As melhores cidades serranas de São Paulo e do Rio de Janeiro

Lindas paisagens, clima ameno, boa gastronomia e muita natureza: veja os destinos de serra mais imperdíveis na Serra da Mantiqueira e no Vale do Paraíba

Basta a temperatura derrubar os termômetros para a gente querer fugir para algum destino serrano e curtir aquele friozinho gostoso.

Entre São Paulo e Rio de Janeiro, a Serra da Mantiqueira e o Vale do Paraíba guardam diversas cidadezinhas charmosas, que são o cenário ideal para dias de descanso em meio à natureza.

Descubra a seguir quais delas combinam mais com você:

Cidades de serra no estado de São Paulo

1. Campos do Jordão

No calçadão da Baden, em Campos do Jordão, o PIB per capita é o termômetro da badalação

O calçadão da cervejaria Baden Baden, um dos points em Campos do Jordão

Não tem jeito: Campos do Jordão é o endereço oficial dos paulistanos na serra, que lotam o lugar durante os meses de inverno. Boa parte dos turistas está ali para circular pelo centrinho de Capivari, um punhado de ruas com arquitetura alpina, restaurantes de fondue, lojas de marca e a tradicionalíssima cervejaria Baden Baden.

Emoldurada pela Mantiqueira, a cidade é também um excelente destino para curtir a natureza e até fazer esportes de aventura. Centros de lazer como Tarundu e Aventura no Rancho, por exemplo, oferecem atividades como tirolesa, arvorismo, passeio a cavalo, entre outros.

O Horto Florestal é também uma boa opção para trilhas, enquanto o Amantikir guarda 22 jardins típicos de vários países.

  • Distância de SP -> 194 km
  • Como chegar -> saindo de SP, uma opção é seguir pela Ayrton Senna/Carvalho Pinto (SP-070) e, depois, pegar o acesso para a Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro (SP-123).

2. Cunha

Por do sol no Lavandário, campo de lavandas de Cunha (SP)

Por do sol no Lavandário, campo de lavandas de Cunha (Divulgação)

É muito provável que você tenha visto recentemente no Instagram alguém posando em meio ao Lavandário (e não, não era na Provence). O campo florido de tons lilás caiu recentemente no gosto dos turistas e virou cartão-postal dessa pequena cidade encravada entre as serras da Bocaina e do Mar, na divisa do Rio com São Paulo.

Ao contrário de outras cidades serranas, as principais atrações de Cunha, como restaurantes e as famosas lojas de cerâmica noborigama, não se concentram em um centrinho, mas sim ao longo da bela estrada Cunha-Paraty.

Para os mais aventureiros, há boas opções de trilhas pelo Parque Estadual da Serra do Mar, com direito a cachoeiras, rios e muita mata nativa. Ponto mais cobiçado, a Pedra da Macela, a 1.840 metros de altitude, pode ser vencido após uma caminhada de 2km por trechos íngremes, mas recompensa com a vista que chega alcançar o litoral de Angra dos Reis.

  • Distância de SP -> 241 km
  • Como chegar -> de SP, vá pela Dutra (SP-060) até Guaratinguetá, pegando a saída para a Rodovia Paulo Virgínio (SP-171), que se coliga com a estrada Cunha-Paraty.

3. Santo Antônio do Pinhal

Igreja Matriz de Santo Antônio do Pinhal

A Igreja Matriz de Santo Antônio do Pinhal (Naíma Saleh /Dedoc Abril)

Para quem quer todo o aconchego da serra, mas também deseja curtir o clima caipira do interior paulista, essa é a escapada ideal. A apenas 30km de distância de Campos de Jordão, Santo Antônio do Pinhal é uma verdadeira antítese da vizinha badalada.

Por ali, lugares cobiçados são A Bodega, uma cachaçaria artesanal, e a Elisland, sorveteria que produz seus gelatos com leite vindo de uma fazenda próxima.

Cercada por muito verde, não faltam passeios para se embrenhar pela natureza, como a Cachoeira do Lageado, alcançada por uma trilha fácil. Do Pico Agudo, os corajosos saltam a 1.700m de altura de parapente e asa-delta.

A cidade ainda acolhe um interessante circuito de artes, com vários ateliês especializados em móveis com madeira de demolição, cerâmica e design.

  • Distância de SP -> 179 km
  • Como chegar -> Na saída de SP, a viagem começa pela Rodovia Ayrton Senna (SP-070). Na altura de Taubaté, entre na Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro (SP-123). Após o túnel, mantenha-se à esquerda e pegue a Rodovia Oswaldo Barbosa Guisardi (SP-46).

