Mais que uma prainha bonita

Santa Catarina tem, em Florianópolis, uma capital agora sofisticada que pode até dar as costas para o mar e cidades como Garopaba e Balneário Camboriú

MAGIA NA ILHA

Novos restaurantes, uma sala de concerto e gente que já não liga para ostentação mudam a cara de Floripa – para melhor

Houve um tempo em que fazer turismo em Florianópolis se limitava a ir à praia e depois encarar uma sequência de camarão num restaurante com atendimento deficiente e banheiro indescritível. Depois veio a fase Beverly Hills, quando a cidade passou a ser frequentada por milionários – ou bi – com seus carrões importados e suas festas regadas a champanhes com preços de quatro dígitos. Recentemente, contudo, a capital catarinense parece encontrar entre esses dois extremos uma nova e simpática personalidade: sofisticada mas sem afetação.

Uma das causas da mudança é o fato de a capital do novamente melhor estado no Prêmio VT ter se transformado em reduto de gente de bom poder aquisitivo – empresários, executivos, profissionais liberais e artistas (leia nesta reportagem o que três escritores que adotaram Florianópolis têm a dizer a quem visita a cidade) – que decidiu trocar os grandes centros por um lugar mais tranquilo para viver. Esse contato dos “forasteiros” com a cultura local é um fenômeno recente, pois a relação costumava se limitar à temporada de verão, período de exploração mútua – os turistas a aproveitar as belezas da ilha, e os nativos, o dinheiro dos turistas.

Muitos dos novos moradores se tornaram clientes e às vezes proprietários de empreendimentos bacanas da cidade. Como no caso do Uai di Minas, um armazém mineiro no Porto da Lagoa, fundado pelo casal Carlos Moreira, de 34 anos, e Teresa Siqueira, de 32, ambos de Patos de Minas (MG). O negócio só existe porque, assim que chegaram a Florianópolis, há três anos, nenhum dos dois conseguiu trabalho em suas áreas – ele é formado em turismo, e ela, em artes plásticas. “Decidimos então fazer pão de queijo com uma receita ensinada por minha mãe e sair vendendo”, conta Carlos.

A ideia deu tão certo que a sede inicial, com 20 metros quadrados, teve de ser trocada por outra, sete vezes maior, onde agora serve não apenas pão de queijo como também um bufê de pratos mineiros e 65 tipos de cachaça. Um novo capítulo dessa história foi escrito há quatro meses, com o nascimento de Alice, a primeira filha do casal, chamada pelos pais de “maneirinha” – mistura de mineira com “manezinha”, o apelido dos nativos da ilha.

No campo cultural, onde Florianópolis sempre ficou cabeças atrás das outras capitais do Sul, uma das novidades é o Auditório Jurerê Classic, inaugurado, em junho, em Jurerê Internacional, por iniciativa do italiano Piero Giacomini, de 75 anos. Ex-empresário do setor bioquímico, ele decidiu, ao ficar viúvo, trocar sua empresa por qualidade de vida – e foi morar, em suas palavras, no “lugar do mundo que mais me encantou”. “Eu poderia ter ido para qualquer lugar, mas escolhi Florianópolis pela combinação de alegria, qualidade de vida, clima agradável e beleza natural”, diz. O auditório, para 155 pessoas, foi montado na garagem de sua casa, mas tem qualidade acústica de sala de concerto. Ele custou R$ 700 000, e a programação é de música de câmara e jazz. São três concertos, em média, por mês. Há novidades também nas artes plásticas. Da velha produção naïf, agora a cidade já exibe uma geração de artistas em sintonia com as tendências contemporâneas como o grafite. A casa desses novos artistas, como Pedro Teixeira, é a Cor Galeria, na Lagoa. No campo da gastronomia, a boa-nova é que o chef da hora na cidade é tão manezinho quando Guga Kuerten. Vitor Gomes – duas vezes chef do ano para a VEJA SANTA CATARINA – cresceu vendendo sanduíches na praia, cursou gastronomia na França e estagiou no paulistano D.O.M. Seu Café Riso & Etc., no centro, valoriza os ingredientes típicos e lhes dá roupagem mais contemporânea. Perto de seu restaurante estão outros estabelecimentos bacanas, como o boteco à paulista Cervejaria Original, a balada Jivago Lounge e os já tradicionais Botequim Floripa e Emporium Bocaiuva.

Assim como São Paulo, Salvador e Rio, Florianópolis vem se consolidando também como destino LGBT. Muitas das opções de hospedagem mais charmosas da cidade anunciam sua condição gay friendly. “Ser claro quanto a isso inibe eventuais manifestações de preconceito. Queremos que todos se sintam bem”, diz Talmir Duarte, um dos proprietários da Pousada Natur, no Campeche. Cada um dos 21 quartos tem decoração inspirada em um lugar do mundo, resultado das viagens realizadas por Talmir e pelo companheiro e sócio João Sernaglia.

