A república de Uzupio, em Vilnius: que lugar é esse?

República independente de Uzupio: que lugar é esse? (não me pergunte o que a Monalisa está fazendo na placa…)

A ponte do amor eterno, que leva do centro histórico até Uzupio

Um cadeado em detalhe

Cruzando a ponte onde os cadeados selam juras de amor eterno (as chaves são jogadas no rio), entra-se em um mundo à parte. A “Uzupio Respublika” (ou Uzupis Republic, em inglês) foi declarada independente por seus moradores desde 1 998. Para o governo da Lituânia, ou mesmo a prefeitura de Vilnius, isso não fez a menor diferença. Mas quem se importa com isso?

Uzupio tem seu próprio “presidente” e comemora a sua independência no dia da mentira – hahahaha –, não é incrível? Nessa data solene, o líder da nação uzupiana faz discurso e guardas com roupas surrealistas “carimbam” os passaportes dos que chegam. Sim, os lituanos têm senso de humor.

Galera pintando à beira do rio Vilnius, às margens do qual a vida se desenvolve em Uzupio

O anjo: guardião do bairro

A constituição de Uzupio é impagável (eu até comprei um pôster e fiz um quadro). Entre as 41 leis, “todo mundo tem o direito de ser feliz”, mas… “todo mundo também tem o direito de ser infeliz”. Why not? Todo mundo ainda “tem o direito de cometer erros” e… “de estar em dúvidas, mas isso não é uma obrigação”. Ai, ai… eu acho isso tão fantástico! Vocês não?

Pinturas às margens do rio

Estátua sem pé nem cabeça

Um dos bares com jeitão da dinamarquesa Christiania

Mas drogas teoricamente não há…

O jeitão do bairro

Visualmente, o bairro lembra um pouco a Christiania, a república independente dentro de Copenhague, mas sem drogas — ao menos à vista, ainda que referências aos cogumelos desenhadas nas paredes não faltem. Os grafites colorem os muros, há galerias de arte e muitos espaços alternativos. É o bairro dos artistas, dos boêmios, etc.

A galeria mais emblemática de Uzupio (onde você pode comprar a constituição, camisetas, etc)

A vida — e a estátua fálica — à beira do rio

A vida DENTRO do rio, num dia de calorão…

Monumento em homenagem ao Tibet

As ruas de paralelepípedo

Gente de Uzupio

Abaixo a rotina!

Algumas casas parecem prestes a sucumbir

A vista linda do Tores, o restaurante mais bacana da cidade

Rolinhos de arenque do Tores

O contraste é interessante. Basta cruzar a ponte, deixando para trás o impecabilíssimo Centro histórico, para sacar como era Vilnius antes de que restaurasse o seu miolinho após a queda da cortina de ferro.

Algumas casas parecem prestes a sucumbir. Mas ao mesmo tempo, a região está ficando cada vez mais cool, com lojas bacanas, bares animadíssimos e o restaurante mais legal da cidade, o Tores, ao qual se chega subindo a ladeira protegida pelo anjo que é o guardião dessa gente “livre” e feliz (ou infeliz, porque afinal de contas, tudo mundo tem o direito…).

Siga @drisetti no Twitter

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s