico e pelo Born), contorna o Parc de la Ciutadella, passa pela Villa Olímpica e tem o seu ponto final pertinho da praia de Bogatell (a mais badalada). Metrô pra quê?

59 (Ramblas-Barceloneta) – O 59 faz quase o mesmo percurso do 14 até o Passeig Colom. Mas ao invés de contornar o Parc de la Ciutadella, desce para a Barceloneta e segue pela praia até parar na Villa Olímpica.

Continua após a publicidade

41 (Vamos a la playa) – É o melhor jeito de chegar às praias mais legais da cidade, que ficam longinho de suas respectivas estações de metrô. Você pega o 41 na Plaça Universitat, passa pelo Parc de la Ciutadella e vai beirando as areias mais bacanas de Barcelona: Nova Icaria, Bogatell, Marbella, Nova Marbella…

24 (a melhor maneira de ir ao Parc Güell) – Ir ao Parc Güell de metrô é roubada. A estação é separada do parque por uma pirambeira. Pegando o 24 no lindo Passeig de Gràcia ou na Plaça Catalunya, você desce na parada Carretera de Carmel-Parc Güell e sai com a boca na botija.

50 (Para subir o Montjüic) – Você pode pegar o 50 em qualquer lugar da Gran Via (que atravessa toda a cidade) entre a Plaça Tetuan e a Plaça de Espanya. Ele sobe o Montjüic, passa pelo estádio olímpico, Poble Espanyol, Fundació Miró de deixa você no Funicular, que desce de volta ao centro da cidade. Vale o passeio.

COMO FUNCIONA: Sobe-se no ônibus pela porta da frente. A partir daí você tanto pode pagar o bilhete na hora ao motorista (€ 1,40 — tenha trocado nas mãos, porque um bilhete de mais de € 10 pode causar uma bufada daquelas) como usar os tíquetes múltiplos  comprados na estação de metrô. Se você estiver com o tíquete em mãos, é preciso validá-lo nas maquininhas afixadas um pouco depois da entrada.

ENCONTRE O CAMINHO: Está na dúvida sobre qual ônibus pegar? Então clique aqui, diga onde está e aonde deseja ir e selecione a opção autobús na casa “Tomarás”.

Clique aqui para ler o dossiê de dicas de Barcelona

Siga este blog no Twitter: @drisetti

Continua após a publicidade

Publicidade