Vitória

Site: http://www.vitoria.es.gov.br

População: 325.453 hab

DDD: 27

Estado: Espírito Santo

Distância de outras cidades: Rio de Janeiro, 533 km, Belo Horizonte, 544 km, Brasília, 1279 km

A faixa litorânea de Vitória, recortada por pedras e morros, é limitada por dois importantes portos: o de Vitória e o de Tubarão. E, recentemente, a Petrobras inaugurou na cidade, na Reta da Penha, sua mais moderna sede no país. Com esse cenário, não é surpresa que o turismo de negócios predomine por lá. Mas isso não significa que outros tipos de viajantes não encontrem atrativos aqui. Passear pelo calçadão da Praia de Camburi ou pelos cafés e lojinhas da Praia do Canto são bons programas, assim como provar a culinária local e visitar a nova sede das paneleiras, no bairro de Goiabeiras.

COMO CHEGAR

Tanto saindo do Rio de Janeiro, no Sul, quanto da Bahia, no Norte, o caminho para Vitória é pela BR-101. Quem sai de Minas Gerais deve percorrer a perigosa e sinuosa BR-262.

COMO CIRCULAR

Vitória tem três núcleos principais: o Centro (Cidade Alta), onde se concentram as atrações históricas da cidade. A 7 km dali fica o bairro mais chique da capital capixaba, a Praia do Canto, que concentra hotéis, restaurantes e lojas. Por último, a Praia de Camburi é a mais famosa e movimentada da cidade – também com alta concentração de restaurantes e hotéis.

COMPRAS

Panelas de barro Dizem os capixabas que panela de barro autêntica, pra dar boa moqueca, precisa ter sido feita pelas paneleiras de Goiabeiras. A fabricação, herança indígena, depende da argila retirada do Vale do Mulembá, próximo a Vitória. O barro é modelado e deve ficar dias secando. A peça então é lixada e queimada na fogueira, momento em que recebe o tanino – tinta retirada da casca da árvore do mangue vermelho, que confere a típica cor escura. Inaugurada no fim de 2011, a sede das paneleiras (R. Leopoldo Gomes Sales, 3327-0519, 2ª/sáb 8h/18h30) fica em um galpão bem estruturado próximo ao mangue que garante o tanino às artesãs. É possível ver o trabalho delas, desde o molde do barro até a queima das peças, que custam a partir de R$ 15. Algumas paneleiras também trabalham em casa, quase sempre nos bairros de Goiabeiras e República – caso de Dona Conceição (R. José Alves, 111 – ao lado da faculdade Univix, 3327-1478; 2ª/sáb 8h/18h), de 82 anos, que também vende suas panelas a partir de R$ 15.

COMIDA TÍPICA

Torta capixaba A receita é tradicionalmente servida na Semana Santa, mas é possível prová-la durante todo o ano. Cada um dos ingredientes – peixe fresco (geralmente badejo), bacalhau, caranguejo, camarão seco, siri, lagosta e marisco – é refogado separadamente. Só quando já estão cozidos os pescados ganham a companhia de palmito e vão para a panela de barro. Depois de coberta, com claras de ovos, a mistura é assada até ficar com uma casquinha dourada por cima. Como o preparo é demorado, ligue antes para saber se o restaurante tem o prato disponível ou se ele precisa ser encomendado. Onde comer: Pirão, Papaguth e São Pedro.

FIQUE DE OLHO

Em fevereiro ocorre a Feira Internacional do Mármore e Granito e os hotéis costumam ficar lotados. Reserve com antecedência.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s