Passar o réveillon em Nova York será a maior roubada da sua vida

Opinião - Rosana Hermann passou a noite de Ano Novo em Nova York e garante: a muvuca não vale a pena

Quando o assunto é Réveillon, não basta ter um destino na cabeça. É preciso planejamento, bom senso e pesquisa

Até o som era bonito: Réveillon em Nova York. Eu já tinha visto reportagens na TV, com aquela bola descendo à meia-noite na Times Square, coisa de cinema. E assim meu marido, meu filho, minha filha e eu, que há 20 anos passamos sempre o final do ano numa praia do Litoral Norte de São Paulo, decidimos celebrar a chegada de 2009 na neve de Manhattan. Com uma ideia na cabeça e várias malas em cada mão, embarcamos rumo a uma das maiores roubadas de nossa história familiar.

O hotel não era ruim, mas bom também não era. Pelo menos a localização era ok, perto da Times Square, perfeita para fazer tudo a pé. Afinal, Nova York é para andar, certo? Errado, pelo menos nessa época do ano, porque, para andar, é preciso ter chão, e chão não havia. Explico.

Pense numa multidão de 100 mil caminhando de forma contínua, no frio, com neve. Você levanta um pé e fica como um saci congelado, porque não tem mais espaço para colocar a sola da bota de volta.

Tem fila pra entrar em restaurante, lanchonete, lojas. E pra fazer xixi? A fila para pegar a balsa para Ellis Island tinha uma demora de seis ho-ras. Museus? Lotados.

E ainda tinha os detalhes que eu só descobri lá: nos últimos dias do ano, a diária do hotel do-bra. No 31, as pessoas chegam cedo à Times Square pra guardar lugar. E porque não dá pra sair de lá até a meia-noite, muita gente vai de fraldão! A tal bola? MUITO pequena. Celebração? Nenhuma. Não tem cantoria, champanhe. Nada.

+ Virada do ano em Nova York é muito mais que a contagem regressiva na Times Square

Com todo mundo infeliz, resolvemos cancelar a festa em plena tarde de 31 de dezembro e voltar para casa. Por telefone, antecipei as passagens. Arrumamos as coisas e fomos para o aeroporto. Quando deu meia-noite, botamos óculos com moldura brilhante de 2009, uma comissária trouxe 5 mililitros de algo que tinha bolinhas, celebramos e aprendemos a lição: viagem boa é resultado de planejamento e pesquisa, não de meros desejos da cabeça da gente.

Rosana-Hermann
Rosana Hermann já decidiu: vai passar o Réveillon no Litoral Norte de São Paulo (foto: arquivo pessoal)

Texto publicado na edição 241 da revista Viagem e Turismo (novembro/2015)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s