Muro Ocidental (Muro das Lamentações)

Endereço: Praça do Muro Ocidental - Traçar rota

Guia Quatro Rodas: starsstarsstarsstarsstarsSem classificação

O Muro Ocidental, também conhecido como Muro das Lamentações, é o local mais sagrado do mundo judaico e é a única porção sobrevivente do Segundo Templo. O Primeiro Templo, comissionado pelo rei Salomão, foi erguido por volta do século 10 a.C. para guardar a Arca da Aliança, que continha as tábuas originais com os dez mandamentos. Destruído pelos babilônios cerca de 500 anos mais tarde, foi quase que imediatamente reconstruído no mesmo local. Por volta do ano 20 a.C. Herodes, o Grande, patrocinou uma reforma de grande escala, tornando o templo ainda maior e majestoso, com grandes muralhas que formavam a base para o edifício principal.

Quando por volta do ano 66 de nossa era ocorreu a primeira grande revolta judaica contra a ocupação romana, a resposta foi rápida. Jerusalém foi re-ocupada pelas legiões de Tito em 70 d.C., destruindo totalmente o Templo de Herodes. Os escombros da violenta ação ainda hoje podem ser vistas, mas o Muro Ocidental é a única parte que permaneceu de pé.

Apesar desse trecho do grande templo também ser conhecido como Muro das Lamentações, já que muitos fiéis aqui reúnem-se para lamentar a perda do edifício sagrado, o ambiente é pacífico e todos são bem-vindos para aqui orar e deixar o tradicional pedido escrito em papéis entre as frestas das rochas que a formam. Aos homens é solicitado cobrir a cabeça (quipás de papel são oferecidos) e  às mulheres que cubram ombros e pernas. A atmosfera calma só é quebrada pelas cerimônias de bar e bat mitzvá, sempre alegres e festivas, uma cena encantadora de se presenciar.

Para se ter uma ideia da dimensão original da muralha, visite os túneis, pelo acesso ao norte.

Sobre o estabelecimento

Horário de funcionamento

O muro está permanentemente aberto

Estacionamento

Sem estacionamento

Mapa

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.