Marrocos

Site: http://www.maroc.ma/PortailInst/An/

Capital: Rabat

População: 32.273.000 hab

Fuso horário: 3h (horário de Brasília)

Código de área: 212

Localização: África

Seja pela telenovela O Clone ou pelo filme Casablanca, o Marrocos ficou equivocadamente conhecido. Há muito mais contrastes e exotismo do que na ficção neste país de maioria muçulmana que é um reino desde 1957, um ano depois de libertar-se do domínio francês – o turista pode se comunicar no idioma de Catherine Deneuve ou em árabe, a língua oficial. Banhado por 2 800 quilômetros do Oceano Atlântico e por 530 quilômetros do Mar Mediterrâneo, o Marrocos ainda possui uma grande região montanhosa, com um sétimo do país a mais de 2 000 metros acima do nível do mar. Localizado no Magrebe, no noroeste do continente africano, faz fronteira com a Argélia e a Mauritânia. Ao norte, uma viagem de ferry boat cruzando o Estreito de Gibraltar deixa o visitante, cerca de 60 minutos depois, no sul da Espanha. O sol inclemente e a poeira do deserto do Saara contrastam com o farto colorido de suas medinas, como são conhecidos os antigos centros cercados de muralhas e forrados de comerciantes de todos os tipos. Rabat, a capital do país, não tem um turismo tão aquecido quanto Marrakesh, a cidade mais famosa e badalada do Marrocos com seus hotéis, spas e resorts de luxo. Tânger, Fez, Casablanca e Essaouira são outros destinos igualmente procurados pelos turistas, seja por suas praias encantadoras ou por seu comércio atraente e barato.

O país é razoavelmente seguro para o turista, mas existe uma grande insistência por parte dos mercadores, que tentam lhe empurrar todo tipo de badulaque. Mulheres também podem viajar sozinhas sem problemas, desde que tomem algumas precauções, como não andar em locais ermos.

Um dos grandes baratos do Marrocos é sua variada e rica cozinha. A confluência de pratos e ingredientes vindos dos povos nômades do deserto, de mediterrâneos, árabes e franceses criou uma identidade gastronômica única. As refeições vêm perfumadas com toques de açafrão, limões em conserva e hortelã – além de muitos outros condimentos, sempre envolvendo clássicos como o cuscuz e tajines variados.

Belas mesquitas, grandes paisagens, uma cultura singular e grandes pratos, o Marrocos é uma viagem que certamente atende aos sonhos daqueles que buscam o exótico.

COMO CHEGAR

Não há voos diretos entre o Brasil e o Marrocos. As alternativas mais fáceis para se chegar ao país é ir primeiro a um país europeu e dali fazer uma conexão para cidades como Rabat, Marrakesh ou Fez. Via marítima, a opção é pegar os ferries que saem de Algeciras, no sul da Espanha, e vão para Ceuta (saídas a cada hora; a viagem dura 40 min) e Tânger (saída a cada 90 minutos; 2h).

COMO CIRCULAR

A melhor forma de circular pelo país é através de trens, razoavelmente pontuais, práticos e baratos. A pequena malha liga as principais cidades do país. Outras opções são excursões organizadas ou confortáveis ônibus de luxo, que também possuem preços bem razoáveis.

ONDE COMER

Uma das melhores experiências para o turista no Marrocos é sua rica cozinha. Influenciada por povos árabes, bérberes, ibéricos e franceses, entre tantos outros, tirou proveito de ingredientes tipicamente mediterrâneos para criar algo com características refinadas e próprias. Seus mais emblemáticos representantes são o cuscuz de semolina, acompanhado por vegetais cozidos, e os tajines, cozidos feitos em uma panela de barro. Carnes como as de cordeiro e frango são temperados com mel, frutas cítricas, açafrão e pimentas, formando um prato pujante, tenro e perfumado.

Você pode escolher desde um restaurante requintado, comandado por um chef estrelado, a experimentar a comida de rua. Um dos exemplos mais clássicos é a feira noturna da praça Jeema El-Fna, em Marrakesh, com dezenas de barracas, oferecendo muitas variações de uma mesma receita básica.

SUGESTÕES DE ROTEIRO

1 semana – Começando em Fez (2 noites), conheça suas medinas e visite os tanques de tingimento. Passe rapidamente por Meknes (70 km) e as ruínas romanas de Volubilis para então seguir para Rabat (140 km, 1 noite), antes de chegar a Casablanca (92 km, 1 noite). Esta é provavelmente a mais conhecida cidade marroquina (culpa de Humphrey Bogart e Ingrid Bergman, é claro), moderna e dinâmica, mas reserve o grosso de seu tempo em Marrakesh (240 km, 3 noites). Aqui o turista encontrará muitas mesquitas, palácios e charmosos mercados.

2 semanas – Se em uma semana o viajante já tem uma boa impressão dos principais destinos do país, uma quinzena é o tempo ideal para aprofundar-se na cultura local e conhecer com mais calma outros destinos. Usando Marrakesh como base, não deixe de visitar a cidade litorânea de Essaouira (180 km a oeste, 2 noites) e o vale Todgha (170 km a leste, 1 noite), passando na cidade fortificada de Aït Benhaddou no caminho. Não muito longe daqui fica Merzouga, onde é possível sentir o gostinho da vida nômade dos tuaregues, andando de camelo ou fazendo um safári pelas dunas do deserto do Saara. Ao norte, vale conhecer Tânger

Informações ao viajante

Línguas: Árabe,dialetos berberes e francês
Moeda: Dirham marroquino
Visto: Não é necessário

Embaixada oficial no Brasil:
SEN-Avenida das Nações, Quadra 801, Lote 2, Asa Norte - Brasilia/DF
(61) 3226-2288
http://www.embmarrocos.org.br

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s