4. São Bento do Sapucaí

Pôr-do-Sol visto da Pedra do Baú em São Bento de Sapucaí, São Paulo

Pôr-do-Sol visto da Pedra do Baú em São Bento de Sapucaí, São Paulo (Klaus Balzano/Sua Foto)

Na tríade formada por Santo Antônio do Pinhal e Campos do Jordão, São Bento do Sapucaí seria como a “irmã caçula”. Pequenininha e muito charmosa, a cidadezinha, na divisa com Minas Gerais, está cercada de morros, cobertos por mata nativa e araucárias. Sua maior atração não tem nada de diminuta: o complexo da Pedra Baú. Até o primeiro pico, o Bauzinho, é possível subir de carro e admirar a vista da Mantiqueira.

Já o cume da Pedra Baú exige bom preparo físico – são mais de 600 degraus encravados na terra! O Bairro do Quilombo concentra diversas lojas de artesanato que privilegiam os materiais vindos da terra, como madeira, fibra de bananeira, palha de milho e cerâmicas. O ateliê do Ditinho Joana, que faz esculturas de madeiras que representam cenas do campo, é um verdadeiro ponto turístico.

  • Distância de SP -> 182 km
  • Como chegar -> É o mesmo caminho de Campos do Jordão.

5. São Francisco Xavier

O difícil acesso, a partir de São José dos campos, por uma estrada tortuosa, faz com que o distrito mantenha ares de esconderijo

O difícil acesso, a partir de São José dos Campos, por uma estrada tortuosa, faz com que o distrito de São Francisco Xavier mantenha ares de esconderijo (Adenir Britto/PMSJC/Divulgação)

Na divisa com o sul de Minas, São Francisco Xavier é quase como um esconderijo incrustado nas montanhas da Mantiqueira. Apesar de se situar no município de São José dos Campos, a estrada sinuosa dificulta o acesso. Quem chega, porém, encontra um delicioso clima rural e o sossego das montanhas, servido por pousadas aconchegantes, ateliês e restaurantes especializados em pratos com trutas e shitakes.

Tire o dia para conhecer de perto suas paisagens, como o Mirante da Pedra do Porquinho (há até uma escada para subir no rochedo), com vista 360° graus para a região. As cachoeiras são outros atrativos, como a Pedra do Davi e do Roncador (com uma impressionante queda de 45m).

  • Distância de SP -> 159 km
  • Como chegar -> Pela Ayrton Senna/Carvalho Pinto (SP-070), vá até São José dos Campos. De lá, siga pela Rodovia Monteiro Lobato (SP-050) até Monteiro Lobato e, então, vá para a SP-046.

Cidades de serra do estado do Rio de Janeiro

1. Itatiaia

Parque mais antigo do país, o Nacional do Itatiaia é dividido em duas partes, as chamadas parte alta e baixa

O Maciço das Prateleiras, formação rochosa na Parte Alta do Parque Nacional do Itatiaia (Louise Sottomaior)

Encravado entre Minas Gerais e o Rio de Janeiro e muito próximo da divisa com São Paulo, o Parque Nacional do Itatiaia é um verdadeiro refúgio para quem deseja estar imerso na natureza da Mata Atlântica. Dividido em duas áreas, a Parte Baixa é a região que concentra as poucas pousadas – todas aconchegantes, mas sem luxos.

Dali, é possível partir para trilhas fáceis que chegam até as cachoeiras como Itaporani, com uma convidativa piscina natural e Véu da Noiva, com uma queda de 40m.

Já quem segue para a Parte Alta deve estar disposto a enfrentar trekkings, como o que leva ao impressionante Maciço das Prateleiras, um aglomerado de imensas rochas no topo da montanha (cerca de 4h, ida e volta).

Outra opção é o trekking até o Pico das Agulhas Negras, com 2.791m, um dos pontos mais altos do país (cerca de 6h, ida e volta). O esforço vale a pena: a vista panorâmica é observada acima das nuvens.

  • Distância do RJ -> 179 km
  • Como chegar -> A partir do Rio, siga pela Dutra por 154km até a saída 317. Pegar o acesso em direção à entrada de Itatiaia.

2. Penedo

Penedo, Rio de Janeiro

Parque temático Casa do Papai Noel na Pequena Finlândia, em Penedo (Bia Parreiras/Dedoc)

A origem finlandesa deste pequeno vilarejo já é razão suficiente para uma visita. Em Penedo, as referências à cultura nórdica estão por todo lado, sobretudo, na Pequena Finlândia: um conjunto de lojas com prédios de arquitetura enxaimel, que vende chocolates e artesanatos típicos – ali há até a Casa do Papai Noel.

No Museu Eva Hilden é possível conhecer a história dos primeiros imigrantes que chegaram ali em 1929, enquanto no Clube Finlândia, no primeiro sábado do mês, rolam animados bailes de polca.

Nos arredores da vila, é possível visitar algumas cachoeiras, como a da Lontra e a Três Bacias, de quadriciclo ou a cavalo.