Curiosa é a pousada Isadora Duncan, conhecido como “o hotel de um quarto só”, que fica na cobertura do bistrô de mesmo nome. Com uma banheira de hidro com bela vista para a Lagoa da Conceição, o quarto pode ser reservado por casais – de qualquer gênero – a R$ 800 a diária, incluídos no valor o café da manhã e um jantar. Os proprietários, o gaúcho Amauri Dornelles e o paulistano Edmilson Laurindo, o Greg, se inspiraram no Hotel Everland, de Paris, que fica sobre o Palais de Tóquio. “Acho que, com um visual desses, não há noite que não se torne inesquecível”, diz Amauri.

Dentro do espírito de valorizar as boas – e mais sofisticadas – coisas da vida, Florianópolis vê também surgirem musas com mais conteúdo que curvas. Como a chef e apresentadora de TV Heaven Delhaye, de 26 anos, nascida em Petrópolis, que chegou à ilha ainda criança. Seus pais, o português José Alexandre e a francesa Marie, ambos professores de inglês, fundaram um restaurante que marcou época, o Bistrô Le Bon Vivant. “Florianópolis é um lugar para quem gosta das coisas importantes da vida, como a família e a natureza”, diz Heaven com seu sotaque de americano da piada – ela foi alfabetizada em inglês pelos pais –, mais estranho que o dos próprios manezinhos. O nome de seu programa, o Heaven’s Kitchen, exibido na Record News, faz clara referência ao programa Hell’s Kitchen, do temido chef britânico Gordon Ramsey. Mas Heaven tem um estilo simpático que lembra muito mais o da apresentadora Nigella Lawson.

Eu já ia encerrando esta reportagem sem fazer menção às belas praias da cidade. É que Florianópolis vive um momento tão Leblon que a gente quase se esquece do Atlântico ali. A temporada deverá assistir a mais um “confronto” entre a Mole e o Riozinho do Campeche pelo título de reduto das musas e dos saradões, enquanto Jurerê Internacional e a Brava disputarão de novo os ricos e famosos. Com crianças, Lagoinha e Daniela são ótimas pedidas pela calmaria de suas águas, enquanto a Lagoinha do Leste é o paraíso dos aventureiros – chegar ali exige uma hora de trilha. Se a ideia é voltar para casa se gabando de ter conhecido lugares pouco frequentados, Solidão e Naufragados são os nomes. A nota triste é Armação, que perdeu parte do encanto ao receber um muro de contenção para proteger as casas das ressacas que se tornaram habituais no local.

Estrela de novela

De estrela turística do Brasil a estrela de novela. Em janeiro deve estrear Insensato Coração, a próxima novela das 8 (ou das 9) da Globo, que irá se passar em Florianópolis. Escrita por Gilberto Braga e Ricardo Linhares, já está em produção. “Floripa é linda e diversificada”, disse Linhares à VT. Pedro, o vilão da história – que é quem importa nas obras de Braga –, será vivido por Fábio Assunção. Vários postais da cidade irão à telinha, como a Avenida Beira-Mar, a Lagoa, a Ponte Hercílio Luz e as praias Mole, Sambaqui e da Joaquina. “Floripa me lembra um pouco o Rio da minha infância. Tem bom astral”, diz Gilberto Braga. A ilha já foi mostrada nas novelas Três Irmãs, em 2008, Como uma Onda, em 2004, e Vira-lata, em 1996.

DO LADO DE CÁ

Duas estrelas do continente: Balneário, com suas baladas e seus restaurantes, e Garopaba, entre surfistas e baleias

Com expectativa de receber mais de 1 milhão de visitantes durante o verão, Balneário Camboriú irá para sempre ser associada a um turismo de massa, a uma espécie de Porto Seguro catarinense. Quem passeia pelos 6 quilômetros da Avenida Atlântica em um sábado ensolarado de janeiro encontra uma verdadeira Passarela do Álcool sulina, com o vaivém dos banhistas, o zunzunzum dos ambulantes e a superlotação dos restaurantes com mesas na calçada.

Mas a massa trouxe a grana e, com ela, começaram a surgir estabelecimentos mais sofisticados (alguém leu sobre isso em Florianópolis?). Como o Taj, misto de restaurante e balada. Inaugurada em julho, a casa para 350 pessoas tem decoração à indiana e cozinha que combina Índia com Tailândia. E que, desde já, figura como destino “de paquera”, só mais um dos destinos de paquera de Balneário, seguindo os passos do Taj original, em Curitiba.

