O mundo encantado das tapas grátis de Granada, na Espanha

A cidade onde pagar para almoçar e jantar está fora de cogitação

Já li pelos guias e blogs da vida que servir uma comidinha grátis com cada bebida é uma coisa típica dos bares da Espanha. Quisera. Aqui em Barcelona, por exemplo, escorre uma lágrima do meu olho direito quando a cervejinha vem acompanhada de três amendoins. E essa é mais a regra do que a exceção em se tratando do país como um todo. A coisa muda totalmente de figura na Andaluzia. E a verdadeira shangrilá das comidinhas grátis tem um nome: Granada. Bem-vindo ao maravilhoso mundo das tapas na faixa.

É uma questão vital: para cada drinque servido, seja no boteco ou no gastrobar, um pratinho de comida é depositado no balcão. Os poucos bares da cidade que não fazem isso são os “diferentes”. A coisa é tão parte da cultura local que muitos granadinos – principalmente os mais de 60 mil estudantes matriculados na universidade local – comem mais na rua do que em casa e raramente desembolsam dinheiro para almoçar e jantar.

E não basta servir uma comidinha qualquer para conquistar a clientela. Num terreno tão competitivo, os incontáveis bares de Granada – taí uma cidade boêmia – se puxam para preparar guloseimas apetitosas. E há uma regra implícita: quanto mais incrementado (e caro) o drinque, maior a recompensa. Sendo assim, basta usar a intuição para descobrir os reis do pedaço. Está entupido de gente? Pode entrar.

De qualquer forma, aqui vão alguns endereços a ter em conta:

Visual moderninho do Sibarius (Adriana Setti/Arquivo pessoal)

Sibarius

Um moderninho em uma cidade onde imperam os bares antigões. A carta tem ceviches, carpaccios, tatakis e causas peruanas. E as comidinhas grátis variam conforme o dia.

Al Sur de Granada

Simpaticíssima mistura de empório e bar, este lugarzinho despretensioso vende pães, queijos e verduras orgânicas. Serve tapas à base de produtos locais para acompanhar a carta de vinhos predominantemente naturais. E também vende e serve cervejas artesanais da região, como Al-Andalus, Sacromonte e Puchero.

O “requeté” (atum com pimentão) da Bodega Castañeda (Divulgação/Reprodução)

Bodegas Castañeda

Encardido pelo tempo, com direito a cabeça de touro na décor, paredes de azulejo, presuntos que pendem do teto e vinho direto do barril: andaluz até a medula. Fica cheíssimo todo santo dia e tem boa reputação pelas tábuas de frios.

Caracoles: paixão nacional (Divulgação/Reprodução)

Aliatar (Bar Los Caracoles)

Em uma pracinha fofa do Albaycín, é famoso pelos caracoles (escargot).

La Blanca Paloma

Os andaluzes fritam bem como ninguém e aqui é o lugar certo para dar um “boost” no colesterol e correr paro o abraço. A berinjela frita é um mito.

Siga @drisetti no Instagram e no Twitter

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s