Achados Por Blog Adriana Setti escolheu uma ilha no Mediterrâneo como porto seguro, simplificou sua vida para ficar mais “portátil” e está sempre pronta para passar vários meses viajando. Aqui, ela relata suas descobertas e roubadas

“Causo” de viagem: O dia em que uma Coca-cola salvou a minha vida

Por Adriana Setti Atualizado em 27 Feb 2017, 15h56 - Publicado em 12 May 2010, 21h05

O filho do nosso bravo capitão com a latinha salvadora na mão

Certos dias – tipo hoje — eu sento para escrever e as coisas práticas não me inspiram. Dicas de hotéis, novos bares, restaurantes bacanas… Hoje não, vai? Então ligo a função shuffle (sabe aquela que toca músicas aleatórias no seu Ipod?) do meu cérebro e desenterro um assunto que não tem nem remotamente a ver com nada que vinha falando nos últimos posts. Senta que lá vem história.

Em março do ano passado fiz uma das coisas mais legais da minha vida: um safári de mergulho ao redor de Komodo, a ilha remotíssima na Indonésia onde vivem os temidos dragões carnívoros capazes de devorar um búfalo – e um ser humano.

O terrível dragão de Komodo marcando território: a região ainda é praticamente inexplorada pelo turismo (adivinha por que?)

A região é um dos melhores e mais intocados lugares do mundo para mergulhar. E também um dos raríssimos rincões do planeta onde é possível fretar um barco de mergulho com tripulação de 5 pessoas (incluindo Dive máster e cozinheiro), equipamento completo e duas lanchinhas auxiliares por 200 euros por dia para duas pessoas (no caso, meu namorado e eu).

Meu barco privê: 200 euros por dia para um casal, com cabine com banheiro e ar condicionado

Uma das nossas lanchinhas de apoio, com “motorista”

Nosso habilidoso cozinheiro: a tripulação tinha 5 pessoas!

Peixinho fresco e salada: delícia depois do mergulho

Área de relax do nosso barco: mordomia pouca é bobagem

Ôôô vidão!

Fim de tarde alucinante em Komodo: hora de pular na água para o mergulho noturno

Continua após a publicidade

O primeiro dia de mergulho foi perfeito: caímos direto em Cristal Rock, um dos melhores picos, com uma quantidade absurda de peixes e tubarões. Na manhã seguinte, prestes a conhecer um outro lugar lendário, éramos pura euforia. Até que… lá no horizonte pintou uma lanchinha esquisita, que foi se aproximando. À bordo, três sujeitos carrancudos, de óculos escuros. GLUP. Minhas retinas miraram direto a AK47 na mão de um deles. Lembrei da fama dos piratas da Indonésia e gelei. Gelei bonito.

Fomos abordados.

Os caras da tripulação franziram as respectivas sobrancelhas e começaram a discutir. Num mar de galan ulut bagaland katik batu galan, consegui identificar a palavra PATROL. Patrol! Patrol! Deve ser a policia (à paisana?)!

Mas isso não era uma boa notícia. Corta.

Minha empolgação antes de embarcar era tanta, que não dei muita bola quando o dono do centro de mergulho de Labuan Bajo, na ilha de Flores, sugeriu que começássemos a viagem mesmo sem pagar a taxa do parque nacional de Komodo – o sujeito tinha saído para dar uma voltinha quando passamos pelo guichê. “Mas a polícia não pode aparecer?”. “Pode”. “E dá pra comprar a entrada uma vez em alto mar?”. “Não, eles podem apreender o barco”. Entreguei pra deus.

Enquanto já imaginava os meus dias de sonho indo por água abaixo, os rapazes da tripulação tentavam argumentar. Mas os policiais mal encarados, e armados, não diziam uma palavra. Foi então que o capitão do barco fez a sua intervenção genial.

Sob um calor que roçava os 40 graus, abriu uma geladeirinha e tirou de lá três latas de Coca-Cola fumegando de geladas, uma para cada policial. Bastou o barulhinho tsssssshhhh e os três abriam enormes sorrisos. Todos caíram na gargalhada e alguns galan ulut bagaland katik batu depois, ganhamos o aval para seguir viagem. E eles ainda disseram “sorry”.

SEMPRE COCA-COLA!

Mais Komodo aqui no blog:


Cara a cara com o dragão de Komodo

Cara a cara com o dragão de Komodo, parte 2

Siga este blog no Twitter: @drisetti

Continua após a publicidade
Publicidade