Diva dos dedais

Coleção de dedais: depois de muito meditar, ela descobriu que o suvenir ideal era o dedal

Mariana Conrado dos Reis

Profissão: Tradutora

De onde é: Santo André, SP

Passaporte: 25 países

A coleção

Guardo mais de 60 dedais de costura de pelo menos 15 países em uma estante na sala de casa, com um post-it de alerta: “Não chegue perto”. Morro de ciúme deles.

O começo de tudo

Quando fui mochilar na Europa, em 1996, fiquei com vontade de trazer uma lembrança de cada lugar. Mas eu estava sem grana e não tinha espaço na mochila. Foi só entrar em uma lojinha da Torre de Londres e dar de cara com um dedal de cerâmica que pensei: “Why not?” Daquela viagem eu trouxe uns dez.

Os favoritos

É o que tem o formato de livrinho, que eu trouxe de Oxford, na Inglaterra. E também um outro, de casinhas vitorianas, que eu comprei em San Francisco, na Califórnia. Uma vez em Buenos Aires, encontrei um dedal bacana, com o desenho de um casal dançando tango. A dona da loja me deu de brinde um de metal achando que eu costurava.

Mas você não costura?

Não prego nem botão.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s