Um destino fora do tradicional em Portugal: Berlengas

Nós brasileiros podemos nos gabar por ter praias lindas: areia branquinha, vegetação tropical e mar limpo (na maioria das vezes). Afinal, quem nunca torceu o nariz para aquelas praias de pedregulhos que não dá nem para deitar e tomar sol?

Por isso, sempre que me dizem que tal praia em Portugal é imperdível, fico com um pé atrás – “Mas é bonita mesmo? Tem certeza?”

"Não é photoshop?"

“Não é photoshop?” (foto: Renata Hirota)

O mesmo aconteceu antes de ir para Berlengas. Primeiro, bateu aquela preguicinha – pegar o primeiro trem quando o metrô abrir, às 6h30 da mahã, para estar na rodoviária às 7h30, pegar o ônibus de Lisboa a Peniche e só depois disso subir no barco que nos levaria ao arquipélago de Berlengas.

E também havia certo receio – a partir da metade de setembro, os principais barcos que fazem a travessia entre Peniche e Berlengas não operam porque supostamente as condições do mar não são ideais para a viagem. O que eu e minhas amigas pegamos era um barco menor, de uma das únicas empresas que ainda faziam o trajeto. Um pouco #medo, vai? E, pra piorar, até dois dias antes a previsão do tempo dizia que ia chover…

Mas o sol apareceu, fez um calor fora do comum para a época do ano, e a viagem definitivamente compensou! Chegando lá, nos deparamos com uma paisagem de tirar o fôlego: colinas rochosas, um farol, um forte e uma praia com areia lisinha e águas cristalinas, daquelas que dá para ver o fundo do mar mesmo onde não dá pé.

Um caminho bem marcado leva da praia ao topo da ilha, onde fica o farol, e de onde dá para ver as melhores paisagens

Um caminho bem marcado leva da praia ao topo da ilha, onde fica o farol, e de onde dá para ver as melhores paisagens (foto: Renata Hirota)

O arquipélago é formado por três ilhas – Berlenga Grande, Estelas e Farilhões – e é considerado a primeira reserva natural de Portugal: em 1465, o rei Afonso V proibiu a prática de caça na ilha principal.

Hoje, o local tem dois restaurantes (que estavam fechados por não ser alta temporada) e pouco mais. Por isso, na dúvida, é sempre recomendável levar um lanchinho para passar o dia.

O mar parece mais uma piscina de tão calmo; dá para ver peixes nadando até perto da praia

O mar parece uma piscina de tão calmo; dá para ver peixes nadando até perto da praia (foto: Caroline Monteiro)

A faixa de areia da praia é minúscula, mas com o paredão da colina atrás, também dá aquela sensação de estar num cantinho privado, longe da badalação de outros lugares. E, apesar de gelada, a água é bem calma e, como disse antes, completamente transparente: ideal para mergulhar e fazer passeios a bordo de lanchas com piso transparente para ver as cavernas e formações rochosas ao longo da costa.

Dá para dar a volta pela ilha em menos de uma hora, passando pelo farol e parando no mirante lá em cima para contemplar a paisagem (e tirar algumas fotos). Depois, é só descer e curtir a praia – só cuidado com as gaivotas (elas dominam a ilha!), que às vezes podem tentar roubar sua comida.

"Eu mando aqui."

“Eu mando aqui.” (foto: Renata Hirota)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s