  • Distância do RJ -> 176 km
  • Como chegar -> Do Rio, siga pela Dutra no sentido São Paulo. Pegue a saída do km 311, no trevo de Penedo.

3. Petrópolis

Museu Imperial e seu jardim, Petrópolis (RJ)

O Museu Imperial, em Petrópolis (RJ), que ocupa o antigo palácio de veraneio de Dom Pedro II (ALEXANDRE PEIXOTO - FUNDAÇÃO CULTURA E TURISMO DE PETROPOLIS/ Divulgacao.)

A cidade imperial que nunca perdeu a majestade: assim é Petrópolis, que conserva ainda por suas ruas o legado de quando era sede da casa de veraneio de Dom Pedro II – o monarca desejava, assim, escapar do escaldante calor carioca.

A história ainda vive por lá, em lugares como o impressionante Museu Imperial, onde antes era o palácio da Família Real e que reúne relíquias como tronos, carruagens e joias do Segundo Reinado. Na Catedral de São Pedro de Alcântara, a imponente construção em estilo gótico guarda o Mausoléu Imperial, onde encontram-se as lápides de Dom Pedro II, Dona Teresa Cristina, Princesa Isabel e Conde d’Eu.

A antiga fábrica de 1853 da Cervejaria Bohemia é outro passeio imperdível, com atrações interativas que narram a história da bebida. Além do tour histórico, o trecho do Parque Nacional da Serra dos Órgãos tem três trilhas: Circuito das Bromélias (fácil), Cachoeira Véu da Noiva (médio) e Pedra do Açu (difícil).

Mas quem procura apenas tranquilidade em meio às montanhas também veio ao lugar certo. Petrópolis é uma das cidades serranas que mais concentra pousadas de charme e oferece uma imensa variedade de restaurantes (vários deles premiados).

  • Distância do RJ -> 72 km
  • Como chegar -> Saindo do Rio, pegue a BR-040 até o pé da serra. De lá, são mais 20km de curvas até Petrópolis.

4. Teresópolis

Formações rochosas e o pico Dedo de Deus ao fundo, no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, Estado do Rio de Janeiro, Brasil

O Pico Dedo de Deus, cartão-postal do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, em Teresópolis (RJ) (Carlos Perez Couto/Wikimedia Commons)

Enquanto a vizinha Petrópolis tem alma “imperial”, Teresópolis, pode-se dizer, tem a benção do “todo-poderoso”. Isso porque o grande cartão-postal da cidade serrana é o Pico Dedo de Deus, espigão de rochas de 1.692m de altura, encravado no Parque Nacional da Serra dos Órgãos.

Por ali, a boa é curtir as piscinas naturais e as trilhas, como a suspensa, uma ponte que corta a mata com 1,3km de extensão. Para admirar a famosa formação rochosa (e enquadrá-la na fotografia), vale a pena subir até o Mirante do Soberbo, que tem uma vista privilegiada.

Para repor as energias, a Vila St. Gallen simula uma vila germânica, onde se encontram dois restaurantes, um bistrô, uma café e uma lojinha de suvenires. Especializada na culinária russa, o restaurante Dona Irene, em funcionamento há mais de quatro décadas, serve um verdadeiro banquete dos czares.

  • Distância do RJ -> 102 km
  • Como chegar -> Do Rio, siga pela Rodovia Washington Luís (BR-040). Entrando à direita, pegue o acesso para Estrada Rio-Teresópolis (BR-116).

5. Visconde de Mauá

Cachoeira do Escorrega em Visconde de Mauá, Rio de Janeiro

Cachoeira do Escorrega em Visconde de Mauá, Rio de Janeiro

Na divisa de Minas com o Rio, esse cantinho da Mantiqueira guarda não uma, mas três vilas charmosas: Visconde de Mauá, Maringá e Maromba. Cercadas por cachoeiras, os visitantes passam os dias em trilhas pela mata que levam até as lindas quedas d’água.

Há aquelas de fácil acesso, como a Santa Clara e a Escorrega, que, como diz o nome, vira um escorregador natural até o poço de banho. Já a trilha de 1,5km do Vale do Alcantilado, em meio à mata e subidas íngremes, reserva no caminho nove cachoeiras. Mas nem só de aventuras na natureza vive a região.

O destino tem também sua faceta romântica, oferecendo várias pousadas com ofurôs na varanda, além de uma alta gastronomia, com vários restaurantes premiados. Impossível sair dali, porém, sem experimentar algumas das especialidades locais: truta e pinhão.

  • Distância do RJ -> 202 km
  • Como chegar -> Vindo do Rio, siga pela Dutra no sentido São Paulo. Entre na saída do km 311, no trevo de Penedo. São mais 30km até Visconde de Mauá.
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s