Orlando

Site: http://www.visitorlando.com

População: 238.000 hab

Fuso horário: -1h (horário de Brasília)

Distância de outras cidades: Tampa 137 km, Miami 373 km, Fort Louderdale 336 km, Daytona 85 km, Key West 597 km

A história recente de Orlando tem um quê de conto de fadas: um rei, interessado em expandir seus domínios, enxergou potencial numa área pantanosa e inexplorada. O rei, no caso, era Walter Elias Disney e o reino pretendido, um pedaço pouco conhecido da Flórida. Usando nomes de empresas fictícias, Mister Disney arrematava os terrenos alagados em Orlando por preços baixíssimos. Ali, ele pretendia erguer o mais ambicioso de seus projetos, o maior centro de diversões da costa leste americana. Deu certo – e a ideia acabou atraindo outros megaempreendimentos.

Hoje, a cidade conta com sete dos 20 maiores parques temáticos do mundo; recebe mais de 51 milhões de visitantes anualmente (47,7 milhões de americanos e 3,6 milhões de estrangeiros) e é o destino mais visitado por brasileiros nos Estados Unidos. A população da grande Orlando, formada pelos condados de Orange, Osceola e Seminole, está na faixa de 1,8 milhão de habitantes, muitos deles imigrantes.

SUGESTÃO DE ROTEIROS

Para quem vem a Orlando pela primeira vez, é um pouco difícil recomendar quais parques e por quanto tempo ficar em cada grande atração. Contundo, se tempo nem dinheiro são problemas, o ideal é investir ao menos quatro dias nos parques da Disney, dois dias no Universal Resort, um dia no SeaWorld e mais um dia livre para compras. Além disso, o Kennedy Space Center, em Cabo Canaveral, fica pertinho daqui e é um bom passeio para os fãs de viagens ao espaço.

Se precisar espremer seu tour em uma semana, a programação dependerá da idade da turma. Crianças pequenas adorarão o Magic Kingdom, o Animal Kingdom e o Universal Studios, enquanto adolescentes e adultos preferirão o Islands of Adventure e o Hollywood Studios.

Outra coisa a levar em conta é o volume de visitantes nos parques, o que tornará a viagem mais proveitosa (ou não). Apesar dos resorts estarem cheios em boa parte do ano, há dois períodos em que a situação fica penosa. De maio a agosto, no alto do verão norte-americano, e no período entre o Dia de Ação de Graças (final de novembro) e o Ano Novo, as filas (de brinquedos, restaurantes, banheiros e tudo mais) ficam enormes.

OS PARQUES

O Disney World é um megacomplexo de lazer. São quatro parques temáticos (Magic Kingdom, Animal Kingdom, Hollywood Studios e Epcot), dois parques aquáticos (Blizzard Beach e Typhoon Lagoon), um centro de compras (Downtown Disney), cinco campos de golfe e 34 hotéis. Mickey, Pato Donald e companhia “moram” aqui.

Os mais crescidos preferem a ação dos parques do Universal Resort: Universal Studios e Islands of Adventure – este último é o endereço do The Wizarding World of Harry Potter, área de atrações dedicadas ao bruxinho famoso. Dá até para experimentar a tal cerveja amanteigada, um tipo de refrigerante (sem álcool) com espuma de creme de chantili.

Quando as possibilidades parecem esgotadas, surge o Sea World Parks & Enterteinment, que agrega o parque homônimo, o aquático Aquatica, o Discovery Cove e o Busch Gardens (que fica em Tampa, a 137 quilômetros). A orca-celebridade Shamu é a protagonista de um dos shows mais famosos da cidade.

O complexo mais recente, no entanto, não fica em Orlando e, sim, em Winter Haven, a 40 minutos. É a nova unidade da Legoland, segunda nos Estados Unidos (a primeira fica em San Diego, na Califórnia). Tudo é feito com pecinhas de Lego, inclusive os carrinhos das montanhas-russas.

Marca mais conhecida dos brasileiros, o Wet’n’Wild tem os mesmos playgrounds molhados da unidade em Vinhedo, São Paulo, mas com o gostinho de aventura apurado – um escorregador de 23 metros é prova disso.

