Viajar sozinha é um ato de resistência feminista

A dura realidade: aceitar o fato de que lidar com o assédio e com o medo é parte do pacote

Viajar sozinha, para mim, nunca foi encarado como um desafio. Márcia, minha mãe, é feminista até a medula – como advogada, esteve envolvida na criação da primeira Delegacia da Mulher do Brasil, por exemplo – e não precisou me doutrinar verbalmente. Sua atitude e seus exemplos bastaram. Ela viaja sozinha desde que me conheço por gente, mesmo estando casada com o meu pai, que sempre a incentivou a sair pelo mundo (assim como faz comigo: foi ele que me deu a maior força para que viesse morar em Barcelona). Perdi as contas de quantas viagens ela fez por conta própria – e continua fazendo. Morro de orgulho, especialmente, da vez em que pegou carona em um caminhão na Lituânia (sem falar lituano) para chegar ao vilarejo rural onde a minha avó nasceu. Por essas e outras, cresci achando que viajar sozinha era algo simplesmente normal.

 

No entanto, refletindo sobre a condição feminina na atualidade, me dei conta de que viajar sozinha ainda é, sim, um ato de bravura e de resistência, mesmo para quem foi criada em uma família empoderadora. E que encarar tal fato como apenas “normal” é consequência de algo extremamente incômodo: aceitar o fato de que lidar com o assédio e com o medo é parte do pacote.

 

Fazendo uma retrospectiva dos meus perrengues nesse sentido, sem ter que pensar muito me lembrei do tarado exibicionista que apareceu na minha frente em um estacionamento em Ibiza; do maluco que me seguiu em Casablanca, no Marrocos, me obrigando a fugir de táxi; do cara que me deu uma gravata por trás quando estava tentando entrar em casa logo que cheguei a Barcelona… Isso sem contar o assédio nosso de cada dia, as obscenidades que a gente ouve por aí em todos os idiomas, as trocentas vezes que temos que explicar porque estamos viajando sozinhas (algum homem já teve que responder a essa pergunta?).

 

Ter colocado tamanhas atrocidades no pacote da “normalidade” foi um ato desesperado de defesa. Uma espécie de cegueira benigna. Não é fácil ser mulher. E muito menos em um país latino machista cujo presidente faz questão de dar declarações medievais no dia que representa a nossa luta. Ter tomado consciência de viajar sozinha é um ato de resistência acaba de me fazer um pouquinho mais forte. Seguimos adiante.

 

Siga @drisetti no Instagram e no Twitter

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s