Reguenguinho: (provavelmente) a pousada mais charmosa de Portugal

Entre o campo e o mar, no Alentejo, um lugar para se esquecer da vida

A casa principal: oásis no Alentejo

A casa principal: oásis no Alentejo (Bruno Barata/Reprodução)

Desde que eu voltei a morar em Portugal, um novo canto do país ganhou meu coração: a Costa Vicentina. Trata-se do trecho do Alentejo que acompanha a costa do Atlântico de norte a sul. Onde o campo, poeticamente, encontra o mar. Eu disse campo. Oliveiras, ovelhas, sobreiros. E disse mar. Falésias, areias branquinhas, quase sempre ninguém à vista.

Detalhe da lateral: arquitetura tipicamente alentejana

Detalhe da lateral: arquitetura tipicamente alentejana (Bruno Barata/Reprodução)

Bem no meio de tudo isso fica a Herdade do Reguenguinho. E “tudo isso”, aqui, é só um extra, acredite. Porque o Reguenguinho se basta – difícil é querer sair dali.

A mesa do "pequeno-almoço": sempre à espera do mais preguiçoso dos hóspedes

A mesa do “pequeno-almoço”: sempre à espera do mais preguiçoso dos hóspedes (Bruno Barata/Reprodução)

Se escolher um dos quartos sobre palafitas, você acorda num caixote de vidro e se vê imerso num mar de colinas suaves pontilhadas de oliveiras. Ainda que escolha qualquer outro, vai sempre tomar o café da manhã sem pressa (pode ser às 10h ou às 14h, não importa; seu lugar estará sempre posto à mesa). E tem panquequinhas quentes, mil pães, queijos, ovos…

O deck no meio do campo: isolamento providencial

O deck no meio do campo: isolamento providencial (Bruno Barata/Reprodução)

Depois a missão é decidir se quer ler ou se largar nas espreguiçadeiras, nos cantinhos de inspiração oriental ou no deck lááá no meio delas: as oliveiras.

Detalhe das luminárias de um dos lounges: ares orientais

Detalhe das luminárias de um dos lounges: ares orientais (Bruno Barata/Reprodução)

Sob o sol do verão alentejano que se aproxima, a piscina de vista infinita vai ser sempre a melhor pedida. Ou, quem sabe, as praias de Vila Nova de Milfontes, a 15 minutos de distância (vá lá…).

A piscina com vista infinita: quem vai querer sair dali?

A piscina com vista infinita: quem vai querer sair dali? (Bruno Barata/Reprodução)

Quando eu fui ainda era inverno – e a banheira ao pé da cama, com vista do campo, me pareceu sempre o lugar mais adequado.

Gato de brinde: mimo extra do Reguenguinho

Gato de brinde: mimo extra do Reguenguinho (Bruno Barata/Reprodução)

A dona, Susana, é quem recebe os hóspedes e já prepara uma lista dos melhores restaurantes dos arredores. O Reguenguinho não serve refeições, mas os mais preguiçosos podem se render aos mimos dela e pedir um vinho e queijos para acompanhar. No pôr do sol. Na varanda. Eu falei das oliveiras?

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s