Pode-se dizer que a diversidade gastronômica da cidade é, carregando um pouco no molho, quase paulistana. Há casas de cozinha gaúcha, contemporânea, australiana, de pescados e agora também um estabelecimento estrelado pelo GUIA BRASIL 2011, o L’Assiette, do chef gaúcho Marconi Righi. Pato, cordeiro, frutos do mar e um lombo de bacalhau servido com tentáculo de polvo e purê de grão-de-bico são destaques. Também é possível provar a chamada baixa gastronomia (ou, em bom português, comida de boteco) no Bom Sucesso, empreendimento desses à paulista, pé limpo, com música ao vivo. Vale ainda citar o recém-inaugurado Number Seven, de comida fusion, cujo cardápio tem tudo em “sete”: sete entradas, sete pescados, sete carnes, sete sobremesas. “O desafio aqui é fazer comida para a alma, e não apenas para o corpo”, diz o cabalístico chef Denis Ceratti.

Durante o verão, muitos restaurantes funcionam madrugada adentro para aproveitar o invejável movimento. Somadas as atrações de Balneário e da vizinha Praia Brava, em Itajaí, tem-se um panorama de uma das noites mais selvagens ao sul do Trópico de Capricórnio. A cada temporada, novas opções de balada – como a recém-inaugurada Baruk, especializada em sertanejo universitário – se juntam às casas mais tradicionais da cidade, como o Djunn Music Place e a Expresso Choperia. Mas é só a aurora aparecer para começar um interessante revezamento de tribos que é bem a cara de Balneário. Saem os baladeiros, entram surfistas, famílias com crianças e aposentados, muitos aposentados mesmo, que escolheram a cidade para passar o verão e acabaram ficando em definitivo. Não, acredito, por causa das virtudes boêmias de Balneário Camboriú.

A cidade tem ainda um shopping com cinco salas de cinema e uma marina para 500 barcos (na qual há outros três restaurantes de especialidades diferentes). E o melhor hotel de Balneário, o Resort Recanto das Águas, pode agora se orgulhar de algo além de sua praia quase privativa, da piscina térmica de 25 metros e da grande área de lazer. Seu spa foi eleito neste Prêmio VT como o segundo melhor do país, atrás apenas do 7 Voltas.

SANTINHO FORTE

Um dos melhores resorts do país

Como aquela seleção de futebol badalada, o Costão do Santinho Resort (Estrada Vereador Onildo Lemos, 2505, 3261-1000, www.costão.com.br; diárias desde R$ 820; Cc: A, D, M, V; Cd: M, R, V; permanência mínima de três noites entre janeiro e julho) disputou o hexa em 2010. O hexa do Prêmio VT. E não teve difi culdades, ao contrário daquele time lá, de confirmar seu favoritismo na categoria melhor resort de praia do Brasil. Recebeu mais que o dobro dos votos do segundo colocado, o Beach Park Suíte Resorts, de Aquiraz (CE). Desde 2005 o Costão vence consecutivamente o Prêmio VT. E, em um momento em que os resorts do Nordeste se mexem – haja vista o novo kid’s club da Costa do Sauipe e o surgimento do gigantão Fiesta Imbassaí –, a ausência de notícias no Costão parece ser a sua melhor notícia. A última “aquisição” de peso do resort catarinense foi a construção de uma sala de convenções para 3 mil pessoas que abrigou, no ano passado, o Fórum do World Travel & Tourism Council (WTTC), o mais importante encontro mundial do turismo, realizado ali com a presença do presidente Lula. No mais, o Costão vai para seu 200 verão com a mesma estrutura gigantesca – 695 apartamentos, dez piscinas, quatro restaurantes e um spa muito equipado, que ganhou, aliás, o segundo lugar na categoria melhor spa no Prêmio VT deste ano, atrás apenas do 7 Voltas. No spa, o “ritual” best-seller é um banho aromático em banheira com jatos de diferentes intensidades (20 minutos de duração; R$ 65), seguido de massagem aromática com óleos vegetais (50 minutos; R$ 95). Depois disso, dá para pensar em encarar as trilhas pela Praia do Santinho, a tirolesa, um joguinho no campo de golfe de nove buracos…

Leia mais:

Mais que uma prainha bonita – Lagoa da Conceição, meu lugar no mundo

Mais que uma prainha bonita – Floripa, não, Florianópolis

Mais que uma prainha bonita – Por uma cidade sem carro

Mais que uma prainha bonita – Onde é melhor

Mais que uma prainha bonita – O essencial

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s