Passes – Quem fica mais paga menos. Na Disney, por exemplo, quem compra o passe de uma semana paga, por dia, o equivalente a menos da metade do preço do ingresso diário avulso. Considere ainda a possibilidade de comprar os adicionais Park Hopper (que permite visitar mais de um parque por dia entre os incluídos no pacote básico) e o Water Parks Fun & More (com ele, a cada dia você pode entrar em mais uma atração, como parques aquáticos, além de visitar alguma das incluídas no pacote básico). Na Universal, quem opta pelo Park-to-Park Admission visita dois parques por dia pagando uma pequena diferença em relação ao ingresso para apenas um. Outra maneira de fazer o seu dinheiro render é adquirir entradas combinadas para vários parques, como o Orlando Flex Ticket (orlandoflexticket.com.br) ou os pacotes do SeaWorld Parks. Também vale ficar de olho nas promoções e aproveitar os descontos oferecidos pelo Centro de Visitantes de Orlando (orlandoticketsales.com)

COMPRAS

É praticamente impossível resistir. Os shoppings e outlets da região aguardam os turistas com preços até 70% mais baratos que os praticados em produtos similares no Brasil. Um bom exemplo é o Orlando Premium Outlet, com lojas como Calvin Klein e Diesel.

COMO CHEGAR

A TAM (www.tam.com.br) é a única companhia aérea que opera voos diretos para Orlando saindo de São Paulo – a viagem dura cerca de oito horas e meia. Pela American Airlines (www.aa.com.br), há partidas de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador e Recife, trocando de avião em Miami. A Copa Airlines (www.copaair.com) tem linhas de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre e Manaus, com escala no Panamá. Outra possibilidade é a United (www.united.com.br), cujos voos fazem escala em Washington ou Chicago. Já a Delta (www.delta.com) troca o avião em Atlanta, Nova York ou Detroit.

Fique atento ao peso da bagagem. Nos voos do Brasil aos Estados Unidos (e vice-versa), o limite de bagagem é de duas malas com 32 kg cada uma por passageiro. Se despachar mais que isso, você tem que pagar pelo excesso. Na Continental e na United, por exemplo, o primeiro volume custa, por trecho, US$ 15 e o segundo, US$ 25. Também terá gastos extras se planeja fazer voos domésticos durante a viagem: as companhias americanas cobram pelas malas despachadas nesses trajetos, mas a regra não vale quando se trata de uma conexão internacional.

QUEM LEVA

Se for sua primeira viagem para Orlando, vale a pena comprar um pacote turístico completo, incluindo passagens aéreas, ingressos e traslados para os parques. Programas completos assim são bem fáceis de encontrar nas férias de janeiro e de julho e também em alguns feriados, como o de Nossa Senhora de Aparecida, em 12 de outubro, que coincide com o Dia das Crianças. Feita a primeira visita, você já conhece a cidade e talvez prefira ir direto aos pontos que lhe interessam. Daí é hora de adquirir um pacote fly and drive, que inclui aéreo e aluguel de carro para você fazer o que bem entender.

Algumas operadoras que vendem pacotes para Orlando são a ADV (advtour.com.br); a Agaxtur (agaxtur.com.br); a CVC (cvc.com.br); a Designer (designertours.com.br); a Flot (flot.com.br); a Forma Family (formafamily.com.br); a Intrevel (intrevel.com.br); a Maktour (maktour.com.br); a Nascimento (nascimento.com.br); a Stella Barros (stellabarros.com.br); a Submarino Viagens (submarinoviagens.com.br); e a TAM Viagens (tamviagens.com.br).

Quem quiser aproveitar a viagem para estudar inglês encontra programas especiais na CI (ci.com.br), na Educanet (educanet.com.br), no STB (stb.com.br) e na Study’n’Travel (intercambio.com.br)

COMO CIRCULAR

Aluguel de carro – Alugar um veículo é uma alternativa prática e confortável para circular por uma cidade como Orlando, em que as atrações ficam distantes umas das outras. Só não vale a pena se você tiver adquirido um pacote que inclui todos os traslados dentro da cidade (para parques, shoppings e quaisquer outros passeios), ou se estiver hospedado dentro da Disney e quiser resumir sua programação às atrações do complexo – que disponibiliza transporte gratuito para hóspedes, dentro de sua área, em ônibus, barco e monorail. Ao colocar os gastos de transporte na ponta do lápis, lembre-se de que vai pagar estacionamento nos parques. Normalmente, a carteira de motorista brasileira é aceita nas locadoras de automóveis e pelos guardas rodoviários. Antes de fechar o aluguel, verifique se a locadora tem algum tipo de parceria com a companhia aérea na qual você comprou a passagem: algumas parcerias garantem descontos em tarifas all inclusive (com impostos).

Ônibus – É possível circular de ônibus por Orlando e seus arredores com veículos da Lynx (golynx.com), que tem mais de 60 linhas. Seus pontos têm sempre o desenho de um ônibus cor-de-rosa ou da pata de um animal. O site da empresa contém informações sobre as linhas e as paradas, além de horários previstos de chegada a cada uma delas.

I-Ride Trollet – É uma jardineira que circula pela International Drive e o Universal Boulevard das 8h às 22h30, passando por parques, restaurantes, museus e supermercados. Trata-se de um meio de transporte econômico que também proporciona uma espécie de city tour e ajuda você a se localizar nessa região da cidade. Os bilhetes podem ser adquiridos em mais de 100 pontos de venda. Consulte o site iridetrolley.com para achar o mais próximo.

Táxi – Não é uma alternativa lá muito econômica, por isso é aconselhável apelar para esse meio de transporte apenas para quebrar o galho em um ou outro deslocamento.

ONDE COMER

O típico breakfast americano está presente na maioria dos hotéis. Quem tem estômago mais delicado e não está acostumado a ingerir muita gordura de manhã, deve conter o ímpeto ao ver os suculentos omeletes com bacon. Ou pode se arrepender pelo resto do dia.

Entre as paixões nacionais para qualquer hora estão os onion rings (anéis de cebola à milanesa fritos), os cookies (enormes biscoitos doces), a nossa já conhecida cheesecake (torta de queijo cremoso), o brownie, o crab cake (um bolinho frito feito com carne de caranguejo), os dunuts e, obviamente, o hambúrguer.

Além do manjadérrimo McDonald’s, Orlando está repleta da lojas das redes Wendy’s, cujo hambúrguer quadrado é feito na hora; Burguer King, que ganhou a América com o sanduíche Whopper, com hambúrguer, salada, cebola, picles e molho especial; IHOP, cujos carros-chefes são as panquecas; Friday’s, com variedade de peixes, carnes, massas e saladas; e o Starbuck’s Coffee, com cafés de vários tipos, inclusive os expressos – que nem sempre são tão fáceis de encontrar nos Estados Unidos. Fora isso, em todos os parques há opções de lanchonetes (servindo pizzas e sanduíches). O país do fast-food também possui restaurantes refinados, bem avaliados pela AAA, Associação Americana de Automóvel. Em Orlando, apenas o Victoria & Albert’s, dentro da Disney, é classificado com cinco diamantes, a categoria máxima da entidade.

Orlando para foodies – A cidade hoje tem ótimas opções gastronômicas. O aclamado The Ravenous Pig (theravenouspig.com), em Winter Park, usa ingredientes locais em menus sazonais. Em Downtown Orlando, o The Rusty Spoon (therustyspoon.com) segue o esquema “da fazenda para a mesa”. O sofisticado e ótimo Victoria and Albert’s (disneyworld.disney.go.com) fica dentro do Disney’s Grand Floridian Resort & Spa.

Os planos de refeições nos parques – O Disney Dining Plan é um plano que dá direito a uma determinada quantidade de refeições em vários restaurantes do complexo Disney. O plano standard inclui um quick service, um table service e um snack por pessoa por US$ 55,59 por dia (US$ 17,16 por dia para crianças de 3 a 9 anos). Não é um investimento ruim, mas também não é uma economia enorme, já que dificilmente você fará todas as refeições a que o plano dá direito todos os dias se não adquiri-lo. Os parques da Universal contam com o Universal Dining Plan – Quick Service, que pode ser usado em mais de cem locais (tanto dentro dos parques quanto no CityWalk). Ele cobre uma refeição com prato principal, um snack e uma opção de bebida não alcoólica. Custa, por pessoa, US$ 21,99 (para crianças de 3 a 9 anos, US$ 13,99). De novo, não traz uma economia muito vantajosa.

Pedidas boas e baratas nos parques – É possível fugir do hambúrguer e da batatinha sem ter de pagar pelos menus à la carte. No Magic Kingdom, veja o Pinocchio Village Haus, um chalé em estilo suíço onde se servem pratos como pão achatado à caprese (US$ 10,49) e salada caesar com frango (US$ 9,99). No Animal Kindgom, o Yak and Yeti Local Foods Café tem pedidas asiáticas como a tigela de carne com molho teriyaki (US$ 11,49) e a salada de frango com gengibre (US$ 10,49). No Island of Adventures, prove o Leaky Cauldron, com atmosfera de Hogwarts e pratos como sopa e salada (US$ 8,99) e ensopado de cordeiro (US$ 12,99). No Busch Gardens, passe no Zambia Smokehouse, onde o salmão grelhado sai a US$ 11,99.

Pode levar snacks na bolsa nos parques? – É possível baratear as refeições comprando lanches em supermercados como o Walmart e a Target tanto para comer no hotel quanto para levar para os parques. Nestes últimos só não é permitido entrar com itens de vidro e bebidas alcoólicas – e também é proibido levar uma marmita e pedir para um funcionário do restaurante esquentar. Mas vale, sim, colocar na mochila sanduíches frios, frutas, salgadinhos e bolachas para aplacar a fome e não ter de toda hora entrar em fila para comprar um lanche.

ONDE FICAR

Dentro do complexo da Disney, o Disney’s Pop Century Resort é uma opção não tão cara, que fica bem perto do parque Epcot. Ainda ali, um dos melhores para se hospedar é o Disney Animal Kingdom Lodge, com ambientação que imita um safári africano e conta com uma piscina gigante. Para uma opção bem mais luxuosa, vale apostar no Four Seasons Orlando – este é o maior exemplar da rede de hotéis no mundo!

Já na Universal, o Loews Sapphire Falls Resort tem estilo caribenho, com piscinas e coqueiros. Bem na porta dos parques do complexo, o Doubletree Hotel também é uma opção atrativa.

Se a intenção é ficar fora dos complexos, o Holiday Inn é uma alternativa em Lake Buena Vista, mas que ainda oferece muita diversão para as crianças. O local conta com um pequeno parque aquático e até oferece transfer gratuitas para a Disney e a Universal.

Vale a pena ficar no complexo da Disney? – São 35 resorts (!) com o selo do Mickey. Os hotéis normalmente têm boa estrutura com piscina e playground, temas fofinhos na decoração e encontros com personagens. Quem fica neles também tem direito às Disney Magic Hours: pode entrar 1 hora mais cedo nos parques e sair 2 horas depois do fechamento (consulte o calendário). A Disney oferece transporte grátis desde o aeroporto até os seus hotéis e entre os seus parques – quem está de carro alugado também não paga para usar estacionamento neles. Compras feitas no complexo podem ser entregues direto no seu hotel.

Vale a pena ficar no complexo da universal? – Aqui são apenas cinco opções de hotéis. O melhor benefício é ter de graça o Universal Express Unlimited (oferecido em apenas três dos hotéis), o fura-filas ilimitado. Também há transporte gratuito para os parques, entrega de compras e entrada antecipada no The Wizarding World of Harry Potter 1 hora antes da abertura normal do parque.

Como é alugar casa em orlando? – O aluguel de casas de temporada ganhou o mundo, e em Orlando o sistema se fortaleceu e virou a primeira opção de muita gente. Aqui são muito populares as casas dentro de condomínios, que são espaçosas e ainda contam com áreas comuns com piscinas e quadras. Para quem vai em grupo ou quer passar temporadas mais longas, elas são sem dúvida a opção mais econômica. Os sites Temporada em Orlando e Casa da Disney têm atendimento em português e casas para seis adultos com duas crianças a partir de US$ 119 a diária.

 

LEIA MAIS

Conheça o Walt Disney World Resort – os parques, os restaurantes, hotéis e atrações do complexo mais conhecido de Orlando

Universal Resort – um especial com o que há de melhor no resort, de Harry Potter ao super-parque Islands of Adventure

Informações ao viajante

Línguas: Inglês

Saúde: Para entrar nos Estados Unidos, não é necessário tomar vacina.


Melhor época para visitar: É possível visitar Orlando em todas as estações do ano, mas escolher a temporada conforme os objetivos da viagem é fundamental para o sucesso das suas férias. Quem faz questão de aproveitar os parques aquáticos, por exemplo, deve evitar o inverno (dezembro a março). Ainda que as temperaturas sejam amenas na maior parte do tempo, não chegam a ser agradáveis para cair na água. Por outro lado, os que não se importam em vestir um eventual casaquinho são brindados com o privilégio de encontrar as atrações mais vazias e preços mais baixos em hotéis, passagens e aluguel de carros. A primavera (março a junho) e a segunda metade do outono (meados de outubro e novembro) - a primeira é quando acontecem os furacões - são as melhores épocas para se divertir com o céu azul, calor e movimento na medida certa. Já o verão desperta relações de amor e ódio. Ao mesmo tempo em que os dias são longíssimos para brincar até dizer chega, faz um calor de derreter castelos. Além disso, o período coincide com as férias escolares no Brasil (em julho) como também nos Estados Unidos (até agosto), o que significa muito mais filas e preços salgados. Feriados como Ano Novo e Dia da Independência norte-americana, 4 de julho, também são datas críticas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s